Hurricanes e Highlanders fazem final do Super Rugby ao vivo na ESPN!

Apenas uma partida será exibida na TV para o Brasil neste fim de semana. Mas, e que partida! Nada menos do que a grande final do Super Rugby entre Hurricanes e Highlanders, ao vivo, na ESPN, às 4h35 da madrugada. O clássico neozelandês, que definirá o campeão inédito da temporada, opõe os dois melhores times da temporada regular.

 

Hurricanes e Highlanders são os únicos times da Nova Zelândia que jamais levantaram a taça de campeões do Super Rugby. Representante da capital do país, o Hurricanes terá o privilégio de receber a partida decisiva, que será a primeira final da competição até hoje jogada em Wellington. Os ‘Canes chegaram apenas uma vez à decisão, em 2006, quando perder em Christchurch para o Crusaders em partida famosa pela neblina que desceu sobre o estádio. O Highlanders, por sua vez, também chegou a apenas uma final até então, no distante ano de 1999, quando foi igualmente superado pelo Crusaders. Nos confrontos diretos, o Hurricanes leva vantagem, com 13 vitórias, contra 11 derrotas, sendo que o último jogo entre os dois ocorreu em março deste ano, com vitória dos ‘Canes na casa do adversário por 20 x 13. Com isso, o ‘Landers terá que se superar jogando no Cake Tin, a forma de bolo, como é conhecido o estádio de Wellington, onde o Hurricanes perdeu apenas uma partida em 2015, diante do Waratahs. No ano passado, no entanto, os dois times jogaram em Wellington e a vitória foi dos Highlanders, 18 x 16. Os ingressos ficaram esgotados em minutos nas vendas online, provando a confiança do torcedor da capital, que sente ser este, enfim, o momento de comemorar o título da mais importante liga do Hemisfério Sul. Afinal, 15 vitórias em 17 partidas no ano inspiram qualquer um.

 

Os aurinegros do técnico Chris Boyd chegam à partida inalterados com relação à equipe que se impôs com contundência sobre o Brumbies, mas o asa Ardie Savea segue como dúvida para a final por conta de uma lesão – caso cortado, Ardie seria substituído por Callum Gibbins. É difícil apontar um destaque para o Hurricanes, que dominou a temporada em quase todos os aspectos. Seu scrum é poderoso, sua linha matadora e sua dupla criativa está em alta, mas certamente onde mais o time chama a atenção é em sua dupla de centros, com os veteranos Conrad Smith e Ma’a Nonu esbanjando entrosamento e mostrando que são como vinho, quanto mais velhos, melhores. O jogo, entretanto, terá um componente emocional que, na verdade, poderá jogar a favor dos ‘Canes. Esta será a última partida da dupla com a camisa da equipe, pois ambos já acertaram transferência para o rugby europeu após a Copa do Mundo. Sem jamais terem conquistado o Super Rugby, os dois ídolos dos All Blacks buscam alcançaram aquilo que falta em suas laureadas carreiras e, para tal, terá o apoio de dois pontas fora de série. De um lado, a potência de Julian Savea, com oito tries da temporada, e do outro o ágil Milne-Skudder, sempre conseguindo infiltrações para seu time.

 

No comparativo com o Highlanders, no entanto, a vantagem não está na linha, mas nos forwards. Donos do mais efetivo scrum da competição, os amarelos de Wellington terão superioridade sobre o competente mas pouco badalado pack dos Highlanders. Basta dizer que, enquanto os ‘Canes contam com três forwards no elenco dos All Blacks para o Rugby Championship, incluindo os sólidos primeiras linhas Dane Coles e Ben Franks, além do segunda linha Jeremy Thrush, os Highlanders não têm um nome sequer na seleção. Ainda assim, o scrum da equipe de Dunedin é competente, com o excelente Brendon Edmonds na primeira linha, e aposta na força de seu conjunto. O embate na terceira linha será particularmente interessante, com Nasi Manu, Lantjes e Dixon, de bons números em termos de turnovers, medindo forças com o tanque Ardie Savea, o enérgico Victor Vitor e Brad Shields. O ponto fraco do Hurricanes está nos laterais e, apesar da dupla de segunda linhas ser muito forte, com Broadhurst ao lado de Thrush, é justamente na precisão dos laterais que os ‘Canes pecam, tendo um dos piores desempenhos da liga. Se Ainley e Reddish seguirem sólidos na garantia da bola nos ares e ainda roubarem algumas dos anfitriões, uma importante fonte de posse de bola se abrirá para a esquadra de Otago.

 

E quando o assunto é posse de bola, o pior que pode fazer o Hurricanes é dar espaço ao scrum-half dos ‘Landers Aaron Smith. Considerado por muitos o grande nome do Super Rugby em 2015, e um dos melhores – senão o melhor – camisas 9 do planeta, Smith é onipresente, agressivo e conta com um invejável jogo de chutes que é, certamente, boa parte da fórmula do sucesso do segundo melhor time da temporada. Porém, o time da casa conta com o scrum-half artilheiro TJ Perenara, muito possivelmente o reserva de Smith nos All Blacks. Perenara é o segundo maior anotador de tries da temporada, com apenas um a menos que o tryman Waisake Naholo, justamente do Highlanders. Com 11 tries na conta, Perenara é o artilheiro e uma arma letal dos ‘Canes para o jogo. O problema será jogar diante de Aaron Smith. Uma prova de fogo e tanto para Perenara e certamente o duelo da partida.

 

Na posição de abertura, a partida reserva outro duelo monumental, que poderá definir inclusive quem será o dono da camisa 10 dos All Blacks. Pelo momento, a vantagem é do Highlanders, com uma temporada impecável de Lima Sopoaga, segundo maior artilheiro em número de pontos no Super Rugby 2015, podendo assumir a primeira posição no ranking caso faça mais 5 pontos na partida. Sopoaga mostra um entrosamento invejável com Aaron Smith e é decisivo com a bola nos pés, mostrando grande confiabilidade nos chutes a gol. Do lado dos anfitriões, Beauden Barrett tem um ótimo jogo aberto, mas vem preocupando o torcedor do Hurricanes na hora de decidir com os pés.

 

Se a vantagem no pack é dos Hurricanes e nos halves é dos Highlanders, quem leva o embate na linha? Apesar de ter dado grande destaque para os centros e pontas dos ‘Canes, os Highlanders não ficam muito atrás em hipótese alguma. Nos centros, Malakai Fekitoa é um atleta excepcional, com muita força e capacidade de manter a bola viva, dando muita dor de cabeça ao técnico dos All Blacks na escolha de seus titulares. Fekitoa tem tudo para brilhar e seguir os passos de Conrad Smith e Ma’a Nonu, mas não tem a mesma qualidade em sua dupla, Richard Buckman, que é bom jogador, mas não é excepcional como os demais dessa posição na partida. Nas pontas, enquanto os ‘Canes têm qualidades bem distintas em cada lado, os ‘Landers contam com dois tratores, com Osborne de um lado – para dar trabalho defensivo a Milner-Skudder – e o maior fazedor de tries da temporada Waisake Naholo, que merecidamente ganhou seu espaço nos All Blacks. Se fizer um jogo fora de série, Naholo pode, inclusive, ganhar um posto entre os titulares da Nova Zelândia, talvez fazendo dupla com Savea. Apenas na posição de fullback a vantagem é indiscutível para os visitantes, que contam com o craque Ben Smith, um atleta completo, decisivo no ataque e preciso na defesa. Difícil para James Marshall igualar.

 

Qual o resumo da ópera? Favoritismo dos Hurricanes, mas com disputa até o fim.

 

Super Rugby logo

Super Rugby – Liga da África do Sul, Austrália e Nova Zelândia

Finaldia 4 de julho

Hurricanes_logo(5)versus copiarHighlanders NZ rugby union team logo.svg

04h35 (hora de Brasília) – Hurricanes x Highlanders, em Wellington – ESPN AO VIVO

Hurricanes: 15 James Marshall, 14 Nehe Milner-Skudder, 13 Conrad Smith (c), 12 Ma’a Nonu, 11 Julian Savea, 10 Beauden Barrett, 9 TJ Perenara, 8 Victor Vito, 7 Ardie Savea, 6 Brad Shields, 5 James Broadhurst, 4 Jeremy Thrush, 3 Ben Franks, 2 Dane Coles, 1 Reggie Goodes.

Suplentes: 16 Motu Matu’u, 17 Chris Eves, 18 Jeffery Toomaga-Allen, 19 Callum Gibbins, 20 Blade Thomson, 21 Chris Smylie, 22 Rey Lee-Lo, 23 Matt Proctor.

Highlanders: 15 Ben Smith (c), 14 Waisake Naholo, 13 Malakai Fekitoa, 12 Richard Buckman, 11 Patrick Osborne, 10 Lima Sopoaga, 9 Aaron Smith, 8 Nasi Manu (c), 7 James Lentjes, 6 Elliot Dixon, 5 Alex Ainley, 4 Mark Reddish, 3 Josh Hohneck, 2 Liam Coltman, 1 Brendon Edmonds.

Suplentes: 16 Ash Dixon, 17 Daniel Lienert-Brown, 18 Ross Geldenhuys, 19 Joe Wheeler, 20 Shane Christie, 21 Gareth Evans, 22 Fumiaki Tanaka, 23 Marty Banks.

 

Programação da TV:

Quinta-feira, dia 2 de julho

17h30 – Documentário – Wallabies Blitzed at Loftus – ESPN – Inédito

21h00 – Documentário – Springboks Courageous Fightback – ESPN – Inédito

 

Sexta-feira, dia 3 de julho

00h30 – Documentário – All Blacks Wet Weather Master Class – ESPN – Inédito

01h00 – Super Rugby – Semifinal: Hurricanes x Brumbies – ESPN+ – VT

02h00 – Super Rugby – Semifinal: Waratahs x Highlanders – ESPN – VT

 

Sábado, dia 4 de julho

04h35 – Super Rugby – Final: Hurricanes x Highlanders – ESPN – AO VIVO

06h39 – Programa – World Rugby TV – ESPN – Inédito

 

Domingo, dia 5 de julho

11h00 – Programa – World Rugby TV – ESPN+ – VT

12h30 – Programa – World Rugby TV – ESPN – VT

13h00 – Super Rugby – Final: Hurricanes x Highlanders – ESPN+ – VT

 

Segunda-feira, dia 6 de julho

01h00 – Super Rugby – Final: Hurricanes x Highlanders – ESPN – VT

 

Comentários