A Taça Tupi viveu um de seus jogos mais tensos nesse fim de semana, com um empate de cinco tries no último lance entre Templários e Rio Branco, válido pela quarta rodada do grupo A. O resultado não foi bom para os dois lados, que veem a disputa pelas posições finais rumo à elite nacional em 2018 muito acirrada.

Veja fotos da partida por Daniel Venturole

A partida ressaltou os pontos fortes e as limitações dos dois lados. Antes do início, foi dedicado um minuto de silêncio em homenagem ao pai de Walter Schildberg, atleta Pelicano, falecido nessa semana. Com a bola em jogo, o Rio Branco mostrou clara evolução em relação ao primeiro encontro das equipes no primeiro turno e abriu o placar com Daniel “Maranhão” após o próprio desperdiçar um penal que acabou indo na trave, mas a defesa do Templários bobeou e o time da capital conseguiu se manter no ataque.

Dez minutos depois, foi a vez de Vina ampliar, em nova subida pela direita. O retorno do experiente segunda linha deu mais qualidade ao lineout do Rio Branco, mas não teve efeito no scrum, dominado mais uma vez pelo pesado pack do Templários que conquistou um penal try cinco minutos depois. A ausência de jogadores de linha no time do ABC, que improvisou forwards nas posições, se fazia notar pela falta de jogadas para furar a defesa adversária, um cenário diferente do que se viu na partida anterior. O Rio Branco era melhor na partida, mas a dependência dos avanços de Maranhão e Kevin pelo centro facilitava o trabalho defensivo do Templários, ainda que todas suas subidas ganharam valiosos metros para os Pelicanos e resultou em mais dois tries, com David e Maranhão novamente, abrindo caminho para o que parecia uma vitória convincente da equipe. Mas o Templários se manteve no jogo, apostando cada vez mais no jogo fechado e aproveitando os muitos penais cedidos pelo adversário para se colocar em boa situação para marcar. Depois de muito bater com os avançados, em seu último ataque no primeiro tempo, Colosso diminuiu para o Templários, dando novo fôlego para os visitantes.

- Continua depois da publicidade -

No segundo tempo, o Templários jogou com inteligência, centrando o jogo completamente nos forwards e evitando que a bola chegasse na perigosa linha adversária e um novo penal try colocou a equipe no jogo de uma vez, resultando ainda na exclusão de dois jogadores do Rio Branco no intervalo de dois minutos. A superioridade numérica demorou para mostrar resultados, mas veio por meio de Mauazinho, empatando a partida para delírio da animada torcida do Templários com o período de exclusão prestes a se encerrar.

O Rio Branco criava pouco e não mostrava muitas alternativas para voltar à liderança, tentando criar espaços com Luiz “Basta” e Diego Telles, sempre ganhando terreno em suas investidas, mas longe do ingoal adversário, que virou com Paulo Bof, entrando muito bem na partida.

A situação se tornou dramática para os Pelicanos que ainda tinham quinze minutos para tentar a vitória, mas seguiam cometendo muitas infrações e dando a posse de bola para o Templários que gastava o tempo como podia, mantendo o jogo de base muito cadenciado. Ainda assim a equipe teve ótima chance de fechar a partida em boa investida de Bof pela esquerda, mas no último passe, a bola acabou indo para a frente, matando o ataque do clube do ABC. O Rio Branco manteve a cabeça erguida e na base da raça voltou ao ataque nos minutos finais e foi recompensado, com um try salvador de Diego Telles, encarando a defesa adversária e se jogando no ingoal para alívio da torcida Pelicana. O chute de conversão não foi feliz, e as equipes saíram com um empate com gosto de derrota para os dois lados.

Na próxima rodada, o Templários faz o jogo da vida contra o Pé Vermelho, ao mesmo tempo em que tenta se manter invicto no Paulista. O elenco reduzido e lesões podem prejudicar a campanha da equipes nas duas competições, algo que já aconteceu em ocasiões anteriores. O Rio Branco terá pela frente o cada vez mais motivado Band Saracens, e sonha com a vitória para não se despedir prematuramente da competição.

O Portal do Rugby elegeu Diego Telles como melhor jogador da partida.

Placar final: Rio Branco (24) 29 X 29 (12) Templários

Rio Branco
Tries: Daniel “Maranhão” (2), André Vinícius, David, Diego Telles
Conversões: Daniel “Maranhão” (2)

Templários
Tries: Penal Try (2), Colosso, Mauazinho, Paulo Bof
Conversões: Rômulo (2)

Classificação

ClubeCidade (Estado)PtsJVED4+7-PPPCSP
Grupo A
Band SaracensSão Paulo (SP)3066006042972357
Pé VermelhoLondrina (PR)1563033021518431
TempláriosSão Bernardo do Campo (SP)14621340141299-158
Rio BrancoSão Paulo (SP)460152092322-230
Grupo B
GuanabaraRio de Janeiro (RJ)2164023219995104
BH RugbyBelo Horizonte (MG)1964023014010634
NiteróiNiterói (RJ)1463032012410915
Rio RugbyRio de Janeiro (RJ)561050162211-149
Grupo C
CharruaPorto Alegre (RS)246501311327458
San DiegoPorto Alegre (RS)196402121098128
ChapecóChapecó (SC)962040187122-35
JoacaFlorianópolis (SC)661050263114-51