CBRu discutiu com clubes e federações ideias para 2017-2023

Sábado foi um dia de grande importância para o rugby nacional. A CBRu convidou clubes e federações para uma Reunião Estratégica no clube da AABB, em São Paulo, que teve boa participação dos envolvidos e durou quase 7 horas ininterruptas, conduzidas pelo presidente Sami Arap e pelo CEO Agustín Danza.

 

Na última semana, a CBRu enviou aos clubes um documento de quase 100 páginas fazendo uma revisão de suas realizações ao longo do período de 2010 a 2016 e trazendo seu plano para o período de 2017-2023, ainda não oficial, a fim de abrir sua visão e seus planos para a apreciação da comunidade. Clique aqui para baixar o documento.

 

As discussões se desenrolaram com base no plano – ainda não oficial – da CBRu para os próximos anos, deixando claro que os objetivos da entidade para o alto rendimento são classificar a Seleção Brasileira Masculina para a Copa do Mundo de 2023, a Seleção Brasileira Feminina para os Jogos Olímpicos de 2020 e a Seleção Brasileira Juvenil o quanto antes para o Troféu Mundial Junior – com vistas já para 2017, uma vez que o Uruguai deverá ser a sede do torneio, abrindo uma vaga sul-americana extra a ser disputada por Brasil, Chile e Paraguai.

 

Dentre as propostas discutidas mais importantes para o rugby nacional estão:

  • – O retorno de todas as seis academias de alto rendimento (isto é, a reativação das academias do Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro) para os próximos meses, contemplando a partir de agora também de melhora de desempenho da arbitragem e convidando treinadores a assistirem a participarem das atividades;
  • – a regionalização das competições nacionais, com a separação dos clubes em grupos regionais (encurtando as distâncias e permitindo mais viagens de ônibus) nas três competições nacionais: Super 8, Taça Tupi e Super Sevens Feminino, reduzindo os custos e permitindo maior participação dos clubes;
  • – criação de festivais infantis e juvenis apoiados pela CBRu em todo o país;
  • – aumento do número de jogos da Seleção Juvenil, com maior intercâmbio com a Argentina;
  • – maior apoio às federações para que consigam captar recursos em seus estados;
  • – aumento da exposição do rugby na TV aberta, com mais jogos das seleções;

 

Em breve, traremos mais matérias sobre os assuntos abordados e as possibilidades abertas para os próximos anos.

 

Seu clube não recebeu convite para a reunião?

A resposta é simples. A CBRu utilizou os emails que os clubes cadastraram como os emails de seus responsáveis no CNRU – www.brasilrugby.com.br/cnru – o cadastro nacional de atletas e clubes, a fim, evidentemente, de ter presentes os responsáveis pelos clubes.

 

O resultado da comunicação foi alarmante, com um número muito grande de emails voltando e apresentando erros. Isso revela que muitos clubes não estão levando a sério seus cadastros no CNRU, sendo que a CBRu em outras oportunidades já reforçou sobre a importância de manter os dados nele atualizados. O preocupante é que muitos clubes se cadastram no CNRU utilizando emails particulares de dirigentes, técnicos, managers ou mesmo atletas, o que significa que logo caem em desuso ou, pior, os responsável não dão a devida atenção aos comunicados. Nesse caso, o recomendável é que os clubes cadastrem emails institucionais que tenham alguém como responsável.

 

Apesar de muito produtiva e esclarecedora, nem todas as federações estaduais estiveram presentes e muitos clubes – alguns tradicionais – que teriam fácil acesso à reunião não enviaram representantes. A iniciativa da CBRu merece elogios e precisamos criar uma cultura no rugby nacional de mais reuniões como essa, com mais regularidade, para promover um debate democrático acerca dos rumos do esporte. Não apenas realizadas pela CBRu, mas também pelas federações estaduais, pois muitas ainda não atuam como porta-vozes de seus clubes. Afinal, fica claro que nem todos os clubes têm condições de irem à São Paulo (onde a CBRu está baseada) e o ideal é que sejam representados pelas suas entidades regionais.

 

Acima de tudo, a iniciativa do dia 4 de junho é um primeiro movimento muito positivo de se abrir a discussão. Questões sobre os tópicos apresentados no documento podem ser enviadas à CBRu.

 

 

Comentários