Romênia faz grande segundo tempo, mas a vitória foi da Itália

ARTIGO COM VÍDEO – O velho clássico europeu ganhou a grama de Exeter neste domingo quando Itália e Romênia colidiram em busca do terceiro lugar do Grupo D e a consequente vaga na próxima Copa do Mundo. Tradição e equilíbrio não faltam ao duelo que passou a ser menos frequente desde que a Itália ingressou no Six Nations, o que apimentou ainda mais o embate, uma vez que os romenos estavam sedentos por provarem que merecem um lugar na elite europeia. Mas, quem emergiu vitoriosa foi a Itália, que abriu boa vantagem, mas viu os romenos reagirem no fim, fechando o placar em empolgantes 32 x 22 para os Azzurri.

 

Os primeiros pontos não tardaram e a Romênia abriu o placar aos 4′, com penal de Vlaicu, ganho a partir de um forte maul dos amarelos. Mas, buscando provar aos críticos que está um nível acima dos demais países do Europeu de Nações, a Itália foi logo para cima, teve atitude e mostrou evolução no seu jogo de mãos. Aos 6′, os Azzurri ganharam lateral e o scrum-half Edoardo Gori escapou, desferiu um chute e apanhou a bola para finalizar o try, mas não conseguiu o apoio. Ainda assim, a Itália cresceu, seguiu trabalhando de mãos – ciente da deficiência romena no jogo aberto – e Leonardo Sarto marcou aos 9′ o primeiro try italiano, marcando na ponta.

 

A situação italiana melhorou ainda mais quando, aos 15′, Van Heerden recebeu amarelo e deixou a Romênia com 14 homens. Tommaso Allan ampliou na sequência com chute de penalidade e, aos 23′, os azuis cruzaram de novo o in-goal, com scrum poderoso, empurrando os Carvalhos até Gori tirar a bola e cravar o segundo try da Bota. 15 x 3.

 

No fim do primeiro tempo, já recomposta, a Romênia cresceu e teve bons momentos com seu pack, mas quem novamente teve a melhor chance foi a Itália. Aos 38′, Allan quebrou o tackle no meio e escapou para anotar o terceiro try azul, expondo outra deficiência dos Carvalhos, o tackle, com muitas placagens perdidas ao longo da peleja. 22 x 3 na ida aos vestiários e tranquilidade para os Azzurri.

 

A Itália abriu forte o segundo tempo. Aos 46′, a pressão do pack surtiu efeito, Allan desferiu belo offload, a bola toca na defesa romena e Minto cai no in-goal para tentar apoiá-la, mas sem sucesso. Na sequência, a bola sobra para Sarta que vai para o try, mas é seguro pela defesa. O scrum foi marcado e Zanni saiu bem da formação para fazer o quarto try italiano, praticamente definindo o jogo.

 

A Romênia continuou cometendo muitos erros e a Itália caiu de intensidade com muitas trocas. No fim, quem se doou mais foi a Romênia, que ainda acreditou na reação tardia. Aos 65′, o scrum romeno foi concluído com try de Apostol, girando sobre a defesa azul. Os Carvalhos se inspiraram e a Itália sentiu a necessidade de aproveitar qualquer chance para liquidar a partida, com Allan não pensando duas vezes ao somar mais um penal aos 71′. A reação era fervorosa e, aos 74′, Poparlan tirou do ruck e apoiou a bola para o segundo try. E, antes do fim, Vlaicu deu lindo passe longo para Apostol fazer seu segundo try no jogo, o terceiro dos romenos na partida, dando números finais à disputa. 32 x 22 para os azuis, com muita honra para os amarelos.

 

italia copy copy32versus copiar22romênia copy copy

Itália 32 x 22 Romênia, em Exeter

Árbitro: Romain Poite (França)

Assistentes: George Clancy (Irlanda) e Mathieu Raynal (França) / TMO: Ben Skeen (Nova Zelândia)

 

Itália

Tries: Sarto, Gori, Allan e Zanni

Conversões: Allan (3)

Penais: Allan (2)

15 Luke McLean, 14 Leonardo Sarto, 13 Michele Campagnaro, 12 Tommaso Benvenuti, 11 Giovanbattista Venditti, 10 Tommaso Allan, 9 Edoardo Gori, 8 Alessandro Zanni, 7 Simone Favaro, 6 Francesco Minto, 5 Josh Furno, 4 Quintin Geldenhuys (captain), 3 Lorenzo Cittadini, 2 Andrea Manici, 1 Matias Aguero.

Suplentes: 16 Davide Giazzon, 17 Alberto De Marchi, 18 Dario Chistolini, 19 Valerio Bernabò, 20 Samuela Vunisa, 21 Guglielmo Palazzani, 22 Carlo Canna, 23 Enrico Bacchin.

 

Romênia

Try: Apostol (2) e Poparlan

Conversões: Fercu (1)

Penais: Fercu (1)

15 Catalin Fercu, 14 Madalin Lemnaru, 13 Paula Kinikinilau, 12 Florin Vlaicu, 11 Ionut Botezatu, 10 Michael Wiringi, 9 Valentin Calafeteanu, 8 Daniel Carpo, 7 Viorel Lucaci, 6 Valentin Ursache (c), 5 Johannes van Heerden, 4 Valentin Poparlan, 3 Paulica Ion, 2 Otar Turashvili, 1 Mihaita Lazar.

Suplentes: 16 Andrei Radoi, 17 Andrei Ursache, 18 Horatiu Pungea, 19 Marius Antonescu, 20 Stelian Burcea, 21 Tudorel Bratu, 22 Adrian Apostol, 23 Csaba Gal.

Clube P J V E D 4+ -7 PP PC SP
Grupo A
Austrália 17 4 4 0 0 1 0 141 35 106
Gales 13 4 3 0 1 1 0 111 67 44
Inglaterra 11 4 2 0 2 2 1 133 75 58
Fiji 5 4 1 0 3 1 0 84 101 -17
Uruguai 0 4 0 0 4 0 0 30 226 -196
Grupo B
África do Sul 16 4 3 0 1 3 1 176 56 120
Escócia 14 4 3 0 1 2 0 142 139 3
Japão 12 4 3 0 1 0 0 98 100 -2
Samoa 6 4 1 0 3 1 1 69 124 -55
Estados Unidos 0 4 0 0 4 0 0 50 156 -106
Grupo C
Nova Zelândia 19 4 4 0 0 3 0 174 49 125
Argentina 15 4 3 0 1 3 0 179 70 109
Geórgia 8 4 2 0 2 0 0 53 122 -69
Tonga 6 4 1 0 3 1 1 70 130 -60
Namíbia 1 4 0 0 4 0 1 70 174 -104
Grupo D
Irlanda 18 4 4 0 0 2 0 135 35 100
França 14 4 3 0 1 2 0 117 64 53
Itália 10 4 2 0 2 1 1 74 88 -14
Romênia 4 4 1 0 3 0 0 60 126 -66
Canadá 2 4 0 0 4 0 2 58 141 -83

Comentários