Técnico do Japão anuncia saída da seleção após Mundial e Yoann Huget desfalca França

O Japão foi do céu à… dor de cabeça, em pouco tempo. Depois da histórica e épica vitória dos japoneses sobre a África do Sul, o técnico australiano do Japão, Eddie Jones, anunciou que se despedirá dos Brave Blossoms ao final da Copa do Mundo.

 

O treinador assinou contrato com o Stormers, da África do Sul, para assumir a franquia para o Super Rugby de 2016. Com isso, Jones, ao contrário do esperado, não será o treinador da polêmica – e quiçá malfadada – franquia japonesa do Super Rugby, que tem sua estreia marcada para o Super Rugby 2016, mas até agora falhou em todos os prazos e segue arriscada de ficar de fora da competição.

 

Jones criticou pesadamente a direção da União Japonesa de Rugby e se disse frustrado com a gestão do rugby do país.

 

Yoann Huget cortado

Na França, a bomba da semana foi a lesão de Yoann Huget. O sensacional ponta foi cortado do elenco e para seu lugar foi chamado Rémy Grosso, do Castres, de 26 anos, que jamais vestiu a camisa da França antes. Surpresa.

 

Mercado movimentado mesmo durante a Copa do Mundo

Enquanto a Copa rola, o mercado de contratações do rugby não para. O Newcastle Falcons, da Premiership inglesa, anunciou nesta semana mais um reforço, o veterano terceira linha dos Estados Unidos Todd Clever, de 32 anos, cortado da Copa do Mundo por indisciplina.

 

Já os australianos do Waratahs, do Super Rugby, anunciaram as chegadas do ex All Black Zac Guildford, ponta de 26 anos, e do jovem terceira linha Bradley Wilkin, que jogou o último Mundial Junior e estava atuando na seleção australiana de sevens.

 

O Leinster, da Irlanda, por sua vez lamentou a aposentadoria prematura de Kevin McLaughlin, terceira linha com oito atuações pela Irlanda, que, aos 31 anos, terá que pendurar as chuteiras por conta de uma concussão.

Comentários