All Blacks, Pumas e Dragões entram em campo no domingo

Três jogos encerram a primeira rodada da Copa do Mundo de Rugby nesse domingo, e todos com transmissões ao vivo dos canais ESPN. Abrindo o dia, Samoa e Estados Unidos se enfrentam em Brighton, em partida de dois times da Copa das Nações do Pacífico. Na sequência, às 10h30, será a vez de Gales começar sua jornada enfrentando o Uruguai, enquanto às 12h45 a Nova Zelândia colide com a Argentina na partida mais aguardado do dia.

 

Hora de zebra?

A partida que abre o domingo opõe Samoa e Estados Unido, que já se enfrentaram neste ano. Após a vitória japonesa sobre a África do Sul que chocou o mundo, tanto Samoa como Estados Unidos tiveram suas necessidades de vitória exponenciadas por conta da pressão lançada pelos nipônicos. Quem perder vai se complicar e muito em um grupo que já tem os Springboks no desespero.

 

No papel, o favoritismo é de Samoa, que conta com um elenco mais experimentado em grandes desafios e que deu muito trabalho em junho contra os All Blacks. Stephen Betham escalou seu melhor, com uma pesada primeira linha de Taulafo, Pereniese e Avei, garantindo força no scrum, e uma terceira linha agressiva, de tackles sempre duros, com Fa’asavalu, Lam e Treviranus. Kahn Fotuali’i é o grande criador do time vestindo a 9, enquanto Tusi Pisi, com a 10, é seguro e experiente, mas deixa por vezes a desejar. A linha é de extrema qualidade, com Paul Perez incisivo e Nanai-Williams atraindo as atrações como um fullback abusado. Falta a Samoa sequência de jogos com seu elenco, assim como corrigir defeitos nas formações, em especial no lateral. As atenções, no entanto, estão sobre os protestos que vem ocorrendo contra a União Samoana de Rugby, com atletas e torcedores exigindo profundas reformas na entidade, em campanha que vem rodando o mundo.

 

Os Estados Unidos, por sua vez, são uma das seleções sensação, com um crescimento meteórico recente. O time estadunidense tem um preparo físico invejável, apoiado em um programa de alto rendimento de qualidade. As Águias vem obtendo resultados expressivos, como as duas vitórias fora de casa sobre o Canadá em 2015, e mostram muita força sobretudo na segunda metade das partidas. Prova disso foi o jogo justamente contra Samoa pela Copa das Nações do Pacífico, quando os EUA dominaram a segunda etapa e por muito pouco não derrotaram os samoanos. Além de um pack forte, que ainda tem algo a evoluir nas formações, os americanos encontraram uma consistente dupla de scrum-half e abertura, com Petri e o irlandês MacGinty, bom chutador. Na linha, atletas com passagem pelo sevens dão outro toque de qualidade. além dos experientes Scully e Wyles, com carreiras de sucesso na Inglaterra, e Ngwenya, hoje amargando crise no Biarritz.

 

No papel, leve vantagem para Samoa, pela experiência de seus atletas. Mas, tudo aberto.

 

samoa copyversus(15)usa_copy

08h00 – Samoa x Estados Unidos, em Brighton – ESPN+ AO VIVO

Árbitro: George Clancy (Irlanda)

Assistentes: Jaco Peyper (África do Sul) e Federico Anselmi (Argentina) / TMO: Graham Hughes (Inglaterra)

 

Samoa: 15 Tim Nanai-Williams, 14 Ken Pisi, 13 Paul Perez, 12 Rey Lee-Lo, 11 Alesana Tuilagi, 10 Tusi Pisi, 9 Kahn Fotuali’i, 8 Ofisa Treviranus (c), 7 Jack Lam, 6 Maurie Fa’asavalu, 5 Joe Tekori, 4 Teofilo Paulo, 3 Anthony Perenise, 2 Ole Avei, 1 Zak Taulafo.

Suplentes: 16 Viliami Afatia, 17 Motu Matu’u, 18 Census Johnston, 19 Faifili Levave, 20 Alafoti Faosiliva, 21 Vavao Afemai, 22 Mike Stanley, 23 Fa’atoina Autagavaia.

 

Estados Unidos: 15 Blaine Scully, 14 Takudzwa Ngwenya, 13 Seamus Kelly, 12 Thretton Palamo, 11 Chris Wyles (c), 10 AJ MacGinty, 9 Mike Petri, 8 Samu Manoa, 7 Andrew Durutalo, 6 Al McFarland, 5 Greg Peterson, 4 Hayden Smith, 3 Titi Lamositele, 2 Zach Fenoglio, 1 Eric Fry.

Suplentes: 16 Phil Thiel, 17 Oli Kilifi, 18 Chris Baumann, 19 Cam Dolan, 20 Danny Barrett, 21 Shalom Suniula, 22 Folau Niua, 23 Brett Thompson

 

Histórico: 4 jogos, 4 vitórias de Samoa. Último jogo: Estados Unidos 16 x 21 Samoa, em 2015 (Copa das Nações do Pacífico);

 

Teros rumo ao abate?

O Uruguai fará seu primeiro jogo de Copa do Mundo desde 2003, mas seu retorno promete ser doloroso. Diante de Gales e em um grupo que tanto galeses como ingleses e australianos sabem que todo ponto-bônus é vital, a tendência é todos os gigantes do Grupo A suarem o Uruguai para fazerem saldo de pontos.

 

As atenções estão todas em cima de como Gales irá se comportar a partir das perdas de Rhys Webb e Leigh Halfpenny para o Mundial. Warren Gatland sabe que, após as dificuldades enfrentadas na preparação para a competição, tudo o que os galeses precisam é de uma larga vitória. Algumas alterações foram realizadas no elenco com relação ao time que vinha jogando, sobretudo na linha, mas a maior preocupação de todos na terra do Dragão está no pack, sobretudo no scrum, onde o Uruguai tem seus melhores argumentos. Neutralizando o pack dos Teros, Gales terá caminho livre para prosperar.

 

O Uruguai, por sua vez, vai com força máxima para a partida e precisará muito tanto da força de seus homens de frente quanto da criatividade da dupla Ormaechea e Berchesi, camisas 9 e 10, que podem cirar o inesperado a favor dos Teros. Um try em Cardiff já seria um grande trunfo.

 

galesversus(15)uru novo copy copy

10h30 – Gales x Uruguai, em Cardiff – ESPN+ AO VIVO

Árbitro: Romain Poite (França)

Assistentes: Pascal Gaüzère (França) e Mathieu Raynal (França) / TMO: Ben Skeen (Nova Zelândia)

 

Gales: 15 Liam Williams, 14 Alex Cuthbert, 13 Cory Allen, 12 Scott Williams, 11 Hallam Amos, 10 Rhys Priestland, 9 Gareth Davies, 8 James King, 7 Justin Tipuric, 6 Sam Warburton (c), 5 Luke Charteris, 4 Jake Ball, 3 Samson Lee, 2 Scott Baldwin, 1 Paul James.

Suplentes: 16 Ken Owens, 17 Aaron Jarvis, 18 Tom Francis, 19 Dominic Day, 20 Dan Lydiate, 21 Ross Moriarty, 22 Lloyd Williams, 23 Matthew Morgan.

 

Uruguai: 15 Gaston Mieres, 14 Santiago Gibernau, 13 Joaquin Prada, 12 Andres Vilaseca, 11 Rodrigo Silva, 10 Felipe Berchesi, 9 Agustin Ormaechea, 8 Alejandro Nieto, 7 Matias Beer, 6 Juan Manuel Gaminara, 5 Jorge Zerbino, 4 Santiago Vilaseca, 3 Mario Sagario, 2 Carlos Arboleya, 1 Alejo Corral.

Suplentes: 16 German Kessler, 17 Oscar Duran, 18 Mateo Sanguinetti, 19 Franco Lamanna, 20 Agustin Alonso, 21 Juan De Freitas, 22 Alejo Duran, 23 Francisco Bulanti.

 

Histórico: nunca se enfrentaram;

 

Pumas querem a glória, mas All Blacks querem a tranquilidade

Hora de estreia de dois dos grandes nomes da Copa do Mundo: Argentina e Nova Zelândia. Para a estreia, os All Blacks vão à partida com força máxima, e agora com Steve Hansen cobrando cautela redobrada a seu elenco após o vacilo dos Springboks. Nehe Milner-Skudder, ganhou de vez sua posição titular, enquanto Aaron Smith e Dan Carter farão a dupla de 9 e 10, com as atenções em cima do veterano Carter. A terceira linha apostada é de McCaw, Kaino e Read, enquanto Retallick e Whitelock ocupam a segunda linha.

 

Os Pumas também vão com força máxima para o embate, com a terceira linha de Matera, Lobbe e Senatore – para muitos, ainda mais forte que o time que enfrentou os Springboks e venceu no Championship – enquanto Creevy foi garantido com a camisa 2, formando ao lado de Ayerza e Tetaz Chaparro – mas, na reserva, o retorno de Herrera abre ainda melhores perspectivas para o segundo tempo. Cubelli e Sánchez serão a dupla de scrum-half e abertura, enquanto Bosch e Hernández estão nos centros. Cordero volta à ponta ao lado de Imhoff e Tuculet. É o time praticamente dos sonhos do torcedor dos Pumas.

 

No último duelo entre os dois lados, atuando na Nova Zelândia, os Pumas deram trabalho e mostraram muita força no scrum e nos mauls, além de um bom lateral. A tendência é ainda mais pressão no pack e não há dúvidas que os neozelandeses terão que se preocupar muito com os forwards e as formações argentinas. Os Pumas têm um momento muito favorável, mas é inegável a força da Nova Zelândia em qualquer posição.

 

O grande perigo para a Argentina está talvez em Aaron Smith, que pode simplesmente jantar Cubelli e ditar o ritmo do jogo. A Nova Zelândia sabe jogar o jogo do oponente e conduzir o ritmo do jogo com um camisa 9 dessa qualidade poderá ser o fator decisivo. E o contra-ataque dos All Blacks segue mortal, sobretudo quando puxado por Milner-Skudder.

 

O favoritismo é neozelandês, mas, após o Japão vencendo os Springboks, who knows?! Não há dúvidas da qualidade argentina.

 

all blacks(6)versus(15)UAR_copy_copy.jpg

12h45 – Nova Zelândia x Argentina, em Wembley, Londres – ESPN AO VIVO

Árbitro: Wayne Barnes (Inglaterra)

Assistentes: JP Doyle (Inglaterra) e Angus Gardner (Austrália) / TMO: George Ayoub (Austrália)

 

Nova Zelândia: 15 Ben Smith, 14 Nehe Milner-Skudder, 13 Conrad Smith, 12 Ma’a Nonu, 11 Julian Savea, 10 Dan Carter, 9 Aaron Smith, 8 Kieran Read, 7 Richie McCaw (c), 6 Jerome Kaino, 5 Sam Whitelock, 4 Brodie Retallick, 3 Owen Franks, 2 Dane Coles, 1 Tony Woodcock.

Suplentes: 16 Keven Mealamu, 17 Wyatt Crockett, 18 Charlie Faumuina, 19 Victor Vito, 20 Sam Cane, 21 TJ Perenara, 22 Beauden Barrett, 23 Sonny Bill Williams.

 

Argentina: 15 Joaquin Tuculet, 14 Santiago Cordero, 13 Marcelo Bosch, 12 Juan Martin Hernandez, 11 Juan Imhoff, 10 Nicolas Sanchez, 9 Tomas Cubelli, 8 Leonardo Senatore, 7 Juan Martin Fernandez Lobbe, 6 Pablo Matera, 5 Tomas Lavanini, 4 Guido Petti, 3 Nahuel Tetaz Chaparro, 2 Agustin Creevy (c), 1 Marcos Ayerza.

Suplentes: 16 Julian Montoya, 17 Lucas Noguera, 18 Ramiro Herrera, 19 Mariano Galarza, 20 Juan Manuel Leguizamon, 21 Martin Landajo, 22 Jeronimo De La Fuente, 23 Lucas Gonzalez Amorosino.

 

Histórico: 21 jogos, 20 vitórias da Nova Zelândia e 1 empate. Último jogo: Nova Zelândia 39 x 18 Argentina, em 2015

 

*Horários de Brasília

 

Comentários