ARTIGO COM VÍDEOS – Muitos jogos internacionais agitaram o sábado! No Pacífico, foram três partidas, com Fiji frustrando a Escócia, 27 x 22; com a Austrália batendo sem refresco a Itália, 40 x 27; e com a Irlanda derrotando o Japão por tranquilos 35 x 13. Vamos ao que rolou!

 

Fiji derruba Escócia e ganha embalo rumo a 2019

Em Suva, capital de Fiji, a seleção da casa fez seu último jogo em preparação para seus confrontos com Samoa e Tonga em julho, que valerão vaga na Copa do Mundo de 2019. O oponente desta vez foi uma Escócia forte, mas sem alguns de seus principais nomes, convocados pelos Lions. E os fijianos conseguiram uma vitória para festejarem muito por 27 x 22, que renderá pontos no Ranking e embalo para o time da Oceania.

- Continua depois da publicidade -

O jogo começou com poucas emoções e a Escócia pecou ao longo de toda a disputa com muitos penais, que permitiram ao abertura Volavola dar frente a Fiji. Aos 30′, quando o jogo estava em apenas 3 x 0 para os donos da casa, o pack escocês funcionou e no scrum Ford guardou o primeiro try da partida. Porém, antes do intervalo, coube a Yato devolver a frente a Fiji em mágica jogada, que começou com uma série de offload, teve chute cruzado de Volavola e outra troca de passes de gala para o try.

A Escócia ainda cedeu novo penal a Fiji no começo do segundo tempo, mas igualou o placar em 14 x 14 com novamente seu pack entrando na força, mas com o try sendo feito pelo fullback Ruaridh Jackson. Entretanto, o excesso de penais puniu a Escócia e, aos 62′, Senioli fez outro belo try para os donos da casa, recebendo offload de Nakarawa, desequilibrando. Os visitantes ainda tiveram a chance de encostarem de vez, com Brown marcando o terceiro try azul aos 75′, mas não houve tempo para reação. 27 x 22, números finais.

 

27versus copiar22

Fiji 27 x 22 Escócia, em Suva

Árbitro: Pascal Gaüzère (França)

Fiji

Tries: Yato e Seniloli

Conversões: Volavola (1)

Penais: Volavola (5)

15 Kini Murimurivalu, 14 Josua Tuisova, 13 Albert Vulivuli, 12 Jale Vatubua, 11 Patrick Osborne, 10 Ben Volavola, 9 Serupepeli Vularika, 8 Akapusi Qera (c), 7 Peceli Yato, 6 Dominiko Waqaniburotu, 5 Leone Nakarawa, 4 Tevita Cavubati, 3 Kalivati Tawake, 2 Sunia Koto, 1 Peni Ravai;

Suplentes: 16 Tuapati Talemaitoga, 17 Joeli Veitayaki, 18 Mosese Ducivaki, 19 Sikeli Nabou, 20 Naulia Dawai, 21 Henry Seniloli, 22 John Stewart, 23 Benito Masilevu;

Escócia

Tries: Ford, Jackson e Brown

Conversões: Jackson (2)

Penais: Jackson (1)

15 Ruaridh Jackson, 14 Damien Hoyland, 13 Nick Grigg, 12 Duncan Taylor, 11 Tim Visser, 10 Peter Horne, 9 Henry Pyrgos, 8 Josh Strauss, 7 John Hardie, 6 John Barclay (c), 5 Jonny Gray, 4 Tim Swinson, 3 Willem Nel, 2 Ross Ford, 1 Alex Allan;

Suplentes: 16 Fraser Brown, 17 Gordon Reid, 18 Zander Fagerson, 19 Ben Toolis, 20 Hamish Watson, 21 Ryan Wilson, 22 Ali Price, 23 Greig Tonks;

Wallabies vencem no sofrimento

Depois de um revés duro diante da Escócia, a Austrália encerrou junho recebendo e derrotando a Itália por 40 x 27, mas não sem sofrerem um pouco.

Os Wallabies começaram muito bem com uma arrancada do novato Naivalu aos 13′ para o primeiro try, seguido de dois tries seguidos de Israel Folau, que fez um mês acima do restante do time. Sempre jogando de mãos, a Austrália foi se impondo sobre um fraco time italiano, mas que tinha algumas cartas na manga. Antes do intervalo, Campagnaro correu para o primeiro try dos Azzurri em grande estilo, deixando o jogo aberto em 21 x 13.

No segundo tempo, Naivalu disparou para seu segundo try pelos Wallabies logo após a volta dos vestiários, porém a Itália não se acanhou e cresceu contra uma Austrália que parecia subestimar o oponente. Padovani, aos 63′, e Benvenuti, em interceptação aos 67′, gelaram o torcedor aussie cravando dois tries seguidos para a Itália, que se colocou a apenas 1 ponto no placar, 28 x 27.

Foi somente no apagar das luzes que os Wallabies confirmaram o triunfo com Bernard Foley salvando a pátria para achar o espaço do try da vitória. Ainda houve tempo para mais um, com Hodge deixando o seu antes do fim para decretar um enganoso 40 x 27 a favor da Austrália, que nada convenceu.

 

40versus copiar27italia copy copy

Austrália 40 x 27 Itália, em Brisbane

Árbitro: Matthew Carley (Inglaterra)

Austrália

Tries: Naivalu (2), Folau (2), Foley e Hodge

Conveersões: Foley (5)

15 Israel Folau, 14 Dane Haylett-Petty, 13 Rob Horne, 12 Karmichael Hunt, 11 Sefa Naivalu, 10 Bernard Foley, 9 Will Genia, 8 Lopeti Timani, 7 Michael Hooper, 6 Ned Hanigan, 5 Adam Coleman, 4 Rory Arnold, 3 Allan Alaalatoa, 2 Stephen Moore (c), 1 Scott Sio;

Suplentes: 16 Tatafu Polota-Nau, 17 Toby Smith, 18 Sekope Kepu, 19 Sam Carter, 20 Jack Dempsey, 21 Joe Powell, 22 Quade Cooper, 23 Reece Hodge;

Itália

Tries: Campagnaro, Padovani e Benvenuti

Conversões: Allan (3)

Penais: Allan (1)

15 Edoardo Padovani, 14 Angelo Esposito, 13 Michele Campagnaro, 12 Tommaso Boni, 11 Giovambattista Venditti, 10 Tommaso Allan, 9 Tito Tebaldi, 8 Andries van Schalkwyk, 7 Maxime Mbanda, 6 Francesco Minto (c), 5 Dean Budd, 4 Marco Fuser, 3 Simone Ferrari, 2 Luca Bigi, 1 Andrea Lovotti;

Suplentes: 16 Ornel Gega, 17 Federico Zani, 18 Pietro Ceccarelli, 19 Marco Lazzaroni, 20 Abraham Steyn, 21 Edoardo Gori, 22 Carlo Cane, 23 Tommaso Benvenuti;

Irlanda não tem problemas contra o Japão

A histórico do segundo confronto entre Japão e Irlanda em solo japonês foi a mesma da primeira partida. Mesmo pesadamente desfalcada de seus atletas convocados pelos Lions, a Irlanda se impôs com categoria sobre o Japão que novamente decepcionou seu torcedor. Agora, diante de 30 mil torcedores em Tóquio, a Irlanda aplicou 35 x 13 sobre os Brave Blossoms, em jogo de 5 tries para o Trevo.

Foi um verdadeiro atropelo irlandês no começo da partida, com 3 tries marcados em 16 minutos de jogo, pelas mãos de Gary Ringrose, aos 10′, Josh van der Flier, aos 10′, e Kieron Marmion, aos 16′. Os asiáticos reagiram com Matsushima caindo no in-goal aps 23′, mas Ruddock cravou o quarto try verde aos 30′.

O segundo tempo teve um ritmo mais cadenciado, com o Japão batalhando sem sucesso por sua reação. Apenas aos 61′ Yamada cravou o segundo try dos donos da casa, mas a Irlanda seguiu com maior controle de bola e voltou a marcar no fim, aos 77′, com Reidy. Fim de papo, 35 x 12.

 

13versus copiar35

Japão 13 x 35 Irlanda, em Tóquio

Árbitro: JP Doyle (Inglaterra)

Japão

Tries: Matsushima e Yamada

Penais: Ogura (1)

15 Ryuji Noguchi, 14 Akihito Yamada, 13 Kotaro Matsushima, 12 Yu Tamura, 11 Kenki Fukuoka, 10 Jumpei Ogura, 9 Yutaka Nagare, 8 Amanaki Mafi, 7 Shuhei Matsuhashi, 6 Michael Leitch, 5 Uwe Helu, 4 Luke Thompson, 3 Takuma Asahara, 2 Yusuke Niwai, 1 Shintaro Ishihara;

Suplentes: 16 Shota Horie, 17 Keita Inagaki, 18 Takayuki Watanabe, 19 Kotaro Yatabe, 20 Yoshitaka Tokunaga, 21 Fumiaki Tanaka, 22 Rikiya Matsuda, 23 Ryohei Yamanaka;

Irlanda

Tries: Ringrose, Van der Flier, Marmion, Ruddock e Reidy

Conversões: Jackson (5)

15 Andrew Conway, 14 Keith Earls, 13 Garry Ringrose, 12 Luke Marshall, 11 Jacob Stockdale, 10 Paddy Jackson, 9 Kieran Marmion, 8 Jack Conan, 7 Josh van der Flier, 6 Rhys Ruddock (c), 5 Devin Toner, 4 Kieran Treadwell, 3 John Ryan, 2 James Tracy, 1 Cian Healy;

Suplentes: 16 Niall Scannell, 17 Dave Kilcoyne, 18 Andrew Porter, 19 James Ryan, 20 Sean Reidy, 21 John Cooney, 22 Rory Scannell, 23 Tiernan O’Halloran;

Foto: ARU