Niterói festeja primeira vitória no Super 8 com estilo

Sem vencer uma partida pela primeira divisão nacional desde 2013, o Niterói recebeu no último sábado os paulistas do Band Saracens e quebrou o jejum. Com uma apresentação de gala, o Niterói provou que não voltou por acaso à elite, conquistando uma irrepreensível vitória por 41 x 10, empurrando o time de São Paulo à lanterna do campeonato.

 
A partida começou com a equipe local abrindo o placar em um penal frontal perto das 22 adversárias. Erick Iglesias foi preciso, fazendo 3 x 0. O Band respondeu logo em seguida com um penal de forma “espelhada”, de frente para os postes niteroienses, anotado por JP. O que se viu em seguida foi algo surpreendente: os campeões da Taça Tupi 2015 fizeram valer o mando de campo e mostraram força advinda de sua torcida, não deixando os visitantes jogarem. Aos 14 minutos, mais um penal convertido por Erick, enquanto o Band não conseguia impor seu ritmo e perdia todas as bolas no meio de campo. Com as investidas do próprio Erick, a armação de Daniel Gregg e o contra-ataque de Robledo Veiga o Niterói levava perigo. O primeiro try saiu em uma jogada simples com Gregg, que furou a linha de defesa e correu mais que o fullback bandeirantino sem problemas. Convertido por Erick.

 

O Niterói dominava o jogo aberto, os rucks e o lineout, mas perdia nos scrums, o que não influenciava seu jogo sólido e com muito suporte do pack de forwards. Aos 24′, mais um penal bobo cometido pelo Band e “caixa”: Erick converteu. Não perca a conta: Niterói 16-3 Band, ainda no 1º quarto do jogo.

 

Por mais que tentasse, a equipe visitante não conseguiu penetrar a defesa niteroiense e o primeiro tempo foi muito produtivo para Erick Iglesias. O centro converteu 4 de 6 penais e acertou as duas conversões, em tries de Gregg, Boquinha e Robledo.

 

O segundo tempo foi mais cadenciado, mas os primeiros pontos só saíram após 10 minutos de defesa sólida dos paulistas, com mais um try de Robledo, gerando o ponto bônus ofensivo para os donos da casa e mais uma conversão de Erick.

 

O scrum continuou sendo um problema para o Niterói, que não conseguia segurar a primeira linha formada pelo capitão bandeirantino Chabal que, sete minutos depois de sofrer o try, conseguiu furar a defesa pelo meio e anotar o primeiro try bandeirante, com o segunda linha Bruno Rossi e convertido mais uma vez pelo abertura JP.

 

O que se viu depois foi as equipes realizando muitas substituições para renovar o fôlego, tanto no scrum quanto no jogo aberto e mais uma conversão de Erick. O Band não resistiu, mas também não desistiu e lutou até o final bravamente, caindo de pé para um adversário muito superior na tarde de sábado.

 
O Band Saracens voltará a campo no próximo sábado, em casa, contra o Farrapos, em jogo que fora adiado da segunda rodada. Já o Niterói retorna aos gramados apenas após os Jogos Olímpicos, com a competição tendo uma pausa.

 

Placar final: Niterói (31) 41 – 10 (03) Band Saracens

 

Niterói
Tries: Gregg, Boquinha, Robledo (2)
Conversões: Erick (3)
Penais: Erick (5)

 

Band Saracens

Try: Rossi

Conversão: JP (1)

Penais: JP (1)

 

Árbitro: Xavier Vouga
Assistentes: Damon Freeman e Marcel Santos
4º Árbitro: Vinícius Guedes

Local: UFF Gragoatá – Niterói, RJ

 

Escrito por: Vinícius Guedes

 

ClubeCidade (UF)PJVED4+-7PPPCSP
DesterroFlorianópolis (SC)62141301100437198239
CuritibaCuritiba (PR)4914100472374246128
São JoséSão José dos Campos (SP)4814100471412288124
FarraposBento Gonçalves (RS)33146084532928742
PasteurSão Paulo (SP)291450927210227-17
SPACSão Paulo (SP)231450921230437-207
NiteróiNiterói (RJ)2214401033279451-172
Band SaracensSão Paulo (SP)2114301136300437-137

Vitória = 4 pontos;
Empate = 2 pontos;
Derrota = 0 pontos;
Fazer 4 ou mais tries = 1 pontos extra;
Derrota por 7 ou menos pontos de diferença = 1 ponto extra;

– Dois primeiros colocados = classificação à final

Comentários