Achou que a série “O Rugby pelo Brasil” tinha acabado? Nada disso! Depois de passarmos por Piauí, Mato Grosso, Ceará, Mato Grosso do Sul e Amazonas abriremos 2018 falando do Cerrado! “Pera”, mas esse é um estado? No rugby, sim, já que Goiás, Distrito Federal e Tocantins uniram forças para formarem a Federação de Rugby do Cerrado. Para saber mais sobre a região, conversamos com Lambrine Mortate, presidente da federação, radicada em Goiás, e Cauan Felipe, presidente do Clube e Escola de Rugby Samambaia, do Distrito Federal.

Nos últimos anos, a região se movimentou, com a criação de competições integrando goianos, brasilienses e tocantinenses. A Taça Cerrado conseguiu conquistas, como uma final histórica realizada no Estádio Nacional de Brasília e mais uma conquista regional com o Rugby Sem Fronteiras se sagrando campeão do Centro-Oeste cem 2017. O ano passado foi também de títulos nacionais para as equipes universitárias – UNB, no feminino, e UFG, no masculino – com a UFG inclusive representando o Brasil nos Jogos Sul-Americanos Universitários, na Colômbia. E teve ainda movimentação no XV feminino local com a realização de clínicas e amistoso. Porém, o debate segue e é interessante por lá, entre o caminho conjunto das regiões e um caminho independente para cada estado.

 

Número de clubes no CNRU: 7 – Rugby Sem Fronteiras (DF), UNB (DF), Samambaia (DF), Goianos (GO), UFG (GO), Gigantes Itumbiara (GO), Palmas (TO);

- Continua depois da publicidade -

Número de jogadores no CNRU: 343

Federação: Federação Cerrado de Rugby

Campeonatos Estaduais: Taça Cerrado e Cerrado Sevens

Participações nos Nacionais em 2017: Samambaia (Super Sevens Masculino), Goianos (Super Sevens Feminino), UNB e UFG (Campeonato Brasileiro Universitário de Sevens – CBDU)

Títulos fora do estado: Rugby Sem Fronteiras – Campeão da Copa Centro-Oeste / Goianos – Campeão do Pequi Sevens Feminino / UFG (masculino) e UNB (feminino) campeões brasileiros universitários de sevens

 

Como você enxerga o rugby no estado nos últimos 5 anos?

Lambrine: Temos nos desenvolvido bastante nas categorias adulto e universitário. Há 5 anos atrás tínhamos apenas o Pequi Nations Feminino e Masculino, mas hoje temos 4 torneios durante o ano: 2 da região DF-GO-TO e 2 da região Centro Oeste.

Além disso, a Federação tem conseguido uma parceria bacana com a CBRu para trazer cursos de desenvolvimento, principalmente para as cidades de Goiânia-GO e Brasília-DF.

 

Cauan: Acredito que, especialmente desde 2013, houve grandes mudanças no cenário do rugby local, quando o esporte estava centrado no Brasília Rugby Clube, que tinha um calendário restrito aos três jogos da Copa Brasil Central. O primeiro clube a surgir foi o Sem Fronteiras, que logo ganhou destaque e cresceu (sendo atual bicampeão regional) e acredito que isso estimulou a fundação de outros clubes. Foi o caso do Samambaia e da Unb, que surgiram em 2014 e permitiram a realização de mais campeonatos. Entretanto, acredito que estas iniciativas ficaram bastante isoladas, sem muita integração, o que estagnou o rugby local. Faltou a articulação de uma entidade que integrasse todos os clubes e fomentasse melhor o rugby do Distrito Federal. Em resumo, temos excelentes conquistas (tanto dentro de campo, como os títulos do Sem Fronteiras, quanto fora com as ações de desenvolvimento do Samambaia), porém são iniciativas isoladas. Acredito que é fundamental convergirmos todas essas ações para decolar o rugby brasiliense.

 

Quais vem sendo as maiores dificuldades na região?

Lambrine: Acredito que as maiores dificuldades são as mesmas encontradas no restante do país: dificuldade em conseguir patrocinadores e o desenvolvimento da base juvenil e infantil.

 

Cauan: Justamente essa falta de uma entidade local que integre os clubes para trabalharem juntos e unirem forças em prol do rugby local. Temos clubes com expertises diferentes que nunca atuaram juntos por falta dessa articulação. A maioria dos clubes se filiaram a Federação Cerrado – que visava assistir o DF, Goiás e Tocantins –, porém o trabalho nunca foi eficiente e pouco atendeu de fato os clubes brasilienses.  Acredito que seja unânime a opinião entre as lideranças e os clubes locais que ainda somos muito carentes de representatividade.

 

Como está a situação de setores chave como rugby infantil e juvenil, arbitragem e evolução dos treinadores?

Lambrine: A Federação tem incentivado os clubes a desenvolverem sua base, essa ação precisa ser levada a sério para o futuro do rugby, mas ainda estamos encontrando dificuldades neste meio.

Quanto a arbitragem e treinadores, sempre estamos em contato com a CBRu para trazer cursos de desenvolvimento nesta área.

Neste ano decidimos trabalhar com os nossos árbitros nos torneios regionais ao em vez de trazer árbitros de fora. Foi duro, mas valeu a pena, nenhum árbitro terá experiência se não atuar.

Para os torneios de sevens foi possível trazer um árbitro nível 2 da CBRu justamente para ajudar na atuação destes árbitros dentro de campo. Tivemos a felicidade de receber a Nayara Lima, Mariano Goycoechea e o Renato Scalercio.

 

Cauan: Como comentei, as ações ainda são bastante isoladas aos clubes, porém acredito que tivemos grandes ganhos na área de desenvolvimento. Apenas no último ano, em parceria com a CBRu, realizamos cerca de 15 cursos abrangendo estes setores. O Distrito Federal ainda abriga reconhecidos projetos de rugby escolar e infantil, que deverão render grandes frutos para o esporte local. Não à toa, o DF foi uma das dez unidades mapeadas no projeto de desenvolvimento da confederação no último ano.

 

Quais os planos da região para 2018 e para o futuro?

Lambrine: Para 2018 iremos realizar os seguintes torneios adultos:

  • Pequi Sevens: feminino 3 etapas e masculino 1 etapa;
  • Cerrado Sevens feminino e masculino: 2 ou 3 etapas;
  • Taça Cerrado: 4 rodadas + final, com 5 equipes participantes;
  • Pequi Nations: ainda estamos definindo o formato, mas tudo indica que será alterado.

Além desses torneios, queremos ainda realizar um torneio de sevens universitário em parceria com a FGDU (Federação Goiana de Desporto Universitário) e um torneio de sevens juvenil junto ao Cerrado Sevens, mas precisamos dos clubes filiados engajados na formação da base para realização deste torneio.

Em relação a cursos, temos intenção de trazer 2 da CBRu, provavelmente arbitragem e coaching nível 1, ainda não foi discutido com os clubes filiados. E queremos criar mais dois cursos internos, um de formação de árbitros e outro de formação de professores de rugby (para professores de educação física da rede estadual e municipal).

Para fechar, estamos em conversa com o estado para criação de uma Escola de Rugby Infantil e Juvenil em Goiânia, no Setor Guanabara II. E também estamos iniciando a formação de uma Seleção do Cerrado de Rugby XV Feminino.

 

Cauan: Por conta desse cenário e pelas tendências de governança da CBRu, acredito que o principal caminho seja a criação de uma entidade focada 100% no rugby do Distrito Federal. Existe um alinhamento claro e uma vontade eminente das principais forças locais em se unirem com esse propósito. Vivemos um momento bem delicado na região e tudo é bastante incipiente, mas minha aposta é que 2018 será marcado como um ano no qual os clubes candangos nunca trabalharam tão unidos para o desenvolvimento do esporte na região. Se isso realmente acontecer, com certeza o futuro reserva grandes conquistas e uma nova posição para o DF no rugby nacional.

 

Taça Cerrado 2017

ClubeCidade (Estado)PJVED4+7-PPPCSP
GoianosGoiânia (GO)1533003013922117
Rugby sem FronteirasBrasília (DF)103201201145262
UnBBrasília (DF)531021032109-77
PalmasPalmas (TO)030030034136-102
DiaHoraLocalCasa vs AdversárioTaça
04/03/201715:00Sobradinho - DFSem Fronteiras79X10Palmas1ª fase
04/03/201715:00Goiânia-GOGoianos72X00UnB1ª fase
01/04/201715:00Brasília-DFUnB07X25Sem Fronteiras1ª fase
01/04/201715:00Palmas-TOPalmas12X32Goianos1ª fase
06/05/201715:00Goiânia-GOGoianos35X10Sem Fronteiras1ª fase
20/05/201715:00Palmas-TOPalmas12X25UnB1ª fase
03/06/201715:00UnBXPalmas3º lugar
03/06/201715:00GoianosXSem FronteirasFinal

 

Copa Brasil Central “Pequi Nations” 2017

DiaHoraLocalCasa vs Adversário
19/08/201715:00UNB - Brasília, DFRugby Sem Fronteiras23X15Cuiabá
16/09/201716:00Arena Pantanal - Cuiabá, MTCuiabá14X15Rugby Sem Fronteiras