No 100º Le Crunch, vitória da Inglaterra apertada sobre a França

ARTIGO COM VÍDEOS – Neste sábado, a Europa viveu dois grandes clássicos. Enquanto a Irlanda bateu a Escócia, a Inglaterra superou a França, na 100ª partida da história entre as duas seleções, ambos valendo pelos amistosos de aquecimento para a Copa do Mundo. 28 x 22 e 19 x 14, respectivamente.

 

Inglaterra começa bem, mas permite reação francesa

O 100º Le Crunch da história aconteceu em Twickenham e deu o pontapé na preparação de Inglaterra e França para a Copa do Mundo. A partida teve início com amplo domínio inglês, com a Rosa dando a entender que venceria com autoridades os Bleus. Contudo, a França mostrou a força de seu pack na segunda etapa e quase complicou a vida da Inglaterra.

 

Para quem aprendeu que o rugby inglês é fechado nos forwards e o francês aberto na linha, está na hora de rever seus conceitos. Quem hoje capitaliza no jogo aberto é justamente a Inglaterra, enquanto para a França a virtude está no pack e na capacidade de garantir turnovers e penais nos rucks.

 

Os primeiros pontos saíram para a França, aos 6′, com Morgan Parra chutando o primeiro penal. Mas, a Inglaterra começou ofensiva e o primeiro try não tardou. Aos 10′, os ingleses mostraram sua capacidade de jogarem rápido após formaçõese, após lateral, Farrell e Slade trabalharam com velocidade até May, que deixou para Anthony Watson finalizar um belo primeiro try.

 

O conjunto da linha inglesa era infernal e, logo depois, Wigglesworth saiu rápido, deixou com Slade que num passe de agilidade e brilhantia encontrou novamente Watson na ponta para o segundo try, 17′. Sam Burgess também mostrou sua qualidade, atropelando Dumoulin e se mostrando uma arma potente para ganhar território e furar a linha adversária. Mas, enquanto isso, Picamoles dava uma lição no scrum, levando a Inglaterra a dois penais que Parra converteu, mantendo a França, ainda que com pouco território, no páreo. 12 x 9. Aos 35′, Burgess recebeu amarelo e o que parecia ser um atropelo inglês esfriou na fisicalidade francesa e sua infernal terceira linha.

 

A volta dos vestiários parecia perfeita para os ingleses e, aos 45′, Farrell acertou um lindo chute cruzado para Jonny May apanhar na ponta e cravar o terceiro try dos anfitriões. A Inglaterra deslancharia? Não. Aos 53′, Calun Clark recebeu amarelo novamente, e o pack inglês foi se perdendo. A França cresceu, embalando mau atrás de maul (10 no total na partida), com 90% de sucesso em rucks e perfeita nos scrums, sem perder nenhuma formação e roubando duas dos oponentes. O resultado, com um homem a mais, foi o try de Ouedraogo, aos 60′, finalizando maul poderoso após lateral.

 

Apesar da força dos homens de frente, os Bleus sofreram com as quebras de linha dos ingleses e, aos 70′, por muito pouco a Inglaterra não chegou ao try final, com May fazendo um try após erro na recepção francesa, mas anulado por conta da bola ter saído. Com muitas trocas no fim, o jogo ficou por isso mesmo: Inglaterra 19 x 14 França. A Inglaterra tem muito com que se animar, sobretudo pela forma de sua linha, mas a França mostrou que, apesar dos muitos defeitos, seu jogo sem inspiração na base da força pode ter efeitos positivos.

 

As duas equipes voltam a se enfrentar em Paris no próximo sábado, dia 22.

 

inglaterra novo19versus(16)14França vermelho

Inglaterra 19 x 14 França, em Londres

Árbitro: John Lacey (Irlanda)

 

Inglaterra

Tries: Watson (2) e May

Conversões: Farrell (2)

15 Alex Goode, 14 Anthony Watson, 13 Henry Slade, 12 Sam Burgess, 11 Jonny May, 10 Owen Farrell, 9 Richard Wigglesworth, 8 Ben Morgan, 7 Calum Clark, 6 Tom Wood, 5 Geoff Parling, 4 George Kruis, 3 Kieran Brookes, 2 Rob Webber, 1 Mako Vunipola.

Suplentes: 16 Luke Cowan-Dickie, 17 Alex Corbisiero, 18 David Wilson, 19 Dave Attwood, 20 James Haskell, 21 Danny Care, 22 Danny Cipriani, 23 Billy Twelvetrees.

 

França

Try: Ouedraogo

Penais: Parra (3)

15 Scott Spedding, 14 Sofiane Guitoune, 13 Remi Lamerat, 12 Alexandre Dumoulin, 11 Brice Dulin, 10 Francois Trinh-Duc, 9 Morgan Parra, 8 Louis Picamoles, 7 Fulgence Ouedraogo, 6 Yannick Nyanga, 5. Yoann Maestri, 4 Alexandre Flanquart, 3 Nicolas Mas, 2 Dimitri Szarzewski, 1 Vincent Debaty.

Suplentes: 16 Guilhem Guirado, 17 Xavier Chiocci, 18 Uini Atonio, 19 Sebastien Vahaamahina, 20 Loann Goujon, 21 Rory Kockott, 22 Remi Tales, 23 Gael Fickou.

 

 

Irlanda vence aguerrida Escócia em jogo empolgante

Irlanda e Escócia se enfrentaram neste sábado em Dublin em partida muito aberto, com muitos erro dos dois lados, mas empolgando e mostrando também virtudes das duas equipes, sobretudo ofensivas.

 

Os irlandeses largaram na frente com try aos 14′, em try de Chris Henry, após pressão de Fitzgerald e Bowe, com quatro fases rápidas depois de lateral. O Trevo mostrou agilidade nas jogadas, mesmo sem Sexton. A Irlanda se mostrava superior no scrum, e apesar de não ter um lateral efetivo, roubou logo no começo um alinhamento escocês, expondo a deficiência azul no jogo parado. Porém, o primeiro try escocês foi encontrado justamente após um scrum, com Dave Denton na sequência causando estrago na defesa irlandesa e Cowan caindo no in-goal para o try dos visitantes, que cresceram no fim da primeira etapa, equilibraram as ações e mostraram força no jogo de base, que não havia começado bom, com os verdes arrancando nada menos que sete turnovers, contra três dos escoceses. Domínio territorial azul no fim e 7 x 5 para os donos da casa no intervalo.

 

O segundo tempo começou muito forte do lado da Escócia e o segundo try dos visitantes saiu logo aos 43′. O capitão Pyrgos conduziu a equipe em uma excelente e rápida sequência de fases e, invertendo o jogo para o lado cego acha o espaço para ele mesmo anotar o try. A resposta, entretanto, não tardou e, aos 53′, a Irlanda mostrou paciência, acumulou território e, após maul, Cronin achou o espaço aberto na base escocesa para fazer o segundo try irlandês, virando com a conversão o placar, 14 x 12.

 

A Escócia não lidou bem com a virada e a Irlanda puniu a indisciplina escocesa com mais um try, nascido a partir de penal. Madigan e Boss fazendo brilhante trabalho de condução, com bolas rápidas, até Madigan, com passe para dentro, encontrar Zebo, que arrancou para o terceiro try verde. Mas, a Escócia de Vern Cotter evoluiu muito psicologicamente e não tardou a dar o troco. Horne reduziu aos 59′ com penal e, aos 63′, após lateral batido rápido – mostrando uma falha grave irlandesa – Lamont correu e entregou no offload para Horne furar a defesa do Trevo e fazer o terceiro try azul. Jogo parelho e virada da Escócia, 22 x 21.

 

Contudo, o time mais forte no papel emergiu vitorioso e, aos 68′, jogando em vantagem, Madigan acertou um majestoso chute cruzado para Fitzgerald ganhar de Lamont e fazer o try da vitória irlandesa na ponta. 28 x 22. A Escócia batalhou no fim, mas a defesa irlandesa funcionou e, em jogo de doze turnovers para cada lado, muitos tackles perdidos da Irlanda, uma avalanche de offloads e arrancadas da hoje moderna Escócia, a vitória coube aos anfitriões e campeões do Six Nations, que souberam capitalizar em sua leve superioridade física e territorial.

 

A Irlanda volta a campo no dia 29 de agosto em casa contra Gales, enquanto a Escócia joga no dia 22 contra a Itália em Turim.

 

irlanda copy28versus(16)22escocia

Irlanda 28 x 22 Escócia, em Dublin

Árbitro: Pascal Gaüzère (França)

 

Irlanda

Tries: Henry, Cronin, Zebo e Fitzgerald

Conversões: Madigan (4)

15 Simon Zebo, 14 Tommy Bowe, 13 Jared Payne, 12 Gordon D’Arcy, 11 Luke Fitzgerald, 10 Ian Madigan, 9 Isaac Boss, 8 Sean O’Brien (c), 7 Chris Henry, 6 Jack Conan, 5 Dan Tuohy, 4 Devin Toner, 3 Mike Ross, 2 Sean Cronin, 1 Dave Kilcoyne

 

Suplentes: 16 Richardt Strauss, 17 Michael Bent, 18 Nathan White, 19 Paul O’Connell, 20 Jordi Murphy, 21 Eoin Reddan, 22 Paddy Jackson, 23 Dave Kearney

 

Escócia

Tries: Cowan, Pyrgos e Horne

Conversões: Horne (1) e Jackson (1)

Penais: Horne (1)

15 Ruaridh Jackson, 14 Sean Lamont, 13 Richie Vernon, 12 Peter Horne, 11 Tim Visser, 10 Greig Tonks, 9 Henry Prygos (c), 8 David Denton, 7 Hugh Blake, 6 Blair Cowan, 5 Grant Gilchrist, 4 Jim Hamilton, 3 Jon Welsh, 2 Fraser Brown, 1 Ryan Grant.

Suplentes: 16 Ross Ford, 17 Gordon Reid, 18 Mike Cusack, 19 Rob Harley, 20 John Barclay, 21 Sam Hidalgo-Clyne, 22 Duncan Weir, 23 Matt Scott

 

Comentários