ARTIGO COM VÍDEO – As duas melhores equipes da temporada chegaram ao Ellis Park para a final tão esperada para os 80 minutos finais do torneio. O Lions jogando em casa e os Crusaders chegando para desafiar o time da casa. Lions tentando melhorar sua campanha da temporada passada em que foi vice-campeão e o Crusaders querendo acrescentar mais um aos seus 7 títulos de Suer Rugby.

O jogo começou com o Lions pressionando os Crusaders aproveitando que jogava em casa e estava diante de sua torcida e aos 4 minutos um momento de ousadia de Elton Jantjies: uma tentativa de um drop goal que não foi bem sucedida.

Pouco minutos depois, os neozelandeses equilibraram a partida e Seta Tamanivalu, aos 8 minutos, anotou o primeiro try da partida em um belo contra-ataque iniciado após um tackle duvidoso com suspeita de ser tackle “pilão” mas que não foi conferido pelo árbitro por recursos da arbitragem. Richie Mo’unga converteu e os Crusaders saíam na frente: 7 x 0.

Três minutos depois, nova bobeada da defesa dos Lions e Jack Goodhue invadiu o ingoal dos sulafricanos e anotou o segundo try dos Crusaders. Desta vez Mo’unga não conseguiu converter. 12 x 0 para os neozelandeses.

- Continua depois da publicidade -

Os Lions passaram momentos de pane que permitiram que os Crusaders anotassem os dois primeiros tries com certa facilidade e novamente aos 17 minutos equilibraram o jogo e rearmaram sua defesa. Isso forçou aos neozelandeses a tentarem outras alternativas e, numa delas, David Havili, aos 24 minutos, tentou um chute penal aos postes desde o meio de campo, mas foi infeliz. Não acertou na direção.

Dois minutos depois, foi a vez e Jantjies fazer o mesmo tipo de tentativa. Desta vez para o Lions. E guardou, levantando a torcida do Ellis Park. 12 x 3 para os Crusaders agora mostrava o placar.

Aos 37 minutos, Kwagga Smith em um lance de pura imprudência, prejudica sua equipe ao não saltar para disputar a bola no alto com Havili e é expulso por atingí-lo no alto. O lance é crucial por deixar o Lions com um jogador a menos durante todo o restante da partida.

E no minuto final do primeiro tempo, um penal para os Crusaders é convertido por Mo’unga dá os números finais ao placar: 15 x 3 para os neozelandeses.

Jogando com um jogador a mais, os Crusaders começam o segundo tempo com facilidade e marcando mais um try logo no reinício da partida com Kieran Ried. Mo’unga converteu e ampliou. 22 x 3 para os neozelandeses.

O time sulafricano não consegue superar os Crusaders e comete penais em seu campo de defesa. E num deles, Mo’unga ampliou a vantagem convertendo chute aos postes aos 12 minutos. 25 x 3.

Após uma jogada de lateral mal sucedida, um ataque bem tramado pelos forwards dos Lions, Malcolm Marx invade o ingoal dos neozelandeses e anotava o primeiro try dos sulafricanos e Jantjies converteu. Aos 25 minutos os Lions diminuíam para 25 x 10.

Aos 28 minutos, um novo ataque dos Lions termina com a posse de bola com Franco Mostert que a perde em um knock on a poucos metros do ingoal ao tomar o tackle. Era uma ótima chance para a equipe sulafricana diminuir a diferença no placar.

Os Lions não desistiram e continuaram forte. Pressionaram os Crusaders. E em novo ataque aos 32 minutos, Cornie Fourie invadiu o ingoal e anotou outro try. Janties converteu rapidamente para não perder tempo. 25 x 17 neste momento. A pressão seguia forte.

A pressão do Lions seguia forte, mas a equipe sulafricana pecava nos laterais e cometeu pequenas falhas como knock ons nos quatro minutos finais em que não podia perder a posse de bola.

Com a vitória os Crusaders vencem pela oitava vez o torneio que não venciam desde 2008 e deixam o Lions com o vice-campeonato pela segunda vez consecutiva. Scott “Razor” Robertson passa a ser o primeiro jogador a vencer também como técnico e, curiosamente, pela mesma equipe. Ele tem passagem também pelos nossos Tupis em 2012 e 2013.

 17 versus copiar 25crusaders copy copy copy

Lions 17 x 25 Crusaders – Ellis Park em Joanesburgo

Árbitro: Jaco Peyper

Lions

Tries: Marx, Fourie
Conversões: Jantjies (2)
Penal: Jantjies

15 Andries Coetzee, 14 Ruan Combrinck, 13 Lionel Mapoe, 12 Harold Vorster, 11 Courtnall Skosan, 10 Elton Jantjies, 9 Ross Cronje, 8 Ruan Ackermann, 7 Kwagga Smith, 6 Jaco Kriel (c), 5 Franco Mostert, 4 Andries Ferreira, 3 Ruan Dreyer, 2 Malcolm Marx, 1 Jacques van Rooyen;

Suplentes: 16 Akker van der Merwe, 17 Corne Fourie, 18 Johannes Jonker, 19 Lourens Erasmus, 20 Cyle Brink, 21 Faf de Klerk, 22 Rohan Janse van Rensburg, 23 Sylvian Mahuza;

Crusaders

Tries: Tamanivalu, Goodhue, Read
Conversões: Mo’unga (2)
Penais: Mo’unga (2)

15 David Havili, 14 Israel Dagg, 13 Jack Goodhue, 12 Ryan Crotty, 11 Seta Tamanivalu, 10 Richie Mo’unga, 9 Bryn Hall, 8 Kieran Read, 7 Matt Todd, 6 Jordan Taufua, 5 Sam Whitelock (c), 4 Scott Barrett, 3 Owen Franks, 2 Codie Taylor, 1 Joe Moody;

Suplentes: 16 Ben Funnell, 17 Wyatt Crockett, 18 Mike Alaalatoa, 19 Luke Romano, 20 Pete Samu, 21 Mitchell Drummond, 22 Mitchell Hunt, 23 George Bridge.

 

Campeões do Super Rugby

Crusaders (Nova Zelândia) – 8 vezes

Blues (Nova Zelândia) – 3 vezes

Bulls (África do Sul) – 3 vezes

Brumbies (Austrália) – 2

Chiefs (Nova Zelândia) – 2

Waratahs (Austrália) – 1 vez

Hurricanes (Nova Zelândia) – 1 vez

Highlanders (Nova Zelândia) – 1 vez

Reds (Austrália) – 1 vez