Copa do Mundo: Grupo C

Voltamos hoje com as prévias dos grupos da Copa do Mundo, que começa no próximo dia 18. Hoje, o grupo em destaque é o grupo da atual campeão mundial, a Nova Zelândia, que terá a companhia Argentina,Tonga, Geórgia e Namíbia no Grupo C!

 

Não leu a prévias do Grupo A? Clique aqui para conferi-la.

Não leu a prévias do Grupo B? Clique aqui para conferi-la.

 

 

 

 

 

all blacks(7) UAR_copy_copy.jpgtonga(5)georgia copynamibia logo copy copy

Grupo C: Nova Zelândia, Argentina, Tonga, Geórgia e Namíbia

 

19/09: Tonga x Geórgia, em Gloucester

20/09: Nova Zelândia x Argentina, em Wembley, Londres

24/09: Nova Zelândia x Namíbia, no Estádio Olímpico, Londres

25/09: Argentina x Geórgia, em Gloucester

29/09: Tonga x Namíbia, em Exeter

02/10: Nova Zelândia x Geórgia, em Cardiff

04/10: Argentina x Tonga, em Leicester

07/10: Namíbia x Geórgia, em Exeter

09/10: Nova Zelândia x Tonga, em Newcastle

11/10: Argentina x Namíbia, em Leicester

 

O que esperar?

O Grupo C tem dona, e essa é a Nova Zelândia. Os All Blacks são de longe a grande força da chave e não deverão ter problemas para terminarem no primeiro lugar. Qualquer resultado que não seja o primeiro lugar dos kiwis já será uma das maiores zebras da história do rugby internacional.

 

A única seleção com chances de causar uma surpresa histórica e derrotar a Nova Zelândia é a Argentina, mas as chances são muito pequenas por enquanto. Os Pumas vem mostrando evolução dia a dia, mas jamais venceram os All Blacks. No último confronto direto, os argentinos mostraram muita força e complicaram os neozelandeses em muitos momentos, mas mesmo após vencerem os Springboks ainda resta subir mais um degrau para derrotar os All Blacks. Os argentinos jogam pela segunda posição na prática.

 

Em busca de frustrarem os Pumas, Tonga e Geórgia correm por fora pelas quartas de final. As duas seleções nutrem chances reais de classificação, mas jamais chegaram ao mata-mata de uma Copa do Mundo, e também nunca venceram nem Nova Zelândia, nem Argentina. Tonga, é verdade, nunca enfrentou os Pumas, mas sua desvantagem é evidente. O time do Pacífico, no entanto, chega embalado por uma boa preparação para o Mundial e credenciado pela vitória sobre a França em 2011, estando um degrau acima ainda da Geórgia. Os Lelos vem evoluindo, mas os últimos resultados em amistosos mostram que o sucesso no Europeu de Nações ainda não tem paralelo contra seleções de outros continentes e tem mais a provar do que Tonga neste Mundial. Os dois times têm força notória no pack de forwards, essencial para encararem com chances a Argentina, e isso certamente produzirá partidas interessantes.

 

A Namíbia fecha o grupo como a seleção mais fraca, sem jamais ter somado um ponto sequer em Mundiais. Os Welwitschias, contudo, mostraram evolução na preparação para a Copa e nutrem esperanças reais de atrapalharem Geórgia e Tonga, ainda que uma vitória seja um sonho distante.

 

Favoritos?

A Argentina. Porque a Nova Zelândia não conta.

 

Possível zebra

Tonga ou Geórgia, ambas vão ao Mundial com a ambição de frustrarem os Pumas. As chances são maiores do lado de Tonga, mais completa do que a Geórgia. Da mesma forma, é na mesma primeira rodada que All Blacks e Pumas se enfrentam, com o jogo mais importante do grupo acontecendo logo sob a pressão da abertura e ainda com as equipes “frias”.

 

Atenção ao detalhe

Passando despercebido por muitos torcedores, a partida entre Tonga e Geórgia logo na primeira rodada decidirá quem manter suas esperanças de bater a Argentina. O Grupo C poderá viver semanas previsíveis e de poucas emoções nas semanas seguintes, ficando o ponto alto apenas para o jogo entre os argentinos e o vencedor de Tonga x Geórgia. A empolgação pela chave durará pouco tempo.

 

Fique de olho

O ano já foi histórico para a Argentina com uma vitória sobre a África do Sul, mas poderá ficar ainda melhor caso o triunfo ocorra contra os neozelandeses. O momento da partida é até bom para os Pumas, já que a opção pelo descanso em termos de compromissos deixou a Nova Zelândia um mês parada. Isso significa que os All Blacks poderão ir ainda mais fortes e renovados para a estreia, mas também poderá resultar em uma seleção sem o mesmo ritmo e com um ou outro ponto ainda vulnerável para os Pumas explorarem. Será preciso um jogo mais do que perfeito da parte da Argentina, ainda assim.

Comentários