Copa do Mundo: Grupo A

É mês de Copa! E com setembro também viramos mais uma página em nosso aquece para o Mundial. Em agosto, encerramos nossas prévias sobre cada uma das seleções, e agora é hora de uma visão mais ampla, olhando grupo a grupo!

 

Na Copa do Mundo de Rugby, nunca é muito lembrar, as 20 seleções foram divididas em 4 grupos com 5 seleções cada, sendo que as duas primeiras colocadas avançam às quartas de final, ao passo que as três primeiras colocadas de cada grupo também garantem vaga na Copa do Mundo de 2019. Isso significa que a briga é intensa tanto pelos dois primeiros lugares como pela terceira colocação.

 

Grupo A: Inglaterra, Austrália, Gales,

Fiji e Uruguai

rfu-logo(1)Wallabies copy gales copy copyfiji copyuru novo copy copy

 

18/09: Inglaterra x Fiji, em Twickenham, Londres

20/09: Gales x Uruguai, em Cardiff

23/09: Austrália x Fiji, em Cardiff

26/09: Inglaterra x Gales, em Twickenham, Londres

27/09: Austrália x Uruguai, em Birmingham

01/10: Gales x Fiji, em Cardiff

03/10: Inglaterra x Austrália, em Twickenham, Londres

06/10: Fiji x Uruguai, em Milton Keynes

10/10: Austrália x Gales, em Twickenham, Londres

10/10: Inglaterra x Uruguai, em Manchester

 

O que esperar?

Este é o genuíno “grupo da morte” da Copa do Mundo, colocando frente a frente três das melhores seleções da atualidade: Inglaterra e Gales, anfitriãs do torneio, que jogarão com a torcida a favor, e a Austrália, campeã do Rugby Championship de 2015, desbancando a Nova Zelândia. No ranking mundial, a Austrália ocupa o segundo lugar, Gales está em quinto e a Inglaterra em sexto. Ou seja, metade do Top 6 do mundo no mesmo grupo.

 

Apesar do equilíbrio, é possível dizer que são os Wallabies os favoritos ao grupo, por conta da histórica superioridade do Hemisfério Sul sobre o Hemisfério Norte e pelo título recente, que fortaleceu sobremaneira o time do técnico Michael Cheika, apesar da derrota seguinte para os All Blacks na Bledisloe Cup. Entretanto, a Austrália não vem obtendo sucesso quando visita a Inglaterra recentemente, tendo vencido apenas um de seus últimos quatro jogos em Twickenham contra os ingleses, em 2012. Já contra Gales, a Austrália é hegemônica e venceu os últimos dez jogos, incluindo seis em Cardiff. A última vitória galesa foi em 2008, mas vale ressaltar que o jogo da Copa do Mundo não será em Cardiff, e sim em Twickenham, aumentando ainda mais a vantagem australiana.

 

Nos confrontos entre ingleses e galeses, a vantagem recente também é inglesa, com a Rosa tendo vencido os dois últimos jogos, além de ter um retrospecto muito superior em Mundiais. Em 2015, os dois times duelaram no Six Nations em Cardiff e a vitória foi da Inglaterra, mas não faz tempo que os galeses venceram em Twickenham, e foi em 2012.

 

Além dos embates diretos, que poderão muito bem terminar com uma vitória e uma derrota para cada lado, Gales, Inglaterra e Austrália devem tomar muito cuidado com Fiji – especialmente Gales, que já perdeu para Fiji em Cardiff em na Copa do Mundo de 2007, e Inglaterra, que joga contra Fiji sob a pressão da partida de abertura da Copa. Os fijianos são a perigosa quarta força do grupo e, apesar de terem poucas chances de avançarem, têm nível para surpreender e mesmo derrotar algum dos favoritos. Isso significa que quem perder pontos para os fijianos ficará seriamente arriscado de dar adeus ao torneio. Fiji briga certamente pela terceira posição, que seria um belo feito para uma seleção irregular, mas que chega embalada pelo título da Copa das Nações do Pacífico.

 

O Uruguai não tem para onde correr e se vê cercado de gigantes do rugby mundial. Resta apenas aos Teros aproveitar os minutos de fama e aprender.

 

Favoritos?

Austrália, Inglaterra e Gales, em uma verdadeira briga de foice no escuro. Qualquer um pode ficar pelo caminho. Leve vantagem para australianos e ingleses.

 

Possível zebra

Fiji. Vencer um dos favoritos é plenamente possível, mas dois no mesmo torneio é demais.

 

Atenção ao detalhe

O primeiro clássico do grupo ocorre justamente entre Inglaterra e Gales, o que favorece a Austrália, que enfrentará a Inglaterra sete dias depois, contando com um desgaste maior do lado da Rosa. Já o duelo entre australianos e galeses ocorre sete dias depois e será envolto de tensão, pois valerá a vida para os dois lados, enquanto os ingleses irão encarar na rodada final o Uruguai, com quase certeza de 5 pontos. Nesse balanço, é Gales que tem uma tabela levemente mai chata.

 

Quem terminar no segundo lugar tem ainda a lamentar enfrentar a África do Sul nas quartas de final. Lamentar porque os Springboks têm um grupo muito fácil pela frente e não deverão sofrer nem metade do desgaste que galeses, ingleses e australianos sofrerão na primeira fase.

 

Fique de olho

Para não cair no óbvio e falar das grandes seleções, fique de olho no scrum do Uruguai. Os Teros irão perder todos os seus jogos, mas quem sabe brindarão o mundo com algum imagem icônica, talvez um try contra uma das grandes seleções do mundo. Se ele vier, a possibilidade de ser obra de seu pack de forwards é muito grande. Contra Fiji, o Uruguai jogará todas as suas fichas, embalado pela vitória de seu time M20 contra os fijianos no Troféu Mundial Junior deste ano, quando os Teritos atropelaram no scrum. Sobretudo a primeira linha de Fiji é muito fraca, o que significa que o Uruguai tem esperanças até de sair com 1 ponto no torneio.

 

Comentários