Uruguai luta bravamente, mas Austrália faz sua parte

ARTIGO COM VÍDEO – O jogo era mero protocolo para a Austrália. Os Wallabies enfrentaram em Birmingham o Uruguai e o que estava em jogo era o placar que os australianos fariam, pois só um desastre tiraria o bônus ofensivo dos aussies. O Uruguai, no entanto, mostrou mais uma vez sua fibra e provou sua força, fazendo uma partida muito digna e afastou os críticos que apostavam que os Teros sairiam do Mundial com placares superiores a 100 pontos. 65 x 3 para os australianos.

 

Com esperado, o primeiro try não tardou a ser construído, e a partir do lateral, que vem se provando a tônica da Copa. Os Wallabies emplacaram o maul e McMahon, jovem e promissor asa, explorou o lado cego para finalizar os primeiros cinco pontos aussies. Aos 8′, o segundo try saiu, com Quade Cooper servindo com offload Joe Tomane.

 

O Uruguai endureceu o jogo após os pontos iniciais, mostrou força nos rucks e garantiu um precioso penal aos 23′ para Berchesi inaugurar o marcador para os Teros. Mas, a diferença dos times era óbvia e, aos 25′, Dean Mumm rompeu para o terceiro try australiano. O ponto-bônus veio rápido, com os profissionais de dourados mostrando sua esperada superioridade sobre os amadores de branco e azul. Aos 30′, bela troca de passes dos Wallabies e Henry Speight finalizou a grande jogada, mostrando toda a categoria dos campeões do Rugby Championship. E antes do intervalo McCalman adicionou o quinto try australiano, com a bola bem trabalhada depois de lateral, já explorando as possibilidades para o jogo decisivo contra a Inglaterra. O Uruguai ainda teve uma boa chance de try antes do intervalo com uma sequência de fases, mas não conseguiu romper a defesa amarela. 31 x 3 ao final da primeira etapa.

 

O segundo tempo começou com os Teros mostrando gana e colocando um penal para a lateral para buscar seu try. Mas, quem mexeu novamente no placar foi a Austrália, com Drew Mitchell mostrando sua categoria e finalizando na velocidade. Aos 52′, o veterano Mitchell de novo costurou a defesa uruguaia para um lindo try, colocando 41 x 3 no placar.

 

Naturalmente o ritmo australiano caiu e tardou até os 61′ para a defesa uruguaia ser novamente rompida, outra vez com McCalman. McMahon não quis ficar atrás e finalizou seu segundo try aos 68′ e, aos 71′, com os uruguaios já exaustos, Cooper trabalhou grande troca de passes e Toomua cravou o décimo try. Os Teros ainda tiveram uma última chance de try, colocando outro penal para a lateral e quase apoiando na sequência a bola no in-g0al. Mas, a Austrália tirou o doce dos uruguaios e ainda fechou o placar com um último try de Kuridrani, encerrando o placar em 65 x 3.

 

Para os uruguaios se orgulharem, as estatísticas dos Teros foram dignas, com sucesso de 97% em seus rucks. Para a Austrália atentar, Quade Cooper converteu somente 45% de seus chutes e os Wallabies cometeram mais penais que o Uruguai no jogo. A Austrália enfrenta a Inglaterra no próximo sábado, dia 3, em um dos jogos mais aguardados do Mundial – talvez o melhor da primeira fase – enquanto o Uruguai descansa até a terça-feira, dia 6, quando duela com Fiji no jogo que os Teros mais esperanças têm de conseguir algum try.

 

australia%281%2965versus%287%2903uru novo copy copy

Austrália 65 x 3 Uruguai, em Birmingham

Árbitro: Pascal Gaüzère (França)

Assistentes: Jaco Peyper (África do Sul) e Marius Mitrea (Itália) / TMO: Graham Hughes (Inglaterra)

 

Austrália

Tries: Mitchell (2), McCalman (2), McMahon (2), Tomane, Mumm, Speight, Toomua e Kuridrani

Conversões: Cooper (5)

15 Kurtley Beale, 14 Joe Tomane, 13 Henry Speight, 12 Matt Toomua, 11 Drew Mitchell, 10 Quade Cooper, 9 Nick Phipps, 8 Wycliff Palu, 7 Sean McMahon, 6 Ben McCalman, 5 Will Skelton, 4 Dean Mumm (c), 3 Toby Smith, 2 Tatafu Polota-Nau, 1 Scott Sio.

Suplentes: 16 Stephen Moore, 17 Sekope Kepu, 18 Greg Holmes, 19 Kane Douglas, 20 Rob Simmons, 21 Will Genia, 22 Bernard Foley, 23 Tevita Kuridrani.

 

Uruguai

Penais: Berchesi (1)

15 Gaston Mieres, 14 Leandro Leivas, 13 Joaquin Prada, 12 Andres Vilaseca, 11 Rodrigo Silva, 10 Felipe Berchesi, 9 Agustin Ormaechea, 8 Juan Manuel Gaminara, 7 Matias Beer, 6 Juan De Freitas, 5 Franco Lamanna, 4 Santiago Vilaseca (c), 3 Mario Sagario, 2 German Kessler, 1 Mateo Sanguinetti.

Suplentes: 16 Nicolas Klappenbach, 17 Oscar Duran, 18 Carlos Arboleya, 19 Alejandro Nieto, 20 Diego Magno, 21 Fernando Bascou, 22 Alejo Duran, 23 Alberto Roman.

 

 

Clube P J V E D 4+ -7 PP PC SP
Grupo A
Austrália 17 4 4 0 0 1 0 141 35 106
Gales 13 4 3 0 1 1 0 111 67 44
Inglaterra 11 4 2 0 2 2 1 133 75 58
Fiji 5 4 1 0 3 1 0 84 101 -17
Uruguai 0 4 0 0 4 0 0 30 226 -196
Grupo B
África do Sul 16 4 3 0 1 3 1 176 56 120
Escócia 14 4 3 0 1 2 0 142 139 3
Japão 12 4 3 0 1 0 0 98 100 -2
Samoa 6 4 1 0 3 1 1 69 124 -55
Estados Unidos 0 4 0 0 4 0 0 50 156 -106
Grupo C
Nova Zelândia 19 4 4 0 0 3 0 174 49 125
Argentina 15 4 3 0 1 3 0 179 70 109
Geórgia 8 4 2 0 2 0 0 53 122 -69
Tonga 6 4 1 0 3 1 1 70 130 -60
Namíbia 1 4 0 0 4 0 1 70 174 -104
Grupo D
Irlanda 18 4 4 0 0 2 0 135 35 100
França 14 4 3 0 1 2 0 117 64 53
Itália 10 4 2 0 2 1 1 74 88 -14
Romênia 4 4 1 0 3 0 0 60 126 -66
Canadá 2 4 0 0 4 0 2 58 141 -83

Comentários