ARTIGO COM VÍDEO – Langford, na ilha de Vancouver, foi o palco da quarta etapa da Série Mundial de Sevens Feminino, com o Canadá recebendo pela primeira vez uma etapa do circuito. Como esperado, a Nova Zelândia reafirmou sua supremacia e conquistou seu quarto título em quatro torneios na temporada 2014-15, assegurando, na prática, o título do circuito e a vaga nos Jogos Olímpicos. Destaque para o público de 6,500 pessoas – casa cheia – no segundo dia, mostrando que, apesar da escolha da Rugby Canada por um estádio pequeno, o clima criado foi um ponto alto. O ponto baixo, por outro lado, foi a má qualidade da transmissão online.

 

O torneio foi decepcionante para a seleção brasileira que, apesar de sair do torneios com duas vitórias, feito sempre importante de ser ressaltado, ficou pela primeira vez no ano de fora das quartas de final, deixando sua classificação escapar por conta do empate que Fiji arrancou diante da Inglaterra. As Tupis avançaram à final da Taça Bronze, mas foram derrotadas pela Espanha, terminando o torneio no 10º lugar, seu pior na temporada, que praticamente tirou do Brasil a chance de ultrapassar Fiji e terminar o circuito no sonhado oitavo lugar.

 

- Continua depois da publicidade -

Na primeira fase, a única surpresa ficou por conta do empate entre Fiji e Inglaterra, no Grupo A. As inglesas, no entanto, venceram a Espanha e fizeram uma boa apresentação contra a Nova Zelândia, acabando no segundo lugar do grupo. As Black Ferns, novamente, se impuseram e passaram sem problemas no primeiro lugar, enquanto Fiji garantiu sua classificação batendo a Espanha.

 

As donas da casa também terminaram em primeiro lugar, decidindo o Grupo C com vitória sofrida de 19 x 15 sobre as vizinhas dos Estados Unidos. As duas seleções ainda saíram vitoriosas contra a Rússia, que garantiu a classificação superando o Brasil no saldo de pontos depois de passar tranquilamente pela África do Sul.

 

No Grupo B, Austrália e França, novamente, se mostraram muito superiores a Brasil e China. As Tupis estrearam com derrota de 43 x 0 para as Wallaroos, enquanto no segundo jogo a derrota foi menor, 27 x 5 para as Bleues, com Amanda fazendo o try de honra do Brasil. Contra a China, as brasileiras voltaram a se impor, mostrando sua superioridade. As chinesas abriram o placar com try de Sun, mas Paulinha, Raquel, Mari e Cacau garantiram os tries da vitória por 24 x 7 que, contudo, foi insuficiente para dar a vaga às Tupis. Na decisão do grupo, a Austrália deixou a aparência de estar voltando aos bons momentos, batendo a França por 24 x 5, com dois tries de Elia Green.

 

O Brasil foi para a Taça Bronze como favorito, superou bem a África do Sul, por 17 x 5 (com dois tries de Júlia Sardá, destaque brasileiro no torneio, e um de Paulinha Ishibashi, sempre com classe), e foi para a decisão contra a Espanha, que havia passado pela China. O jogo já era esperado que seria difícil e o Brasil largou atrás, com Patrícia Garcia anotando o primeiro try espanhol. Cláudia Jaqueline “Cacau” mostrou que tem muito a dar pela seleção e empatou o jogo, fazendo seu segundo try no torneio. Mas, no segundo tempo, Maria Casado recolocou as Leoas em vantagem. Coube a Júlia Sardá, em lindo try, deixar o Brasil no páreo, mas o erro na conversão custou o empate. Os pontos da virada não vieram e o triunfo foi da Espanha, 14 x 12.

 

As quartas de final foram cheias de surpresas, mostrando que, na sua reta final, a Série Mundial Feminina vem apresentando notável equilíbrio entre as sete melhores seleções do mundo. Ou melhor, entre as seis abaixo da Nova Zelândia. As Black Ferns não tiveram problema para passarem por Fiji, 26 x 5, enquanto a zebra falou mais alto para a vice-líder Austrália, que caiu diante da Rússia – sonhando ainda com os Jogos Olímpicos. 17 x 12 para as Ursas, com tries vencedores no segundo tempo de Kudinova e Bogdacheva.  O anfitrião Canadá, por sua vez, sucumbiu perante sua torcida contra a Inglaterra, com Emilly Scarratt fazendo o try da vitória por 12 x 5. Já a França cresceu contra os Estados Unidos, em duelo direto pelo Rio 2016. 17 x 0.

 

Nas semifinais, as inglesas não foram páreo para a Nova Zelândia, 24 x 14, com tries de Goss e Blyde decisivos. A Rússia, por sua vez, carimbou sua vaga na inédita decisão derrotando a França por 14 x 12, após sair perdendo por 12 x 0. Enquanto isso, na Taça Prata, a Austrália se afundava um pouco mais, perdendo para os Estados Unidos por 29 x 10 e vendo seu segundo lugar na temporada escapar por conta do atropelo imposto pelo Canadá sobre Fiji, 45 x 0. As canadenses, no entanto, perderiam a chance de aumentar ainda mais a frente sobre as aussies ao perderem a Final Prata para as vizinhas, 19 x 12, com Doyle dando o golpe final nas Canucks, para a decepção da torcida. A Austrália reduziu o prejuízo, vencendo Fiji por 22 x 0.

 

Quem sorriu com os vacilos de Canadá e Austrália foi a Inglaterra, que se igualou aos EUA na quinta posição, 4 pontos atrás da França, justamente ao vencerem o terceiro lugar contra as francesas, apimentando ainda meiax a briga pelos Jogos Olímpicos. 19 x 7. E na grande final não houve emoção. A Nova Zelândia não deu qualquer chance à Rússia e se impôs por 29 x 10, com Portia Woodman garantindo dois tries na final e se mantendo como a artilheira da temporada, com 210 pontos, e a maior anotadora de tries, com 42.

 

A próxima etapa ocorre em Londres, nos dias 15 e 16 de maio, e será a última participação do Brasil na temporada. O último torneio será em Amsterdã, nos dias 22 e 23 de maio, com a Holanda ocupando o lugar das Tupis.

 

 

Canada_Sevens_Logo

Canada Sevens – 4ª etapa da Série Mundial de Sevens Feminina – em Langford, Canadá

Sábado, dia 18 de abril

Grupo A: Nova Zelândia, Inglaterra, Fiji e Espanha

Grupo B: Austrália, França, Brasil e China

Grupo C: Canadá, Estados Unidos, Rússia e África do Sul

 

França 29 x 0 China

Austrália 43 x 0 Brasil

Inglaterra 31 x 14 Espanha

Nova Zelândia 38 x 14 Fiji

Estados Unidos 40 x 5 África do Sul

Canadá 26 x 15 Rússia

França 27 x 5 Brasil

Austrália 40 x 0 China

Inglaterra 19 x 19 Fiji

Nova Zelândia 45 x 10 Espanha

Estados Unidos 17 x 10 Rússia

Canadá 47 x 0 África do Sul

Brasil 24 x 7 China

Austrália 24 x 5 França

Fiji 20 x 5 Espanha

Nova Zelândia 24 x 12 Inglaterra

Rússia 22 x 5 África do Sul

Canadá 19 x 15 Estados Unidos

SeleçãoPontuação geralEtapa 5 (França)Etapa 4 (Canadá)Etapa 3 (Estados Unidos)Etapa 2 (Brasil)Etapa 1 (Emirados Árabes)
Austrália941816202020
Nova Zelândia801618181612
Canadá742012141810
Inglaterra741420160816
França601214081214
Rússia420406100418
Estados Unidos461008121402
Fiji360804061008
Espanha260610020206
Brasil*120003000603
Japão120101030304
Irlanda110302040101
Quênia*020200000000
Colômbia*010000010000
* seleções convidadas
EtapaCampeão
Etapa 1 (Emirados Árabes)Austrália
Etapa 2 (Brasil)Austrália
Etapa 3 (Estados Unidos)Austrália
Etapa 4 (Canadá)Inglaterra
Etapa 5 (França)Canadá
- Pontuação: 1º lugar, 20 pontos / 2º, 18 pts / 3º, 16 pts / 4º, 14 pts / 5º, 12 pts / 6º, 10 pts / 7º, 8 pts / 8º, 6 pts / 9º, 4 pts / 10º, 3 pts / 11º, 2 pts / 12º, 1 pt.

 

Domingo, dia 19 de abril

Quartas de final

Austrália 12 x 17 Rússia

Estados Unidos 0 x 17 França

Canadá 5 x 12 Inglaterra

Nova Zelândia 26 x 5 Fiji

 

Semifinais Bronze

Brasil 17 x 5 África do Sul

Espanha 33 x 5 China

 

Semifinais Prata

Austrália 10 x 29 Estados Unidos

Canadá 45 x 0 Fiji

 

Semifinais Ouro

Rússia 14 x 12 França

Inglaterra 14 x 24 Nova Zelândia

 

Finais – Taça Bronze

3º lugar – África do Sul 21 x 31 China

Final – Brasil 12 x 14 Espanha

 

Finais – Taça Prata

3º lugar – Austrália 22 x 0 Fiji

Final – Estados Unidos 19 x 12 Canadá

 

Finais – Taça Ouro

3º lugar – França 7 x 19 Inglaterra

Final – Rússia 10 x 29 Nova Zelândia


 

SeleçãoPontos
Nova Zelândia108
Canadá96
Austrália94
Inglaterra76
Estados Unidos76
França72
Rússia60
Fiji32
Espanha26
Brasil20
China13
África do Sul9
Holanda2
- Pontuação: 1º lugar, 20 pontos / 2º, 18 pts / 3º, 16 pts / 4º, 14 pts / 5º, 12 pts / 6º, 10 pts / 7º, 8 pts / 8º, 6 pts / 9º, 4 pts / 10º, 3 pts / 11º, 2 pts / 12º, 1 pt.

- 4 primeiros colocados garantem vaga nos Jogos Olímpicos de 2016

2 COMENTÁRIOS