ARTIGO COM VÍDEO – A estreia não foi boa. O campeoníssimo Guy Novès comandou pela primeira vez a seleção francesa e o quadro foi preocupante. Os Bleus não convenceram e passaram perto de uma derrota em Paris para a Itália que, depois deu um ano terrível, mostrou evolução com uma seleção renovada e teve tudo para vencer. 23 x 21 para o XV de France, mas muito a evoluir para os franceses.

 

Ciente da necessidade de abrir logo o placar e jogar a pressão para cima dos anfitriões, a Itália teve ousadia no começo. Aos 7′, Carlo Canna arrematou um drop goal perfeito e mostrou que a Itália está encontrando nele um abertura mais competente. Aos 13′, o debutante Bézy teve a chance de igualar, mas perdeu penal para os Galos. Porém, os italianos reduziram a pressão defensiva e levaram o troco imediato, com a França trabalhando a bola de mão em mão até a ponta para o estreante Vakatawa pisar para dentro e anotar o primeiro try francês. Sem dúvida, Vakatawa foi o grande acerto de Novès para o jogo, levando perigo à defesa italiano, mesmo sem jogar XV desde 2013. Bézy, no entanto, jogou para fora a conversão, 5 x 3.

 

Pouco depois do try, a França perdeu Louis Picamoles, lesionado, e sua forma declinou. A Itália sentiu seu momento, Odieto quase cravou o que seria um belo try após chute para o in-goal de Canna, mas o penal já havia sido marcado. Os Azzurri optaram pelo lateral e emplacaram um devastador maul finalizado por Parisse. 8 x 5 para os visitantes.

 

A resposta francesa veio logo, com a Itália dando pouco combate no breakdown. Parisse cometeu penal e a defesa italiana se desconcentrou, permitindo que a França cobrasse um rápido free kick e Chouly finalizasse o segundo try dos Bleus. 10 x 8, com Bézy perdendo outra conversão. Antes do intervalo, a Itália ainda buscou o ataque com velocidade, mostrando qualidade na linha, mas o primeiro tempo se encerrou assim, e com preocupação para o XV de France. Canna ainda perdeu um último penal, 10 x 8.

 

O segundo tempo começou perfeito para os Azzurri, com Canna arrematando um penal aos 44′ e deixando na frente os visitantes, 11 x 10. A França sentiu o golpe e o volume foi todo italiano e dois minutos mais tarde Canna cravou o try dos visitantes, em jogada iniciada atrás após interceptação de Sarto – em atuação ruim de Plisson. Gori e Parisse aritcularam em velocidade o contra-golpe e o abertura finalizou, abrindo 18 x 10 para os Azzurri.

 

A virada francesa ainda seria construída, com a equipe “acordando”. O “efeito Vakatawa” foi sentido com o ponta fijiano causando novo estrago na defesa azul. A bola foi aberta rapidamente e Danty carregou até servir Bonneval na ponta, para reduzir aos 60′. Itália 18 x 17 França, e tudo novamente em aberto. A virada veio, com a Itália perdendo o volume de jogo e a França crescendo. Aos 69′, Plisson chutou penal e devolveu a frente aos Bleus, mas por pouco tempo, porque Haimona não desperdiçou penal aos 74′ para os italianos, jogando a pressão brutal sobre os donos da casa. A torcida, no entanto, cresceu a apoiou. Parisse reclamou de tackle alto de Camara, mas JP Doyle deu penal para a França no meio campo e Plisson, que não esteve bom, salvou sua atuação arrematando penal perfeito para dar a vitória aos franceses.

 

No fim, a Itália teve tudo para virar, fazendo um grande trabalho de fases no campo ofensivo. Mas, sem Canna, Haimona se omitiu de arriscar um drop goal e, com o penal não aparecendo, Parisse perdeu a paciência com o tempo esgotado chutando sem sucesso um drop goal final. França respira, mas a vitória foi no detalhe. O Troféu Giuseppe Garibaldi segue nas mãos francesas, pela oitava vez.

 

Na próxima rodada, no 13, a França recebe a Irlanda e a Itália recebe a Inglaterra.

 

França vermelho23versus(14)21italia copy copy

França 23 x 21 Itália, em Paris

Árbitro: JP Doyle (Inglaterra)

 

França

Tries: Vakatawa, Chouly e Bonneval

Conversões: Plisson (1)

Penais: Plisson (2)

15 Maxime Médard, 14 Hugo Bonneval, 13 Gaël Fickou, 12 Jonathan Danty, 11 Virimi Vakatawa, 10 Jules Plisson, 9 Sébastien Bezy, 8 Louis Picamoles, 7 Damien Chouly, 6 Wenceslas Lauret, 5 Yoann Maestri, 4 Paul Jedrasiak, 3 Rabah Slimani, 2 Guilhem Guirado (c), 1 Eddy Ben Arous.

Suplentes: 16 Camille Chat, 17 Uini Atonio, 18 Jefferson Poirot, 19 Alexandre Flanquart, 20 Yacouba Camara, 21 Maxime Machenaud, 22 Jean-Marc Doussain, 23 Maxime Mermoz.

 

Itália

Tries: Canna e Parisse

Conversões: Canna (1)

Penais: Canna (1) e Haimona (1)

Drop goals: Canna (1)

15 David Odiete, 14 Leonardo Sarto, 13 Michele Campagnaro, 12 Gonzalo Garcia, 11 Mattia Bellini, 10 Carlo Canna, 9 Edoardo Gori, 8 Sergio Parisse (c), 7 Alessandro Zanni, 6 Francesco Minto, 5 Marco Fuser, 4 George Fabio Biagi, 3 Lorenzo Cittadini, 2 Ornel Gega, 1 Andrea Lovotti.

Suplentes: 16 Davide Giazzon, 17 Matteo Zanusso, 18 Martin Castrogiovanni, 19 Valerio Bernabo, 20 Andries van Schalkwyk, 21 Guglielmo Palazzani, 22 Kelly Haimona, 23 Luke McLean.

 

SeleçãoJogosPontos
Inglaterra510
Gales57
Irlanda55
Escócia54
França54
Itália50

Vitória = 2 pontos;
Empate = 1 ponto;
Derrota = 0 pontos

Comentários