Final do último Didi10, entre Locomotivi Tbilisi (azul e branco) e Aia Kutaisi (verde)

A sexta-feira será de jogo inédito para os Tupis, que encararão em solo georgiano a Geórgia XV, a seleção de desenvolvimento da Geórgia, formada apenas por atletas que atuam no Didi10, o campeonato profissional do país.

Mas você conhece o Didi10?

Didi 10 significa em georgiano “Grande 10”. A competição e se sua temporada 2018-19 se desenrolará de 31 de agosto ao fim de maio, com todos os times se enfrentando em um total de 18 rodadas, seguidas de quartas de final, semifinais e final. Isso significa que o jogo entre Brasil e Geórgia XV ocorrerá no período de pré temporada dos georgianos, assim como ocorreu com o Racing.

 

- Continua depois da publicidade -

Quanto ganha um atleta do Didi 10?

Na Geórgia, todos os clubes do Didi 10 pagam salários a todos os seus atletas do primeiro time, sendo uma das 3 ligas profissionais do país – junto das ligas de futebol e basquete, em um país de 3,5 milhões de habitantes.

Porém, a média salarial não é alta, girando ao redor de 2 mil reais/mês, com alguns atletas chegando aos 6 mil reais/mês, pela atual conversão do lari georgiano. Como esperado, a base da seleção principal da Geórgia atua na França e Inglaterra.

 

Cidades do interior pagam melhor

Metade da população da Geórgia está na capital Tbilisi, onde o Brasil jogará, e a cidade conta com 4 dos 10 clubes da primeira divisão. Porém, os clubes das demais cidades costumam receber apoio local maior, como é o caso do Batumi, clube de importante balneário da Geórgia que é hoje o mais rico do país e que jogou na temporada passada do Continental Shield (3ª copa europeia, como campeão georgiano de 2016-17). Dois clubes inclusive, que eram de Tbilisi (Jiki e Armazi), mudaram de cidade para conseguirem apoio.

Entre os semifinalistas do Didi 10 de 2017-18, apenas um clube era de Tbilisi, o Locomotive, que recebe dinheiro da companhia que opera as ferrovias locais e acabou sendo o grande campeão de 2017-18 (e maior campeão da história do país, com 10 títulos), vencendo o Aia Kutaisi (da segunda maior cidade, Kutaisi, campeão soviético no passado).

Em 2017-18, o campeonato terminou assim:

ClubeCidadeJogosPontos
Locomotive TbilisiTbilisi1870
Aia KutaisiKutaisi1870
Jiki GoriGori1858
BatumiBatumi1858
Lelo SaracensTbilisi1847
Kharebi RustaviRustavi1844
Akademia TbilisiTbilisi1833
Armazi Marneuli1832
Armia TbilisiTbilisi1815
Bagrati KutaisiKutaisi185

Quartas de Final: Jiki 36 x 29 Rustavi, Batumi 30 x 08 Lelo Saracens

Repescagem pra Semifinal: Jiki 25 x 19 Batumi

Repescagem pra Final: Aia 20 x 15 Locomotive

Semifinal: Locomotive 22 x 13 Jiki

Final: Locomotive 29 x 10 Aia

 

Geórgia XV

A Geórgia XV, que venceu a Argentina XV no último sábado, tem o seguinte elenco:

Avançados: Tariel Donadze (Batumi), Giorgi Kakauridze (Jiki Gori), Mikheil Oragvelidze (Jiki Gori), Mikheil Psuturi (Jiki Gori), Zhorzh Saldadze (Aia Kutaisi), Giorgi Chkoidze (Lelo Saracens), Goga Khuroshvili (Armazi), Levan Papidze (Lelo Saracens), Mikheil Babunashvili (Aia Kutaisi), Beka Saghinadze (Lelo Saracens), Gela Shalamberidze (Aia Kutaisi), Arsen Trapaidze (Jiki Gori), Tornike Akubardia (Kharebi Rustavi), Khvicha Bujiashvili (Batumi), Parna Gasviani (Locomotive Tbilisi), Sandro Mamamtavrishvili (Lelo Saracens), Guram Shengelia (Jiki Gori), Ilia Spanderashvili (Armazi), Nikoloz Sukhashvili (Jiki Gori)

Linha: Mikheil Alania (Jiki Gori), Davit Kldiashvili (Jiki Gori), Giorgi Margalitadze (Lelo Saracens), Tedo Abhzandadze (Aia Kutaisi), Davit Gobejishvili (Aia Kutaisi), Temur Iremadze (Aia Kutaisi), Revaz Jinjikhadze (Lelo Saracens), Guram Kandaurashvili (Kharebi Rustavi), Sandro Svanidze (Armazi), Giorgi Tchuadze (Academia Tbilisi), Akaki Tabutsadze (Lelo Saracens), Demur Tapladze (Lelo Saracens), Giorgi Shkinin (Locomotive Tbilisi), Beka Mamukashvili (Lelo Saracens), Irakli Svanidze (Jiki Gori);