Brasil preparado para encarar o Seven Viña, valendo vaga em Hong Kong

O ano mal começou e o Brasil já tem decisão pela frente. Nesse sábado, os Tupis entram em campo por mais uma edição do Seven Viña, o torneio de Viña del Mar, no Chile, que valerá vaga para o almejado Torneio Qualificatório de Hong Kong, a segunda divisão da Série Mundial de Sevens (que rola entre os dias 8 e 10 de abril). Brasil, Uruguai, Chile e Peru competem entre si no sábado pelas duas vagas sul-americanas em Hong Kong, e os duelos serão de arrepiar, com margem zero para erro.

 

Mas, o torneio não se resume aos quatro times. Argentina, África do Sul, Estados Unidos e Canadá também se enfrentam no sábado, em outro grupo, que não vale vaga em Hong Kong, pois os quatro países são da elite da Série Mundial de Sevens. No domingo, os dois grupos se cruzam e os jogos também já não valem mais por Hong Kong, mas apenas para o título de Viña.

 

No final de semana passado, brasileiros, uruguaios e chilenos participaram do torneio de Mar del Plata, que serviu como aquecimento para Viña del Mar – estranhamente, o Paraguai participou de Mar del Plata, mas optou por não jogar o torneio que valia mais, Viña. Os Tupis encararam tanto Teros como Cóndores e tiveram sortes bem distintas. Na primeira fase, diante do Chile, o Brasil sofreu uma dura derrota por 33 x 7, mas a equipe deu a volta por cima e passou com louvor pelo Uruguai, conquistando sua maior vitória na história sobre os Teros, 28 x 5, para terminar o torneio na frente dos uruguaios.

 

Os três times irão a Viña del Mar com os mesmos elencos que disputaram Mar del Plata. Antes do ano começar, o favoritismo no torneio era do Uruguai, que vinha dominando os confrontos contra os dois oponentes. Mas, a derrota pesada para o Brasil e o desempenho do Chile, que foi o melhor dos três em Mar del Plata, vencendo ainda as seleções de desenvolvimento de Estados Unidos e Canadá, jogou o favoritismo para os Cóndores, que ainda jogarão em casa. Com isso, o crescimento chileno no ano deve servir de alerta ainda maior para os Tupis, que precisarão repetir o feito do ano passado, quando derrotaram os chilenos em Viña por 7 x 0 (try de Sábados) e alcançaram a vaga de 2015 em Hong Kong, junto do Uruguai.

 

Fato é: o equilíbrio é absoluto entre Brasil, Chile e Uruguai, e qualquer resultado entre eles pode acontecer. Entre as armas do técnico Andrés Romagnoli para alavancar o time brasileiro está a experiência dos irmãos Duque e de Alemão, que foi um dos destaques de Mar del Plata, aliada à forma ascendente de nomes emergentes como Stefano Giantorno, que entrou muito bem na equipe logo em seu primeiro torneio. A classificação a Hong Kong seria muita festejada, pois seria a primeira sequência de dois torneios dos Tupis na China e a terceira participação da equipe na segunda divisão mundial (somando-se a 2013 e 2015), em pleno ano de Jogos Olímpicos.

 

E o Peru? É obrigação de todos derrotar os Tumis, que ainda estão em um estágio de desenvolvimento sensivelmente abaixo dos demais.

 

seven viña 2016

Seven Viña 2016 – em Viña del Mar, Chile

Grupo Qualificatório para Hong Kong: Uruguai, Chile, Brasil e Peru

Grupo Internacional: África do Sul, Argentina, Estados Unidos e Canadá

 

Sábado, dia 16 de janeiro

*Hora de Brasília

14h20 – Chile Peru

14h40 – Uruguai x Brasil

15h00 – Canadá x África do Sul

15h20 – Argentina x Estados Unidos

 

17h00 – Uruguai x Peru

17h20 – Chile x Brasil

17h40 – Estados Unidos x África do Sul

18h00 – Argentina x Canadá

 

20h10 – Brasil x Peru

20h30 – Chile x Uruguai

20h50 – Canadá x Estados Unidos

21h10 – Argentina x África do Sul

 

*Em negrito, os jogos que valem vaga em Hong Kong

 

Domingo, dia 17 de janeiro

Finais, a partir das 14h00

 

Brasil

Arthur Bomfim Bergo (SPAC);

Pedro Henrique da Costa Lopes (São José);

Lucas Drudi Romeu (Jacareí);

Felipe Claro Sant’Ana Silva “Alemão” (SPAC);

Lucas Rodrigues Duque “Tanque” (São José);

Moisés Rodrigues Duque (São José);

Stefano Giantorno (San Luis, Argentina);

Rodrigo Jose Andrioli (São José);

Laurent Jose Bourda Couhet (Band Saracens);

Lucas Rainho Tranquez “Zé” (SPAC);

Gustavo Barreiros de Albuquerque “Rambo” (Curitiba);

Robert Aguinaldo Tenório da Silva Santos (Pasteur);

Comentários