Foto: Sudamérica Rugby

ARTIGO ATUALIZADO COM ESCALAÇÃO – História será feita nesse dia 25 de agosto, quando a Seleção Brasileira Feminina de Rugby XV entrar em campo em Medellín contra a Colômbia, naquele que é o primeiro jogo da história entre as duas seleções na categoria.

A partida terá transmissão ao vivo pelo Facebook da Federação Colombiana (clique aqui) e será a segunda da história do Brasil, 11 anos depois da histórica equipe liderada por Flávio Santos e José Alpuim ter ido à Holanda (clique aqui para relembrar quem esteve naquele time pioneiro). A partida é amistosa e vale para preparar as duas seleções para as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2021, que rolam no ano que vem.


Por conta da partida de 2008, o Brasil está ranqueado e ocupa hoje o 46ª lugar do mundo, ao passo que a Colômbia não está ranqueada. As duas seleções ganharão pontos no Ranking pela partida. A seleção da Colômbia tem uma partida de XV contra a Venezuela em 2003, que foi reconhecida recentemente pelo World Rugby como a primeira entre seleções sul-americanas. No entanto, o jogo não fez as colombianas entrarem no Ranking e nessa segunda-feira a Colômbia se tornará a 56ª seleção feminina a ser ranqueada.


Tudo pronto para o jogo histórico

- Continua depois da publicidade -

O treinador da seleção brasileira de 2019, o neozelandês Reuben Samuel falou um pouco da preparação para o jogo: “nossa preparação para este jogo contou com um primeiro camp com mais de 60 atletas, o que é um ótimo sinal pro futuro. No segundo camp, convocamos 45 atletas, ainda com alguns trials, e considerando que as jogadoras nunca jogaram XV, vejo muito potencial. Para esta semana de preparação, como treinadores, tentamos dar informações gerais de como jogar XV. O nosso objetivo é ir para a Colômbia estabelecer onde estamos e aprender com elas, que já jogam XV por 9 anos ou mais. Consideramos que a Colômbia é o time número um no rugby feminino na América do Sul neste momento. Esperamos jogar com a Colômbia e aprender com este jogo para nossa preparação para março 2020. Agradecemos a World Rugby, Sudamérica Rugby e CBRu a oportunidade de participar deste evento histórico”.

A capitã será Íris Coluna, do Band Saracens, e a vice capitã Andressa Contreras, do Niterói. Íris comentou sobre a experiência de ser a capitã desta equipe: “estou muito agradecida pela oportunidade de liderar a seleção. É um momento importante para o Rugby no Brasil e na América do Sul, fomentando o desenvolvimento do XV e do rugby de uma maneira geral. Aproveito para agradecer a Colômbia por nos receber. Esta experiência vai ajudar ao Brasil a descobrir ‘onde estamos’ e nos dar uma plataforma para 2020 e os próximos anos”.

O jogo é no Estadio Cincuentenário, que também receberá no mesmo dia os jogos do Americas Rugby Challenge, a segunda divisão masculina das Américas.

 

Escaladas!

Reuben Samuel escalou a dupla olímpica do sevens, Izzy e Raquel, como o miolo criativo do time, de 9 e 10. A linha conta com Rafa e Mari Nicolau fazendo uma dupla poderosa de centros, com Isadora Lopes de ponta – todas com o entrosamento da seleção de sevens. Rúbia estará na outra ponta, ao passo que Leila é a camisa 15, conquistando uma posição importante no XV após grande temporada com o sevens das Yaras.

No pack, Íris capitaneia o time na asa, jogando ao lado de Mille e Fran, ambas vindas da seleção de sevens. Na segunda linha, Marcelle completa a lista das atletas que defenderam as Yaras no sevens neste ano e joga ao lado de Sofia, ao passo que a primeira linha tem Bu, nome muito pedido para a posição, e Camila, em uma dupla curitibana de pilares, enquanto a niteroiense Andressa fará história com a camisa 2 ao entrar em campo como a única remanescente do time de 2008.

A Colômbia tem 8 atletas medalhistas de bronze no Pan de 2019, como a capitã Nicole Acevedo e Catalina Arango, escaladas para começarem entre as 15.

 

Sábado, dia 25 de agosto

*Horário de Brasília

versus copiar

14h30 – Colômbia x Brasil, em Medellín – Facebook FECORUGBY AO VIVO

Colômbia:15 Yina Quintero, 14 Solangie Delgado, 13 Valentina Álvarez, 12 Catalina Arango, 11 Manuela Marroquin, 10 Ana María González, 9 Nicole Acevedo (c), 8 Carolina Naranjo, 7 Angela Lozano, 6 Gloribeth Campos, 5 Maira Martínez, 4 Alejandra Betancurt, 3 Camila Cardona, 2 Natalia Barajas, 1 Aura Cadavid;

Suplentes: 16 Camila Lopera, 17 Mizzy Arzuaga, 18 Isabel Romero, 19 Sharon Acevedo, 20 Leidy Soto, 21 Laura Diosa, 22 Yenny Ramírez, 23 Leidy García;

Brasil: 15 Leila Silva, 14 Rúbia Domingos, 13 Mariana “Mari” Nicolau, 12 Rafaela “Rafa” Zenellato, 11 Isadora “Isa” Lopes, 10 Raquel Kochhann, 9 Isadora “Izzy” Cerullo, 8 Franciele “Fran” Martins, 7 Íris Coluna (c), 6 Milena “Mille” Mariano, 5 Sofia Arantes, 4 Marcelle Souza, 3 Camila Gonçalves, 2 Andressa Contreras, 1 Franciny “Bu” Amaral;

Suplentes: 16 Addalucia “Adda” Nascimento, 17 Suzana Rodrigues, 18 Ana Paula “Mima” Lacosqui, 19 Dayana Dakar, 20 Tabata “Colors” Coutinho, 21 Letícia Medeiros, 22 Marina “Tchoba” Fioravanti, 23 Thalita “Tchubata” Costa;

 

Elenco brasileiro:

Avançadas: Addalucia “Adda” Nascimento (Delta), Andressa Contreras (Niterói), Camila Izabel “Cami” Gonçalves (Curitiba), Suzana Rodrigues (Niterói), Ana Paula “Mima” Lacosqui (Delta), Franciny “Bu” Amaral (Curitiba), Franciele “Fran” Martins (Melina), Marcelle de Souza (Guanabara), Sofia Arantes (Band Saracens), Dayana Dakar (Niterói), Íris Coluna (c) (Band Saracens), Letícia Medeiros (Jacareí), Milena “Mille” Mariano (São José);

Linha: Tabata “Colors” Coutinho (Band Saracens), Isadora “Izzy” Cerullo (Niterói), Raquel Kochhann (Charrua), Mariana “Mari” Nicolau (São José), Rafaela “Rafa” Zanellato (Curitiba), Thalita “Tchubata” Costa (Delta), Isadora Lopes (Melina), Rúbia Domingos (USP), Leila Silva (Leoas), Marina “Tchoba” Fioravanti (Band Saracens);