Escócia vence Itália e interrompe fase negativa histórica

ARTIGO COM VÍDEO – A Escócia enfrentava a pior fase na história de suas participações no Six Nations, uma série de 9 jogos sem vitória. A Itália não vencia uma partida em casa desde 2013. E para piorar, as duas seleções corriam o risco de terminar o torneio com a “colher de pau” do último lugar do torneio.

 

A Escócia entrou em campo mais agitada e ligada. E até o meio do primeiro tempo já tinha boa vantagem aberta no placar. Vantagem que a Itália tentou tirar durante todo o jogo: depois que acordou na partida, os italianos lutaram bravamente liderados por Parisse e Campagnaro, mas não foi o suficiente para livrar a Azzurra de nova derrota em casa. Jogando sem Carlo Canna, lesionado, Haimona, o abertura que o substituiu não conseguiu dar à Itália o mesmo desempenho, apesar de não ter comprometido em sua atuação.

 

Foi a Itália quem abriu o placar, aos 7 minutos. Um penal de 44 metros convertido por Kelly Hamona. Mas a Escócia reagiu rápido e logo após, aos 9 minutos, em uma bela infiltração de Stuart Hogg que serviu John Barclay. O asa escocês invadiu o ingoal e anotou o primeiro try da partida. Mesmo sendo próximo à lateral, Greig Laidlaw, um dos melhores chutadores da Europa, não perdeu o chute e converteu o try – neste momento a Escócia liderava o placar em 7 x 3.

 

Sete minutos depois, aos 16 minutos, uma ótima jogada em linha, mas com jogadores forwards, foi bem armada e o outro asa escocês, John Hardie, adentrou o ingoal e apoiou a bola, anotando assim o segundo try da Escócia. Laidlaw sem dificuldades converteu novamente. Aos 17 minutos a Escócia já liderava o placar por 14 x 3.

 

A Itália cometia muitos penais na partida e cometer penais contra uma equipe que tem Laidlaw em campo é fatal. Aos 24 minutos, um destes penais, resultou num chute de Laidlaw aos postes, que converteu sem problemas.

 

A partir daí, a Itália começou a se encontrar no jogo. Parisse e Campagnaro começaram a conduzir a equipe de maneira equilibrada e o jogo começou a ficar mais disputado. Por alguns momentos a Itália parou de cometer penais e isso proporcionou alguns bons momentos de ataque e aos 29 minutos Camapagnaro armou boa jogada que culminou com o try de Ghiraldini que Haimona converteu, dando os números finais do primeiro tempo 17 x 10 para a Escócia. O jogo foi equilibrado até o fim da primeira etapa, mas sem alterações no placar.

 

As equipes voltaram do intervalo com a mesma pegada do fim da primeira etapa, mas a Itália voltou a cometer muitos penais e logo aos 5 minutos após um colapso de scrum, Laidlaw chutou aos postes e converteu o penal, ampliando a vantagem da Escócia para 20 x 10.

 

Apesar dos penais na defesa, no ataque a Italia acertava seu ataque avançando na base de forwards no pick and go e forçava várias fases contra a Escócia que se defendia bem. Mas após mais de 2 minutos de pressão, um penal proporcionou à Itália nova oportunidade de pontuação – Haimona converteu penal e diminuiu a diferença no placar. Agora em 20 x 13 para a Escócia.

 

Mas os penais seguidos cometidos pelos Azzurri custaram caro. Aos 13 e aos 18 minutos, Laidlaw converteu duas penalidades e aumentou a vantagem da Escócia para 26 x 13.

 

Aos 21 minutos, Finn Russell usou a mão imprudentemente em um ruck e é colocado no sin bin do jogo. A Itália aproveita o momento e após o penal cobrado para a lateral, pressionou a Escócia e conseguiu invadir o ingoal com Marco Fuser que anotou o try para a Itália. Haimona converteu e a Itália encostava novamente no placar. Escócia 26 x 20.

 

Mas a imprudência italiana é grande e a equipe cometia muitos penais. Mesmo jogando com um a mais, proporcionava à Escócia momentos especiais de pontuação e aos 25 minutos, Laidlaw chutou para mais um e converteu. Escócia 29 x 20.

 

Aos 36 minutos, um chute de Russel por trás da linha de defesa italiana, abriu terreno para uma penetração escocesa. Com esta penetração, a Escócia pode tramar uma jogada de linha bem organizada e a bola chegou a Hogg que fez um belo passe invertido para Tommy Seymour que anotou o último try da partida. Laidlaw converteu e deu os números finais do jogo: Escócia 36 x 20.

 

Com o resultado a Escócia interrompe a pior série de derrotas da história e deixa a última colocação do torneio para a Itália que amarga uma participação com três derrotas em três partidas.

 

 

italia_logo  20   versus copiar 36   escocia logo

 

 

Itália 20 x 36 Escócia, em Roma

 

Árbitro: Jaco Peyper (África do Sul)

 

 

Itália:

 

Tries: Ghiraldini e Fuser

 

Conversões: Haimona (2)

 

Penais: Haimona (2)

 

15 David Odiete, 14 Leonardo Sarto, 13 Michele Campagnaro, 12 Gonzalo Garcia, 11 Mattia Bellini, 10 Kelly Haimona, 9 Edoardo Gori, 8 Sergio Parisse (c), 7 Alessandro Zanni, 6 Francesco Minto, 5 Joshua Furno, 4 Marco Fuser; 3 Lorenzo Cittadini, 2 Leonardo Ghiraldini, 1 Andrea Lovotti

Suplentes: 16 Davide Giazzon, 17 Matteo Zanusso, 18 Martin Castrogiovanni, 19 Valerio Bernabo, 20 Andries Van Schalkwyk, 21 Guglielmo Palazzani, 22 Edoardo Padovani, 23 Andrea Pratichetti

 

 

Escócia: 

 

Tries: Barclay, Hardie e Seymour

 

Conversões: Laidlaw (3)

 

Penais: Laidlaw (5)

 

15 Stuart Hogg, 14 Tommy Seymour, 13 Mark Bennett, 12 Duncan Taylor, 11 Tim Visser, 10 Finn Russell, 9 Greig Laidlaw (c), 8 David Denton, 7 John Hardie, 6 John Barclay, 5 Jonny Gray, 4 Richie Gray, 3 Willem Nel, 2 Ross Ford, 1 Alasdair Dickinson

Suplentes: 16 Stuart McInally, 17 Rory Sutherland, 18 Moray Low, 19 Tim Swinson, 20 Ryan Wilson, 21 Sam Hidalgo-Clyne, 22 Peter Horne, 23 Sean Lamont

 

 

SeleçãoJogosPontos
Inglaterra510
Gales57
Irlanda55
Escócia54
França54
Itália50

Vitória = 2 pontos;
Empate = 1 ponto;
Derrota = 0 pontos

Comentários