Poli alcança a grande final da Taça Tupi em triunfo dramático sobre o San Diego

O sábado no CEPEUSP foi de grandes emoções pela semifinal da Taça Tupi, o Campeonato Brasileiro 2ª Divisão, quando a Poli recebeu os gaúchos do San Diego, vice campeão do torneio no ano passado. A Poli, campeã da segunda divisão nacional em 1992, buscando seu retorno à elite nacional depois de longa ausência, garantiu o mando de jogo na semifinal pelo saldo de pontos, ao terminar a fase de grupos com a mesma pontuação que o clube de Porto Alegre. E os politécnicos fizeram valer o mando de jogo, garantindo um sofrido 24 x 22 no marcador, assegurando vaga na decisão contra o Jacareí, que ocorrerá no dia 29 deste mês.

 

Quem largou melhor foi o San Diego, que garantiu o domínio inicial do jogo, com um pack muito forte e conquistando muitos penais a seu favor. O primeiro try não tardaria, fazendo jus ao início, com o hooker Bruno Carvalho guardando o try para os gaúchos aproveitando erro defensivo politécnico. O troco da Poli saiu com o oitavo Pedro “Gonzo” Mantovani, aos 10′, mas a força gaúcha nos forwards e os muitos erros politécnicos no começo permitiram que os verdes voltassem a dianteira com penal bem chutado aos 13′ por Erick Dysiuta. A Poli logo reequilibraria ações, em um jogo sem espaços e que se encaminhava para o intervalo com muitas penalidades. Quem acabou pecando na indisciplina foi o San Diego e a Poli não perdoou, com Marcelo “Tate” Orefice chutando com precisão dois penais para a Poli, aos 18′ e aos 25′. Na sequência, os politécnicos foram reduzidos a 14 homens, mas resistiram na defesa e mantiveram o placar inalterado até o fim, sendo premiados ainda aos 40′, com Tate chutando mais um penal e garantindo a frente no marcador ao final da primeira etapa, 16 x 10.

 

O San Diego começou melhor também o segundo tempo, conseguindo abrir mais a bola para o jogo de mãos. Aos 54′, os gaúchos voltaram a cruzar o in-goal uspiano, com o oitavo Michael Begino, não ocorrendo a virada por conta da falha na conversão. Mas, a Poli não tardaria a mostrar sua qualidade também com a bola em mãos e, aos 66′, em grande jogada de Gonzo e Beukes, MIB arrancou para cravar o segundo try da Poli, decisivo, que deu um respiro à equipe mandante na liderança do placar. Porém, sem a conversão, a diferença de 21 x 15 mantinha os visitantes no páreo, que já tinha desperdiçado chances de penal. A virada aconteceu aos 73′, quando o ponta Juliano Bernartti fez o try que parecia dar a vitória ao San Diego, com Dysiuta acertando a conversão para virar o marcador para 22 x 21. O drama se arrastou até o fim com a Poli na ofensiva. O San Diego teve um scrum decisivo com o tempo próximo de se esgotar, mas quem prevaleceu foi o scrum politécnico. Com paciência e com um jogador a mais, a Poli soube manter a bola viva até arrancar o penal decisivo, já nos acréscimos, para Fernando “Feijoada”, com frieza, acertar o arremate e dar a vitória ao time paulista. Poli 24 x 22 San Diego, com emoção de sobra.

 

Placar final: Poli 24 x 22 San Diego
Árbitro: Victor Hugo Barbosa
Auxiliares de linha: Lucas Santos e Guilherme Queiroz
Local: CEPEUSP – São Paulo, SP
 

Poli

Tries: Pedro “Gonzo” Mantovani e João Rafael “MIB” Azevedo

Conversões: Marcelo “Tate” Orefice (2)

Penais: Marcelo “Tate” Orefice (2) e Fernando “Feijoada” Agra (1)

 

San Diego

Tries: Bruno Carvalho, Michael Begino e Juliano Bernartti

Conversões: Erick Dysiuta (2)

Penais: Erick Dysiuta (1)

 

Foto: Denys Flores

Comentários