Inglaterra vence em Paris abocanha o tão sonhado Grand Slam

ARTIGO COM VÍDEO – O jejum acabou! Depois de 13 anos de espera, a Inglaterra voltou a festejar o Grand Slam do Six Nations! E de forma especial, vencendo a França em Paris (31 x 21), igualando aos franceses como a maior campeã da Era Six Nations (desde 2000) e ultrapassando Gales em número de títulos na história da competição (desde 1883). O topo do continente, reconquistado logo na primeira temporada sob o comando do australiano Eddie Jones, o primeiro estrangeiro a dirigir a Rosa, cinco meses depois de um dos pontos mais baixos da história do rugby do país: a eliminação na primeira fase da Copa do Mundo, jogada em casa.

 

A partida começou com Farrell e Machenaud trocando penais nos 5 primeiros minutos. A França começou a partida querendo jogo, indo para cima e tentando acelerar o jogo, procurando Vakatawa e Spedding, seus homens naturalizados de perigo. Mas, que encontrou o primeiro try foi a Rosa, e veio rápido. Aos 12′, após lateral, a Inglaterra abriu a bola rápido até Watson, criou desorganização na linha de defesa francesa em apenas uma fase e Danny Care aproveitou que apenas o pilar Poirot fechava a base do ruck para disparar rumo ao primeiro try inglês.

 

A resposta veio aos 16′, com penal batido por Machenaud, em infração de Vunipola, atacando muito forte e acabando por mergulhar no ruck. Logo na sequência, os Bleus assustaram, com Spedding arrancando pela ponta, mas errando na opção de chutar a bola adiante, ao invés de apostar no apoio. Aos 19′, a Inglaterra mostrar sua capacidade muito superior à da França para trabalhar e definir jogadas, conquistada sob o meticuloso trabalho de Jones. A Rosa trabalhou suas fases e Dan Cole atropelou Guirado para fazer um try de fraca oposição francesa, mas com a polêmica de uma possível obstrução, invalidada por Nigel Owens. Toda a jogada nasceu de um chute cruzado de Ford para Watson, provando repertório do time branco.

 

Sem conseguir definir e criar, mas pelo menos mantendo-se bem no breakdown, a França foi capaz de arrancar mais dois penais para Machenaud concluir aos postes, enquanto Farrell desperdiçou chance de penal a um minuto do intervalo. O saldo, mesmo sem tries do lado azul, foi de um placar parelho em 17 x 12 para os ingleses, com os Bleus tirando proveito da indisciplina dos visitantes.

 

Veio a segunda etapa, nova investida poderosa de Vakatawa e mais um penal para Machenaud, impecável, reduzir para somente 2 pontos a desvantagem dos Galos. No minuto seguinte, contudo, a França devolveu um penal à Inglaterra e Farrell aproveitou para manter a frente em 1 try para os ingleses. Toma lá, dá cá, e o jogo se tornou uma sucessão de turnovers, com a França roubando mais uma vez um penal, aos 51′, para Machenaud manter sua rotina sólida com a chuteira. E, enquanto a França dependia de penais, a Inglaterra tinha argumentos para criar. Aos 55′, Ben Youngs, já no lugar de Care, achou o espaço na base de ruck mal coberto pelos franceses, arrancou e serviu com os pés Anthony Watson, que concluiu o terceiro try da Inglaterra.

 

O try de Watson só não arrasou as esperanças francesas porque, outra vez, os ingleses entregaram penal a Machenaud, que adicionou mais 3 pontos (100% de aproveitamento para o scrum-half, que fez bela partida, mas sem ter companhia à altura com a 10). 25 x 21. A sobrevida francesa durou até Farrell chutar penal aos 72′ e Chiocci, aos 76′, receber amarelo e deixar o XV de França com XIV. A sentença estava dada irrevogavelmente. Na sequência Farrell não desperdiçou a última chance de penal para a Rosa e decretou o 31 x 21. Grand Slam no Stade de France, mas vestindo branco. Inglaterra nas nuvens!

 

Após a primeira experiência no comando da equipe, Eddie Jones agora preparará a Inglaterra para a viagem à Austrália em junho, enquanto Guy Novès terá muito trabalho para formar uma França mais competitiva para viajar no mesmo mês à Argentina.

 

França vermelho21versus(14)31rfu

França 21 x 31 Inglaterra, em Paris

Árbitro: Nigel Owens (Gales)

 

França

Penais: Machenaud (7)

15 Scott Spedding, 14 Wesley Fofana, 13 Gaël Fickou, 12 Maxime Mermoz, 11 Virimi Vakatawa, 10 François Trinh-Duc, 9 Maxime Machenaud, 8 Loann Goujon, 7 Bernard le Roux, 6 Damien Chouly, 5 Yoann Maestri, 4 Alexandre Flanquart, 3 Rabah Slimani, 2 Guilhem Guirado (c), 1 Jefferson Poirot.

Suplentes: 16 Camille Chat, 17 Uini Atonio, 18 Xavier Chiocci, 19 Paul Jedrasiak, 20 Wenceslas Lauret, 21 Sébastien Bézy, 22 Jules Plisson, 23 Maxime Médard.

 

Inglaterra

Tries: Care, Cole e Watson

Conversões: Farrell (2)

Penais: Farrell (4)

15 Mike Brown, 14 Anthony Watson, 13 Jonathan Joseph, 12 Owen Farrell, 11 Jack Nowell, 10 George Ford, 9 Danny Care, 8 Billy Vunipola, 7 James Haskell, 6 Chris Robshaw, 5 George Kruis, 4 Maro Itoje, 3 Dan Cole, 2 Dylan Hartley, 1 Mako Vunipola.

Suplentes: 16 Luke Cowan-Dickie, 17 Joe Marler, 18 Kieran Brookes, 19 Joe Launchbury,20  Jack Clifford, 21 Ben Youngs, 22 Manu Tuilagi, 23 Elliot Daly.

Seleção Jogos Pontos
Inglaterra 5 10
Gales 5 7
Irlanda 5 5
Escócia 5 4
França 5 4
Itália 5 0

Vitória = 2 pontos;
Empate = 1 ponto;
Derrota = 0 pontos

 

País Número de títulos inteiros* Número total de títulos (incluindo divididos*) Número de Grand Slams** Número de Tríplices Coroas*** Número de Colheres de Pau**** Número de participações Número de títulos desde 2000 (Era Six Nations)
Inglaterra 27 37 13 25 25 120 5
Gales 26 38 11 20 21 122 4
França 17 25 9 18 87 5
Escócia 14 22 3 10 33 122 0
Irlanda 13 22 2 10 36 122 3
Itália 0 0 0 11 17 0

1883 – 1909 – Home Nations Championship (Inglaterra, Gales, Escócia e Irlanda);

– Inglaterra não participou em 1888 e 1889; 1885, 1897 e 1898 não foram terminados;

1910 – 1914 – Interrupção pela Primeira Guerra Mundial;

1920 – 1931 – Five Nations Championship (Inglaterra, Gales, Escócia, Irlanda e França);

1932 – 1939 – Home Nations Championship (Inglaterra, Gales, Escócia e Irlanda);

1940 – 1946 – Interrupção pela Segunda Guerra Mundial;

1947 – 1999 – Five Nations Championship (Inglaterra, Gales, Escócia, Irlanda e França);

– 1972 não foi terminado

2000 – hoje – Six Nations Championship (Inglaterra, Gales, Escócia, Irlanda, França e Itália);

* Até 1988, quando duas ou mais equipes terminavam empatadas em primeiro lugar em número de pontos o título era dividido entre essas duas ou mais seleções. A partir de 1989 critérios de desempate foram adotados para definir apenas um campeão por ano.

** Grand Slam = Quando uma equipe vence todas as partidas do torneio

***Tríplice Coroa (Triple Crown) = Quando Inglaterra, Escócia, Gales ou Irlanda derrotam todos as demais nações dos Ilhas Britânicas. França e Itália não disputam a Tríplice Coroa;

****Colher de Pau = Quando uma seleção perde todas as partidas na competição.

Comentários