Racha no Mato Grosso do Sul!

Na última semana, foi anunciada a criação da Liga de Rugby do Mato Grosso do Sul, uma dissidência de quatro clubes (Dourados, Corumbá, Frontera Ponta Porã e Mirmidões São Gabriel d’Oeste) descontentes com os rumos da federação local, a FRMS, junto da qual ficaram somente Campo Grande e Guaicurus Três Lagoas.

 

O grande motivo da insatisfação, segundo André Medina, presidente do Mirmidões (São Gabriel d’Oeste), e membro do conselho da recém-criada Liga, que conversou com o Portal do Rugby sobre o rompimento, foi a falta de organização que viabilizasse campeonatos, cursos, e apoio na formação de outros polos no estado. Medina ressalta que a a Liga ajudou a desenvolver três novos times, que já vinham pleiteando apoio há anos, como o Dragons de Maracajú. No começo do ano, os clubes buscaram o então presidente André de Oliveira Barros para formar um conselho administrativo, com todos os clubes com voz e direito a voto, e tal medida não foi adiante, aumentando a insatisfação do grupo e culminando na decisão.

 

Daniel Figueiredo, um dos mais conhecidos apoiadores do Rugby no estado, assumiu de forma temporária a função de presidente esclarece que ao contrário do que relatam os dissidentes, “a FRMS foi igualmente ausente com seus filiados, não privilegiando a força do estado, o Campo Grande, outra queixa dos demais clubes. Sua atuação se resumia a organizar cursos da World Rugby/CBRu e o estadual (organizado em formato e datas em consenso com todos), através da figura do presidente e dois vices e voluntários para clínicas.”

 

Sobre o Conselho, Figueiredo assume que essa ação não prosperou devido inércia do então presidente. Como resposta, os clubes pediram desfiliação, e segundo ele, recentemente o grupo procurou diretamente a CBRu para solicitar cursos para a região, e somente nesse ponto, se inteirou que havia um movimento dissidente no estado. Em conversas entre as partes, os clubes decidiram não formar uma chapa para assumir a entidade, e sim criar uma nova entidade.

 

“Daí surgiu a ideia dele assumir a função de presidente. Entrei em contato com todos me apresentando e colocando a FRMS à disposição deles para o desenvolvimento. Minha intenção é ficar a frente da Federação até o fim do mandato atual, no final de 2016. Nesse tempo, pretendo reunificar o estado e desempenhar uma gestão voltada a criação de categorias juvenis.”

 

Opinião Portal do Rugby

Em uma região onde o Rugby é ainda muito pequeno, é temerário esse tipo de divisão, pois ao invés de somar os poucos esforços disponíveis, se criam ações divergentes e conflitos de interesses. E já vimos situação semelhante até mesmo no nível de clubes em regiões igualmente ainda não bem estabelecidas no cenário nacional. Que os lados cheguem a um entendimento para manter o desenvolvimento do esporte no estado no caminho certo, cada um tendo voz e agregando o que pode de melhor ao rugby do estado.

Comentários