Farrapos supera o São José e encerra sequência de derrotas no Super 8

Na data em que completou cinco anos do histórico duelo contra o São José, no dia 30 de julho de 2011, marcado pela primeira apresentação de um clube gaúcho entre os grandes do rugby brasileiro, o Farrapos reencontrou os joseenses, dessa vez no estádio da Montanha, em Bento Gonçalves (RS), pela terceira rodada do Super 8 2016. Se o quinquênio na elite nacional já era motivo de celebração, o time buscou a cereja do bolo com triunfo por 27 a 15 sobre os atuais campeões.

 

Diante de aproximadamente 400 pessoas, as equipes foram pouco arrojadas nos primeiros minutos. O São José insistia no jogo de mãos, enquanto o Farrapos buscava avanços através dos chutes. Aos 14 minutos, o abertura Rafael Morales arriscou penal há cerca de 30 metros do ingoal e abriu o placar. Aos poucos, o Farrapos foi ajustando a linha e se aproximando do ataque. Quando a troca de passes encaixou, o time foi letal. Aos 19, a bola rodou com perfeição da ponta direita até próximo à esquerda, quando o fullback Javier furou a defesa e anotou o primeiro try da partida, convertido por Facundo Flores: 7 a 3. Aos 33, brilhou o coletivo dos donos da casa. A jogada começou no line, próximo aos 10 metros de defesa, chegou até o scrum-half Frison, passou por Javier e pelo centro Dudu, até chegar ao ponta Civardi, que foi mais veloz que os tackleadores para guardar o segundo try, também convertido por Facundo. O terceiro veio dois minutos depois. Dudu aproveitou-se de cochilo da marcação adversária e avançou quase meio campo, sozinho, para cravar a bola no ingoal. Facundo manteve os 100% de aproveitamento nas conversões e ampliou a vantagem para 21 a 3.

 

Na etapa final, o São José abriu mão dos penais e passou a rondar com mais frequência o campo adversário. Aos 5, o time trabalhou com frieza o scrum nos 5 metros e o oitavo Diogo Borges finalizou. Morales não converteu e a diferença ficou em 21 a 8. A reação, porém, esfriou em outro chute certeiro de Facundo, dessa vez em penal, aos 15 minutos. Com a expulsão do pilar Daian, aos 25, e do terceira linha Aconcágua, aos 31, o Farrapos passou a jogar com dois homens a menos nos minutos finais. Aos 35, o São José tirou proveito da vantagem numérica e chegou ao try penal, convertido por Morales. Quando os visitantes pressionavam, no entanto, o preciso Facundo teve outra chance em penal, não desperdiçou e sacramentou o triunfo gaúcho: 27 a 15.

 

A vitória ascendeu o Farrapos para a sexta colocação e pôs fim à incômoda sequência de sete reveses na competição. O último triunfo havia ocorrido no dia 22 de agosto de 2015, contra o Desterro. Os comandados do técnico e jogador Javier terão a chance de encostarem na zona de classificação no próximo sábado, dia 6, diante do Band Saracens, fora de casa, em partida atrasada da segunda rodada. O São José, por sua vez, despencou do terceiro para o sétimo lugar, e buscará recuperação no próximo dia 20, diante do Pasteur, em Vinhedo (SP).

 

*O Portal do Rugby escolheu Facundo Flores o melhor jogador da partida.

 

Placar final: Farrapos (21) 27×15 (03) São José
 

Farrapos
Tries: Javier, Civardi e Dudu

Conversões: Facundo (3)

Penais: Facundo (2)
 
São José
Tries: Diogo Borges e try penal

Conversões: Rafael “Grilo” Morales (1)

Penais: Rafael “Grilo” Morales (1)
 

Texto e foto por: João Paulo Mileski

 

Clube Cidade (UF) P J V E D 4+ -7 PP PC SP
Desterro Florianópolis (SC) 62 14 13 0 1 10 0 437 198 239
Curitiba Curitiba (PR) 49 14 10 0 4 7 2 374 246 128
São José São José dos Campos (SP) 48 14 10 0 4 7 1 412 288 124
Farrapos Bento Gonçalves (RS) 33 14 6 0 8 4 5 329 287 42
Pasteur São Paulo (SP) 29 14 5 0 9 2 7 210 227 -17
SPAC São Paulo (SP) 23 14 5 0 9 2 1 230 437 -207
Niterói Niterói (RJ) 22 14 4 0 10 3 3 279 451 -172
Band Saracens São Paulo (SP) 21 14 3 0 11 3 6 300 437 -137

Vitória = 4 pontos;
Empate = 2 pontos;
Derrota = 0 pontos;
Fazer 4 ou mais tries = 1 pontos extra;
Derrota por 7 ou menos pontos de diferença = 1 ponto extra;

– Dois primeiros colocados = classificação à final

Comentários