ARTIGO COM VÍDEO – De longe, a partida mais esperada do Mundial Feminino 2017! Em campo, todas as expectativas depositadas em duas potências que, literalmente, atropelaram neste ano. De um lado, uma Inglaterra com recente histórico imponente e o peso de conquistar o ouro no seu continente. Do outro, uma tetra buscando o penta. 

Na primeira metade do primeiro tempo, as inglesas dominaram a posse de bola, mas no desperdício da chance, o try neozelandês apareceu, já aos 8′, a bola chegou na ponta e ninguém parou Winiata – não convertido e incapaz de abalar a fúria da Inglaterra que, nos 15′, ela, Scarratt acertou o penal e o placar se reduziu, 03 x 05.

O cartão amarelo à Sarah Goss impressionou quem assistia, uma penalidade justa ao tackle “pilão” dado, abrindo oportunidade para as Rosas avançarem rumo ao in-goal. O scrum desfalcado sem Goss teve dificuldades em parar o push das adversárias. Depois de uma frustrante bola presa no try, foi ganhando o scrum que as Rosas puderam marcar seu primeiro da partida, e com dois pontos a mais no placar, já que se tratou de um penalty try. 

A linha inglesa fez bem seu trabalho, Lydia Thompson colocou a equipe à frente no placar e Scarratt converteu, 17 x 05. Aos 39′, próximo ao fim da partida, a Nova Zelândia encontrava-se no cansaço de uma jornada na defesa e finalizou a primeira etapa com um belo try de pilar, Toka Natua!

- Continua depois da publicidade -

Para o intervalo, as Black Ferns saíram com a missão de aprimorar o que haviam demonstrado. Para as Rosas, a difícil responsabilidade de parar uma Nova Zelândia que viria com total determinação.

Se no primeiro tempo a bola foi da Inglaterra, no retorno, a vez foi da Nova Zelândia. Dois tries seguidos, Toka Natua e Charmaine Smith, aumentaram a vantagem das Black Ferns. Para a Rosas, Lydia Thompson ainda tentou aproximar o placar, em vão. A defesa não parou a sequência de tries das neozelandesas, Toka Natua, Kendra Cocksedge e Winiata fecharam e deram alívio ao placar. Ao final, já nos 77′, Lesley Ketu recebeu cartão amarelo (uau! o segundo da partida), a oportunidade para a Noel-Smith tentar reverter a situação da derrota. 

Campeãs! Num placar digno de uma final, 32 x 41, as Black Ferns podem comemorar com orgulho a chegada no pentacampeonato. 

black ferns 41versus copiar32

Nova Zelândia 41 x 32 Inglaterra, no Kingspan Stadium, Belfast

Nova Zelândia:

Tries: Winiata (2), Kendra Cocksedge, Toka Natua (3), Charmaine Smith

Conversões: Kendra Cocksedge (3)

15 Selica Winiata, 14 Portia Woodman, 13 Stacey Waaka, 12 Kelly Brazier, 11 Renee Wickliffe, 10 Victoria Subritzky-Nafatali, 9 Kendra Cocksedge, 8 Aroha Savage, 7 Sarah Goss, 6 Charmaine McMenamin, 5 Charmaine Smith, 4 Eloise Blackwell, 3 Aldora Itunu, 2 Fiao’o Faamausili (c), 1 Toka Natua

Suplentes: 16 Te Kyra Ngata-Aerengamate, 17 Sosoli Talawadua, 18 Aleisha Nelson, 19 Rebecca Wood, 20 Lesley Ketu, 21 Kristina Sue, 22 Theresa Fitzpatrick, 23 Carla Hohepa

Inglaterra:

Tries: Noel-Smith, Lydia Thompson (2), Penalty try

Conversão: Scarratt (2)

Penal: Scarratt (2)

15 Emily Scarratt, 14 Lydia Thompson, 13 Megan Jones, 12 Rachael Burford, 11 Kay Wilson, 10 Katy Mclean, 9 Natasha Hunt, 1 Vickii Cornborough, 2 Amy Cokayne, 3 Sarah Bern, 4 Abbie Scott, 5 Tamara Taylor, 6 Alex Matthews, 7 Marlie Packer, 8 Sarah Hunter (c);

Suplentes: 16 Vicky Fleetwood, 17 Rochelle Clark, 18 Justine Lucas, 19 Harriet Millar-Mills, 20 Izzy Noel-Smith, 21 La Toya Mason, 22 Amber Reed, 23 Amy Wilson-Hardy;

AnoSedeCampeãoVice campeão3º colocado4º colocado
1991GalesEstados UnidosInglaterraFrançaNova Zelândia
1994EscóciaInglaterraEstados UnidosFrançaGales
1998HolandaNova ZelândiaEstados UnidosInglaterraCanadá
2002EspanhaNova ZelândiaInglaterraFrançaCanadá
2006CanadáNova ZelândiaInglaterraFrançaCanadá
2010InglaterraNova ZelândiaInglaterraAustráliaFrança
2014FrançaInglaterraCanadáFrançaIrlanda
2017IrlandaNova ZelândiaInglaterraFrançaEstados Unidos
RankingTítulosVices3ºs lugares4ºs lugares
Nova Zelândia5010
Inglaterra2510
Estados Unidos1201
Canadá0103
França0061
Austrália0010
Irlanda0001
Gales0001