Sábado com clássico Inglaterra x Gales e jogos da vida para África do Sul e Itália

Três jogos de grande interesse movimentam o sábado da Copa do Mundo na Inglaterra. Abrindo o dia, a Itália recebe o Canadá, às 10h30, enquanto às 12h45 é a vez da África do Sul buscar reabilitação diante de Samoa. Fechando o dia, às 16h00, tem o superclássico entre Inglaterra e Gales!

 

Hora da Itália mostrar a que veio

O rugby italiano passa por uma crise desanimadora e a estreia dos Azzurri na Copa do Mundo não empolgou, com derrota para a França sem maiores problemas para os franceses, 32 x 10. O Canadá, por outro lado, também não largou bem perdendo por 50 x 7 para a Irlanda, sem impor muito trabalho ao verdes.

 

O confronto entre os dois países no sábado é essencial para a sequência do trabalho dos dois times no Mundial. A Itália foi muito mal contra a França no scrum, sua tradicional arma, e, com isso, Jacques Brunel efetuou duas mudanças na primeira linha, com as entradas de Michele Rizzo e Lorenzo Cittadini no time titular, enquanto na linha Gonzalo Garcia substitui o lesionado Andrea Masi e Tommaso Benvenuti  ganha o lugar de Campagnaro, criando uma dupla de centros nova. Kieran Crowley, por sua vez, contará com a volta de seu líder da terceira linha Tyler Ardron, do Ospreys, que retorna ao time recuperado de lesão. No total, além da volta de Ardron, o Canadá teve outras cinco mudanças na equipe, incluindo as entradas dos irmão Mackenzie.

 

A superioridade da Itália para a partida é esperada, sobretudo pelo fato do Canadá não fazer boa temporada e ter sofrido no jogo de forwards ao longo da Copa das Nações do Pacífico. Entretanto, os canadenses fizeram sua melhor partida no ano justamente contra a Geórgia, poderosa no pack, no início deste mês, e mostrou melhoras sensíveis nas formações. A tendência da partida é a Itália apostar em dominar o jogo na frente, no contato, e garantir sua vitória nos forwards, já que sua ligação para a linha segue deficiente. O jogo de chutes também não funciona na equipe azul, mas sua taxa de tackles é seu trunfo, com 97% diante da França, mais animador. A atitude italiana no jogo que dirá o que será possível fazer. No papel, a Itália é superior e, se quiser seguir viva na Copa, precisará de uma vitória convincente, que passa por voltar a dominar o pack, sobretudo o scrum e a terceira linha, e garantir alguma criação para sua linha, que tem bons finalizador, mas que precisam de maior volume de jogo para poderem mostrar serviço.

 

O Canadá, por sua vez, mostrou deficiência nos tackles contra a Irlanda, mas tem como virtude o seu ótimo jogo de mãos, que, no entanto, sofreu como revés a lesão de Jeff Hassler. Para o Canadá, a chave está na terceira linha, com a volta de Ardron, para jogar diante de uma terceira linha italiana desfalcada e garantir a posse de bola e buscar as arrancadas de DTH van der Merwe para colocar a Itália sob pressão e mexer com o debilitado psicológico azul.

 

Nota para Mauro Bergamasco, da Itália, que foi relacionado para o banco de reservas e, com isso, jogará sua quinta Copa do Mundo, igualando o recorde do samoano Brian Lima.

 

italia copy copyversus(14)canada copy copy

10h30 – Itália x Canadá, em Leeds

Árbitro: George Clancy (Irlanda)

Assistentes: Glen Jackson (Nova Zelândia) e Mike Fraser (Austrália) / TMO: George Ayoub (Austrália)

 

Itália: 15 Luke McLean, 14 Leonardo Sarto, 13 Tommaso Benvenuti, 12 Gonzalo Garcia, 11 Giovanbattista Venditti, 10 Tommaso Allan, 9 Edoardo Gori, 8 Samuela Vunisa, 7 Francesco Minto, 6 Alessandro Zanni, 5 Josh Furno, 4 Quintin Geldenhuys, 3 Lorenzo Cittadini, 2 Leonardo Ghiraldini (c), 1 Michele Rizzo.

Suplentes: 16 Davide Giazzon, 17 Matias Aguero, 18 Martin Castrogiovanni, 19 Marco Fuser, 20 Mauro Bergamasco, 21 Guglielmo Palazzani, 22 Carlo Canna, 23 Michele Campagnaro.

 

Canadá: 15 Matt Evans, 14 Phil Mackenzie, 13 Ciaran Hearn, 12 Connor Braid, 11 DTH Van Der Merwe, 10 Nathan Hirayama, 9 Jamie Mackenzie, 8 Tyler Ardron (c), 7 John Moonlight, 6 Nanyak Dala, 5 Jamie Cudmore, 4 Jebb Sinclair, 3 Doug Wooldridge, 2 Ray Barkwill, 1 Hubert Buydens.

Suplentes: 16 Aaron Carpenter, 17 Djustice Sears-Duru, 18 Andrew Tiedemann, 19 Evan Olmstead, 20 Kyle Gilmour, 21 Phil Mack, 22 Conor Trainor, 23 Harry Jones.

 

Histórico: 7 jogos, 5 vitórias da Itália e 2 vitórias do Canadá. Último jogo: Canadá 16 x 25 Itália, em 2012 (amistoso);

 

Jogo de vida ou morte para os Springboks

A derrota contra o Japão foi uma tragédia que não precisa mais de maiores explicações. A África do Sul vive o momento mais baixo da vitoriosa história de seu rugby e aquele que parecia ser um grupo tranquilo se tornou um pesadelo. Nesse sábado, o time do desorientado técnico Heyneke Meyer joga sua vida diante da boa Samoa, que superou os EUA na estreia sem maiores sustos, mostrando força.

 

Meyer não teve alternativa senão mudar meio elenco para a partida, trocando oito titulares. A grande novidade, que poderá mexer positivamente com o time, é a volta de Duane Vermeulen à camisa oito, com Schalk Burger vestindo a 7 ao lado de François Louw. Adriaan Strauss também ganhou a 2 titular, com Bismarck du Plessis deixando o elenco, e Eben Etzebeth voltou à segunda linha para formar ao lado de Matfield. A linha também sofreu grandes mudanças, com a opção pela dupla de 9 e 10 com o experiente Fourie du Preez ao lado de Handré Pollard, enquanto Damian de Allende assumiu a vaga no centro no posto do jovem Jesse Kriel. Willie Le Roux volta ao time com a 15, assim como JP Pietersen com a 14. Contestado, Jean de Villiers manteve a titularidade e o posto de capitão.

 

Samoa, por sua vez, trocou três nomes para o desafio contra os Boks, sabendo que uma vitória seria um passo crucial na luta pela classificação, ainda mais porque Escócia e Japão também têm já uma vitória cada. Michael Stanley assumiu a camisa 10 no lugar de Tusi Pisi, movido para o banco, enquanto Motu Matu’u ganhou a posição de hooker titular de Ole Avei, ao passo que TJ Ioane será o asa titular no posto do lesionado Fa’asavalu.

 

O desempenho pífio da África do Sul mostrou um time dessintonizado e sem qualquer criatividade. O tradicional domínio no pack e nas formações contra o Japão não ocorreu e os Boks se valeram da força física de alguns nomes para quebrarem tackles e chegarem a seus tries. A capacidade defensiva fraca e o físico caindo ao longo da partida até o desastre dos minutos finais preocupam demais os verdes. Samoa, por sua vez, fez um jogo seguro contra os EUA, apesar de também ter queda de rendimento nos minutos finais e precisar evoluir no jogo de chutes. A reputação de tackles duros do lado samoano é outro problema que os Boks terão pela frente, sobretudo com os azuis entrando em campo com uma terceira linha dura de Treviaranus, Lam e Ioane. O scrum-half Fotuali’i é outro perigo, sendo capaz de ditar o ritmo do jogo, ao passo que a linha potente de Samoa poderá punir fortemente a desorganização defensiva sul-africana, sobretudo com Tuilagi inspirado. Já Nanai-Williams é um fullback incisivo e capaz de achar os espaços entre a defesa sul-africana como ninguém. Cairá em Le Roux a missão de neutralizar Nanai-Willians, em um dos duelos mais aguardados do jogo.

 

No papel, a África do Sul segue como sendo mais forte. O problema dos verdes é o psicológico. O que ajudará a equipe é o retorno de Vermeulen, que tem tudo para impor um jogo de contra-rucks devastador ao lado de Burger, uma ilha de produtividade no deserto sul-africano diante do Japão. Com os dois dominando as ações e o bom e velho Fourie du Preez manejando o jogo a seu favor – em outro duelo imperdível com Fotuali’i – os Boks poderão respirar. Pollard também é outro em cima do qual se projetam as expectativas, pois, após péssima atuação de Lambie, o abertura volta a ter uma grande chance de se firmar. O duelo com Stanley o favorece em todos os níveis. Aguardai.

 

springboks logoversus(14)samoa copy

12h45 – África do Sul x Samoa, em Birmingham

Árbitro: Wayne Barnes (Inglaterra)

Assistentes: JP Doyle (Inglaterra) e Angus Gardner (Austrália) / TMO: Graham Hughes (Inglaterra)

 

África do Sul: 15 Willie le Roux, 14 JP Pietersen, 13 Jean de Villiers (c), 12 Damian de Allende, 11 Bryan Habana, 10 Handrá Pollard, 9 Fourie du Preez, 8 Duane Vermeulen, 7 Schalk Burger, 6 François Louw, 5 Victor Matfield, 4 Eben Etzebeth, 3 Jannie du Plessis, 2 Adriaan Strauss, 1 Tendai Mtawarira.

Suplentes: 16 Schalk Brits, 17 Trevor Nyakane, 18 Frans Malherbe, 19 Lood de Jager, 20 Siya Kolisi, 21 Ruan Pienaar, 22 Pat Lambie, 23 Jesse Kriel.

 

Samoa: 15 Tim Nanai-Williams, 14 Ken Pisi, 13 Paul Perez, 12 Rey Lee-Lo, 11 Alesana Tuilagi, 10 Mike Stanley, 9 Kahn Fotuali’i, 8 Ofisa Treviranus (c), 7 Jack Lam, 6 TJ Ioane, 5 Joe Tekori, 4 Teofilo Paulo, 3 Anthony Perenise, 2 Motu Matu’u, 1 Zak Taulafo.

Suplentes: 16 Ole Avei, 17 Viliami Afatia, 18 Census Johnston, 19 Faifili Levave, 20 Vavae Tuilagi, 21 Vavao Afemai, 22 Tusi Pisi, 23 George Pisi

 

Histórico: 8 jogos e 8 vitórias da África do Sul. Último jogo: África do Sul 53 x 26 Samoa, em 2013 (amistoso);

 

Clássico é clássico, e vice-versa

O jogo mais aguardado do fim de semana é o primeiro dos grandes clássicos do grupo da morte, o Grupo A. Em Twickenham, Inglaterra e Gales se enfrentam, em partida crucial às pretensões de ambos. Quem perder será jogado na fogueira diante da Austrália e quem vencer dará um passo decisivo rumo à classificação.

 

A Inglaterra largou bem, com vitória sobre Fiji, mas deixou dúvidas na partida. Apesar do bônus, os ingleses sofreram diante dos fijianos, sobretudo na terceira linha e nos laterais, e conseguiram um ponto-bônus ofensivo que para muitos não foi justo pelo que foi o jogo. Já Gales começou instável contra o Uruguai mas não tardou a tomar as rédeas da partida e conquistar a esperada vitória. Os galeses, contudo, sofrem com as lesões neste Mundial e, após perderem Helfpenny e Webb, também não contarão mais com Allen pelo resto da competição. Pelo menos Liam Williams se recuperou e vai para o jogo com a camisa 15, mas debilitado. Gethin Jenkins foi confirmado no time e irá para sua quarta Copa do Mundo, tendo a seu lado o hooker Scott Baldwin e o promissor pilar Tomas Francis. O trunfo de Gales está na terceira linha estrelada de Warburton, Lydiate e Faletau, que imporá grandes dificuldades à terceira linha inglesa de Wood, Robshaw (que não vem bem) e Billy Vunipola (que ganhou a 8 de Morgan, lesionado, na única mudança no pack inglês). A chave do jogo estará nesse setor. Na segunda linha outra batalha será vista, com Bradley Davies e Alun Wyn Jones disputando bola a bola com Courtney Lawes e Geoff Parling. Gales ainda não foi verdadeiramente testado na Copa nos alinhamentos, apesar de ter força, sobretudo pela qualidade de Jones, que ainda dá muita estabilidade ao scrum, enquanto a segunda linha inglesa sofreu nos alinhamentos com Fiji.

 

Gareth Davies e Dan Biggar farão a dupla de 9 e 10 de Gales, enqanto a Inglaterra apostou em mudança, com Ford deixando a 10 para Owen Farrell, em mais uma troca de abertura, com Stuart Lancaster ainda sem achar sua formação ideal. Buscando potência no centro, Lancaster deu uma chance a Sam Burgess como titular, no lugar do veloz Joseph, para colidir com Jamie Roberts, enquanto Gales apostou no jovem Hallam Amos para dar seu contraponto à dupla de pontas May e Watson, uma das mais perigosas do mundo, enquanto Brown pode levar vantagem na batalha de fullback com Liam Williams.

 

Leve vantagem para a Inglaterra no papel, mas Gales tem armas cruciais para reverter a situação a seu favor e poder jogar com a ansiedade do time inglês, que tem o peso da pressão por jogar em casa. Quem leva? Quem quer que seja, será por pouco.

 

rfu-logo(1)versus(14)gales

16h00 – Inglaterra x Gales, em Twickenham, Londres

Árbitro: Jérôme Garcès (França)

Assistentes: Romain Poite (França) e Mathieu Raynal (França) / TMO: Shaun Veldsman (África do Sul)

 

Inglaterra: 15 Mike Brown, 14 Anthony Watson, 13 Brad Barritt, 12 Sam Burgess, 11 Jonny May, 10 Owen Farrell, 9 Ben Youngs, 8 Billy Vunipola, 7 Chris Robshaw (c), 6 Tom Wood, 5 Courtney Lawes, 4 Geoff Parling, 3 Dan Cole, 2 Tom Youngs, 1 Joe Marler.

Suplentes: 16 Rob Webber, 17 Mako Vunipola, 18 Kieran Brookes, 19 Joe Launchbury, 20 James Haskell, 21 Richard Wigglesworth, 22 George Ford, 23 Alex Goode.

 

Gales: 15 Liam Williams, 14 George North, 13 Scott Williams, 12 Jamie Roberts, 11 Hallam Amos, 10 Dan Biggar, 9 Gareth Davies, 8 Taulupe Faletau, 7 Sam Warburton (c), 6 Dan Lydiate, 5 Alun Wyn Jones, 4 Bradley Davies, 3 Tomas Francis, 2 Scott Baldwin, 1 Gethin Jenkins.

Suplentes: 16 Ken Owens, 17 Aaron Jarvis, 18 Samson Lee, 19 Luke Charteris, 20 Justin Tipuric, 21 Lloyd Williams, 22 Rhys Priestland, 23 Alex Cuthbert.

 

Histórico: 126 jogos, 58 vitórias da Inglaterra, 56 vitórias de Gales e 12 empates. Último jogo: Gales 16 x 21 Inglaterra, em 2015 (Six Nations).

 

Foto:  ©INPHO/Andrew Fosker

 

Clube P J V E D 4+ -7 PP PC SP
Grupo A
Austrália 17 4 4 0 0 1 0 141 35 106
Gales 13 4 3 0 1 1 0 111 67 44
Inglaterra 11 4 2 0 2 2 1 133 75 58
Fiji 5 4 1 0 3 1 0 84 101 -17
Uruguai 0 4 0 0 4 0 0 30 226 -196
Grupo B
África do Sul 16 4 3 0 1 3 1 176 56 120
Escócia 14 4 3 0 1 2 0 142 139 3
Japão 12 4 3 0 1 0 0 98 100 -2
Samoa 6 4 1 0 3 1 1 69 124 -55
Estados Unidos 0 4 0 0 4 0 0 50 156 -106
Grupo C
Nova Zelândia 19 4 4 0 0 3 0 174 49 125
Argentina 15 4 3 0 1 3 0 179 70 109
Geórgia 8 4 2 0 2 0 0 53 122 -69
Tonga 6 4 1 0 3 1 1 70 130 -60
Namíbia 1 4 0 0 4 0 1 70 174 -104
Grupo D
Irlanda 18 4 4 0 0 2 0 135 35 100
França 14 4 3 0 1 2 0 117 64 53
Itália 10 4 2 0 2 1 1 74 88 -14
Romênia 4 4 1 0 3 0 0 60 126 -66
Canadá 2 4 0 0 4 0 2 58 141 -83

Data Local Horário (de Brasília) Equipe Placar vs Placar Equipe TV ao vivo
Sexta – 18/09/2015 Londres – Twickenham 16:00 INGLATERRA 35 X 11 FIJI ESPN
Sábado – 19/09/2015 Gloucester 08:00 TONGA 10 X 17 GEÓRGIA ESPN+
Sábado – 19/09/2015 Cardiff 10:30 IRLANDA 50 X 07 CANADÁ ESPN+
Sábado – 19/09/2015 Brighton 12:45 ÁFRICA DO SUL 32 X 34 JAPÃO ESPN
Sábado – 19/09/2015 Londres – Twickenham 16:00 FRANÇA 32 X 10 ITÁLIA ESPN
Domingo – 20/09/2015 Brighton 08:00 SAMOA 25 X 16 ESTADOS UNIDOS ESPN+
Domingo – 20/09/2015 Cardiff 10:30 GALES 54 X 09 URUGUAI ESPN+
Domingo – 20/09/2015 Londres – Wembley 12:45 NOVA ZELÂNDIA 26 X 16 ARGENTINA ESPN
Quarta – 23/09/2015 Gloucester 10:30 ESCÓCIA 45 X 10 JAPÃO ESPN
Quarta – 23/09/2015 Cardiff 12:45 AUSTRÁLIA 28 X 13 FIJI ESPN
Quarta – 23/09/2015 Londres – Estádio Olímpico 16:00 FRANÇA 38 X 11 ROMÊNIA ESPN
Quinta – 24/09/2015 Londres – Estádio Olímpico 16:00 NOVA ZELÂNDIA 58 X 14 NAMÍBIA ESPN
Sexta – 25/09/2015 Gloucester 12:45 ARGENTINA 54 X 09 GEÓRGIA ESPN
Sábado – 26/09/2015 Leeds 10:30 ITÁLIA 23 X 18 CANADÁ ESPN+
Sábado – 26/09/2015 Birmingham 12:45 ÁFRICA DO SUL 46 X 06 SAMOA ESPN
Sábado – 26/09/2015 Londres – Twickenham 16:00 INGLATERRA 25 X 28 GALES ESPN
Domingo – 27/09/2015 Birmingham 08:00 AUSTRÁLIA 65 X 03 URUGUAI ESPN
Domingo – 27/09/2015 Leeds 10:30 ESCÓCIA 39 X 16 ESTADOS UNIDOS ESPN+
Domingo – 27/09/2015 Londres – Wembley 12:45 IRLANDA 44 X 10 ROMÊNIA ESPN+
Terça – 29/09/2015 Exeter 12:45 TONGA 35 X 21 NAMÍBIA ESPN
Quinta – 01/10/2015 Cardiff 12:45 GALES 23 X 13 FIJI ESPN
Quinta – 01/10/2015 Milton Keynes 16:00 FRANÇA 41 X 18 CANADÁ ESPN
Sexta – 02/10/2015 Cardiff 16:00 NOVA ZELÂNDIA 43 X 10 GEÓRGIA ESPN
Sábado – 03/10/2015 Milton Keynes 10:30 SAMOA 05 X 26 JAPÃO ESPN+
Sábado – 03/10/2015 Newcastle 12:45 ÁFRICA DO SUL 34 X 16 ESCÓCIA ESPN
Sábado – 03/10/2015 Londres – Twickenham 16:00 INGLATERRA 13 X 33 AUSTRÁLIA ESPN
Domingo – 04/10/2015 Leicester 10:30 ARGENTINA 45 X 16 TONGA ESPN+
Domingo – 04/10/2015 Londres – Estádio Olímpico 12:45 IRLANDA 16 X 09 ITÁLIA ESPN+
Terça – 06/10/2015 Leicester 12:45 CANADÁ 15 X 17 ROMÊNIA ESPN
Terça – 06/10/2015 Milton Keynes 16:00 FIJI 47 X 15 URUGUAI ESPN
Quarta – 07/10/2015 Londres – Estádio Olímpico 12:45 ÁFRICA DO SUL 64 X 00 ESTADOS UNIDOS ESPN
Quarta – 07/10/2015 Exeter 16:00 NAMÍBIA 16 X 17 GEÓRGIA ESPN+
Sexta – 09/10/2015 Newcastle 16:00 NOVA ZELÂNDIA 47 X 09 TONGA ESPN+
Sábado – 10/10/2015 Newcastle 10:30 SAMOA 33 X 36 ESCÓCIA ESPN
Sábado – 10/10/2015 Londres – Twickenham 12:45 AUSTRÁLIA 15 X 06 GALES ESPN
Sábado – 10/10/2015 Manchester 16:00 INGLATERRA 60 X 03 URUGUAI ESPN
Domingo – 11/10/2015 Leicester 08:00 ARGENTINA 64 X 19 NAMÍBIA ESPN
Domingo – 11/10/2015 Exeter 10:30 ITÁLIA 32 X 22 ROMÊNIA ESPN
Domingo – 11/10/2015 Cardiff 12:45 FRANÇA 09 X 24 IRLANDA ESPN+
Domingo – 11/10/2015 Gloucester 16:00 ESTADOS UNIDOS 18 X 28 JAPÃO ESPN+
Sábado – 17/10/2015 Londres – Twickenham 12:00 ÁFRICA DO SUL (QUARTAS DE FINAL) 23 X 19 GALES (QUARTAS DE FINAL) ESPN
Sábado – 17/10/2015 Cardiff 16:00 NOVA ZELÂNDIA (QUARTAS DE FINAL) 62 X 13 FRANÇA (QUARTAS DE FINAL) ESPN
Domingo – 18/10/2015 Cardiff 10:00 IRLANDA (QUARTAS DE FINAL) 20 X 43 ARGENTINA (QUARTAS DE FINAL) ESPN
Domingo – 18/10/2015 Londres – Twickenham 13:00 AUSTRÁLIA (QUARTAS DE FINAL) 35 X 34 ESCÓCIA (QUARTAS DE FINAL) ESPN
Sábado – 24/10/2015 Londres – Twickenham 13:00 ÁFRICA DO SUL (SEMIFINAL) 18 X 20 NOVA ZELÂNDIA (SEMIFINAL) ESPN
Domingo – 25/10/2015 Londres – Twickenham 14:00 ARGENTINA (SEMIFINAL) 15 X 29 AUSTRÁLIA (SEMIFINAL) ESPN
Sexta – 30/10/2015 Londres – Estádio Olímpico 18:00 ÁFRICA DO SUL (DISPUTA DO 3º LUGAR) 24 X 13 ARGENTINA (DISPUTA DO 3º LUGAR) ESPN
Sábado – 31/10/2015 Londres – Twickenham 14:00 NOVA ZELÂNDIA (FINAL) 34 X 17 AUSTRÁLIA (FINAL) ESPN

Comentários