A Major League Rugby (MLR) está de volta e começando mais cedo! A liga profissional de rugby da América do Norte chega neste ano à sua 2º temporada, após o sucesso da inauguração de 2018. E ela está maior, com a adição de dois novos times: o Rugby United New York e o Toronto Arrows (que marca a expansão da competição para o Canadá).

A largada para a MLR 2019 será nesse dia 26 de janeiro, com jogos disponíveis ao vivo no Facebook da liga.

 

O que é preciso saber sobre a MLR?

- Continua depois da publicidade -
  • A MLR terá em 2019 um total de 9 equipes, que jogam no sistema de todas contra todas em turno e returno, com 16 jogos por equipes;
  • As partidas serão distribuídas ao longo de 19 fins de semana. Com isso, cada time folgará em 3 finais de semana) até o dia 2 de junho;
  • Os 4 primeiros colocados irão às semifinais, nos dias 8 ou 9 de junho, enquanto a grande final será no dia 16;
  • Até metade de março a competição não contará com os atletas que estiverem disputando o Americas Rugby Championship, os quais voltarão para a sequência da liga;
  • Para 2019, o Brasil terá seu primeiro representante: o abertura Josh Reeves, que foi contratado pelo Utah Warriors;
  • Os uruguaios entraram em peso na MLR, com nada menos que 10 atletas dos Teros fechando contrato com equipes da liga;
  • O Chile, por sua vez, terá um atleta da seleção na MLR, Marcelo Torrealba;

 

Em 2018, o campeão da primeira edição foi o Seattle Seawolves, que venceu a grande final contra o Glendale Raptors (23 x 19). Para 2019, mais equilíbrio é aguardado.

 

Equipes:

Austin Elite

Cidade (estado): Austin (Texas)

Estádio: Dell Diamont (11.000 lugares)

2018: 5º colocado

2019: Austin tem o objetivo de dar o passo adiante e ir aos playoffs. O time da capital do Texas teve muitas novidades no seu elenco e contará com 3 uruguaios importantes: Juan Echeverría, Rodrigo Silva e Andrés Vilaseca, além do chileno Marcelo Torrealba. Mas a grande novidade do Elite é o australiano Peni Tagive, que jogou 5 temporada na NRL (a liga australiana de Rugby League);

 

Glendale Raptors

Cidade (estado): Glendale, Denver (Colorado)

Estádio: Infinity Park (5.000 lugares)

2018: Vice campeão / 1º colocado da temporada regular

2019: Dono da melhor campanha da temporada regular de 2018, o time da Grande Denver nutre agora grandes expectativas de conquistar o título. Os Raptors reforçaram o elenco tirando de dois concorrentes dois atletas de grande potencial na terceira linha: Hanco Germishuys, que deixou Austin, e Malon Al-Jiboori, destaque de 21 anos, ex San Diego. Importantes reforços após a perda de Bryce Campbell para o London Irish;

 

Houston Saber Cats

Cidade (estado): Houston (Texas)

Estádio: Aveva Stadium (4.000 lugares) e Constellation Field (7.500 lugares)

2018: 7º colocado

2019: Último colocado na temporada passada, o Houston Saber Cats está antes focado em se estruturar fora de campo, com o time empenhado no término da construção de seu estádio específico para rugby, o Aveva Stadium. Para evoluir em campo, o aurinegro texano trouxe bons reforços, como o hooker irlandês Jason Harris-Wright (ex Bristol Bears) e os uruguaios Santiago Arata (excelente scrum-half), Diego Magno, Alejandro Nieto e Mateo Sanguinetti, além da novidade alemã Ayron Schramm;

 

New Orleans Gold (NOLA Gold)

Cidade (estado): Nova Orleans (Luisiana)

Estádio: Eagle Athletic Facility (3.000 lugares)

2018: 6º colocado

2019: O time de Nova Orleans sofreu em 2018, mas busca o passo adiante e, para isso, contratou o experiente terceira linha da seleção dos EUA, Cam Dolan, ex Cardiff, que estava na 2ª divisão inglesa no semestre passado. Dolan será o líder que o Gold necessita e terá a companhia do excelente samoano Kane Thompson, ex Highlanders, Chiefs (Super Rugby) e Newcastle Falcons (Premiership), com 3 Copas do Mundo disputadas por seu país. Junto dos dois, o NOLA Gold trouxe ainda os australianos Scott Gale (scrum-half, ex Reds, do Super Rugby) e o ponta Con Foley, ex seleção de sevens do país. O uruguaio Ignacio Dotti também assinou com o time;

 

Rugby United New York (RUNY)

Cidade (estado): Nova York (New York)

Estádio: MCU Park (7.000 lugares)

2018: não participou

2019: O RUNY é um dos times novatos da liga e de cara terá um dos grandes nomes de 2019: o fullback inglês Ben Foden, ex Northampton Saints, com 34 jogos e 35 pontos pela seleção da Inglaterra. Foden jogou a Copa do Mundo de 2011 e abraçou o novo desafio de liderar o nascimento do rugby profissional em Nova York. Olhos também para o abertura irlandês, ex Leinster, Cathal Marsh;

 

San Diego Legion

Cidade (estado): San Diego (Califórnia)

Estádio: Torero Stadium (6.000 lugares)

2018: Semifinalista / 3º colocado da temporada regular

2019: O San Diego Legion foi às semifinais do ano passado e quer mais. O time da Califórnia cresceu e terá um astro do sevens fijiano no elenco, Jasa Veremalua, medalhista de ouro no Rio 2016. O atleta substitui Ngwenya, dispensado, e jogará com outro nome oriundo do sevens, Tai Enosa, da seleção dos EUA. Mas o Legion investiu pesado no pack, contratando primeiras linhas com experiência de Super Rugby: os australianos Paddy Ryan e Matthew Sandell, ambos ex Waratahs, e o sul-africano Dean Muir, ex Stormers, além de Psalm Wooching, nome importante da seleção dos EUA;

 

Seattle Seawolves

Cidade (estado): Seattle (Washington)

Estádio: Starfire Stadium (4.500 lugares)

2018: Campeão / 2º colocado da temporada regular

2019: Campeões de 2018, os Seawolves seguem badalados e se reforçaram com o abertura artilheiro Ben Cima, que jogará com Roland Suniula, centro/abertura também da seleção dos EUA, e do fullback Matt Turner, de grande história pela seleção inglesa de sevens.

No pack, o capitão canadense Ray Barkwill optou por se aposentar do rugby profissional. Para seu lugar na primeira linha, Seattle trouxe outro canadense, Djustice Sears-Duru e o sul-africano Stephan Coetzee (ex Stormers, Sharks, Cheetahs e Kings, com vasta experiência em Super Rugby). Na terceira linha, o reforço tem também currículo de Super Rugby, o fijiano Apisai Naikatini (ex Hurricanes). O scrum-half canadense Phil Mack seguirá jogando, mas se focará mais na sua co-função de auxiliar técnico;

 

Toronto Arrows

Cidade (país): Toronto (Canadá)

Estádio: York Lions Stadium (3.500 lugares) e Lamport Stadium (9.600 lugares)

2018: não participou

2019: O outro time novato da liga é visto com grande expectativa, pois será o celeiro profissional da seleção do Canadá. Porém, o Toronto Arrows debutará na MLR sem contar com todos os atletas da seleção canadense centralizados pela federação local, ainda não entrando em perfeita sintonia com a Rugby Canada. O time canadense terá dois atletas uruguaios no elenco, Gastón Mieres e Leandro Leivas,

 

Utah Warriors

Cidade (estado): Salt Lake City (Utah)

Estádio: Zions Bank Stadium (5.000 lugares)

2018: Semifinalista / 4º colocado da temporada regular

2019: O Utah Warriors beliscou um lugar no mata-mata de 2019, mas acabou perdendo dois atletas importantes para 2019: Paul Lasike e David Tameilau, ambos centrais para a seleção dos EUA. O time apostou em se focar em dar oportunidades a jogadores mais jovens e contratou ainda um Tupi, Josh Reeves, que promete brilhar ao lado do centro Fetu’u Vainikolo, da seleção de Tonga;

 

1ª rodada

26/01 – New Orleans Gold x Toronto Arrows

26/01 – Austin Elite x Houston Saber Cats

27/01 – United New York x San Diego Legion

27/01 – Glendale Raptors x Seattle Seawolves