Foto: World Rugby

Vice presidente atual do World Rugby (a federação internacional), o ídolo do rugby argentino Agustín Pichot pode estar de saída. O ex scrum-half era um dos nomes mais fortes para as eleições à presidência do World Rugby que acontecerão neste ano logo após os Jogos Olímpicos, mas o curso de suas negociações em prol de sua candidatura não caminharam como o desejado.

O argentino estava negociando uma candidatura conjunta com o francês Bernard Laporte (ex treinador da França e ex ministro do esporte do país, hoje nome forte da gestão da Copa do Mundo de 2023, que será em seu país), no entanto Laporte recentemente se aproximou de Bill Beaumont, o inglês que é hoje o presidente do World Rugby. Pichot seria oposição a Beaumont, mas com a perda do apoio de Laporte sua candidatura enfraqueceu.

Pichot mexeu com o mundo do rugby ao defender a abertura do Six Nations (isto é, a instituição de rebaixamento na competição) e a criação de uma liga mundial de seleções. O argentino ainda foi o grande responsável por aumentar os investimentos do World Rugby nos países do chamado segundo escalão, em especial nas Américas, liderando a criação do Americas Rugby Championship e dando apoio à Superliga.

Em janeiro, o argentino deu “retweet” em matéria crítica da revista Rugby World sobre o futuro do rugby mundial:

- Continua depois da publicidade -

 

Beaumont e Laporte juntos

Nesta sexta-feira, Beaumont e Laporte lançaram oficialmente a candidatura conjunta, a partir de um manifesto que em breve deverá ser publicado integralmente.

A dupla prometeu mais investimentos nas nações emergentes (isto é, aquelas que não fazem parte do Six Nations e do Rugby Championship) e no rugby feminino, assim como mudanças na estrutura administrativa do World Rugby. Além disso, os candidatos reforçaram que querem maior diálogo com os atletas.

Clique aqui para acessar o anúncio da candidatura de Beaumont e Laporte

A candidatura de Beaumont e Laporte terá o apoio das nações do Six Nations. As nações do Rugby Championship estavam ao lado de Pichot. A França pendia a favor do argentino, mas Laporte se tornou o fiel da balança.

 

Quem vota no Conselho do World Rugby?

  • 3 votos para cada um dos seguintes países: Inglaterra, Escócia, Gales, Irlanda, França, Itália, Argentina, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia;
  • 2 votos para o Japão e 2 votos para cada uma das federações continentais (Rugby Europe, Rugby Africa, Asia Rugby, Oceania Rugby, Rugby Americas North e Sudamérica Rugby);
  •  1 voto para cada um dos seguintes países: Canadá, Estados Unidos, Uruguai, Geórgia, Romênia, Fiji e Samoa;