Para muitos fãs de rugby, o Rugby Championship está previsível demais, pois a hegemonia da Nova Zelândia é inabalável, com os gigantes sul-africanos e australianos estão hoje alguns degraus abaixo de seus rivais históricos. Já a Argentina, após alguns bons momentos nos últimos anos, vai fazendo sua pior campanha na história do campeonato. Por isso mesmo, a última rodada vem aí no sábado com sul-africanos e argentinos pressionados para darem algumas esperança a seu torcedor. Será que teremos mais emoção na liga do Hemisfério Sul?

 

Springboks pela honra

A Cidade do Cabo vai ferver nesse sábado com o maior clássico do mundo, que opõe África do Sul e Nova Zelândia. O jogo não vale mais título, porque ele já é dos All Blacks. Porém, vale pontos preciosos no Ranking Mundial aos Boks, que caíram na semana passada para o quarto lugar do Ranking. Os sul-africanos jogarão pela honra em Newlands, porque o histórico recente é embaraçoso para os homens de verde. Por décadas a África do Sul foi quem rivalizou em igualdade com a Nova Zelândia, mas os histórico recente é terrível, com os Boks tendo sofrido sua maior derrota na história justamente na última vez que os dois países duelaram, no mês passado, em Auckland. E no ano passado o último jogo em solo sul-africanos também resultou na maior derrota em casa da história dos Springboks, que viveram verdadeiro pesadelo em 2016. Aliás, os Boks não derrotam os All Blacks desde 2014, naquela que foi a única vitória da África do Sul sobre a Nova Zelândia nos últimos 10 duelos. Pesado para a seleção que tem o maior percentual de vitórias no mundo sobre os All Blacks.

- Continua depois da publicidade -

Para o jogo de sábado, Allister Coetzee, treinador que voltou a estar sob pressão após os empates com os Wallabies, efetuou 3 trocas nos Boks, com Lood De Jager entrando na segunda linha para jogar ao lado do capitão Eben Etzebeth e com duas novidades na terceira linha, Pieter-Steph du Toit, que esteve na segunda linha do jogo anterior, e François Louw. Fechando as trocas, o pilar Steven Kitshoff começará pela primeira vez uma partida pelos verde e ouros.

Já os All Blacks colocarão em campo um time mais forte que o que venceu os Pumas, sedentos por darem mais uma “lição” em seus eternos rivais. Sam Whitelock retornará à segunda linha onde fará dupla com Scott Barrett, ao passo que Liam Squire fará dupla de asas com Sam Cane, ao lado do oitavo capitão Kieran Read. Na linha, Ryan Crotty e Nehe Milner-Skudder estarão de volta no elenco de Steve Hansen.

Os kiwis têm mais que o dobro de tries marcados que os Boks até aqui. Será que os sul-africanos conseguirão deter esse verdadeiro furacão neozelandês no ataque?

 

versus copiar

12h05 – África do Sul x Nova Zelândia, na Cidade do Cabo – ESPN+ AO VIVO

Árbitro: Jérôme Garcès (França)

África do Sul: 15 Andries Coetzee, 14 Dillyn Leyds, 13 Jesse Kriel, 12 Jan Serfontein, 11 Courtnall Skosan, 10 Elton Jantjies, 9 Ross Cronje, 8 Francois Louw, 7 Pieter-Steph du Toit, 6 Siya Kolisi, 5 Lood de Jager, 4 Eben Etzebeth (c), 3 Ruan Dreyer, 2 Malcolm Marx, 1 Steven Kitshoff;

Suplentes: 16 Chiliboy Ralepelle, 17 Trevor Nyakane, 18 Wilco Louw, 19 Franco Mostert, 20 Jean-Luc du Preez, 21 Rudy Paige, 22 Handré Pollard, 23 Damian de Allende;

Nova Zelândia: 15 Damian McKenzie, 14 Nehe Milner-Skudder, 13 Ryan Crotty, 12 Sonny Bill Williams, 11 Rieko Ioane, 10 Beauden Barrett, 9 Aaron Smith, 8 Kieran Read (c), 7 Sam Cane, 6 Liam Squire, 5 Scott Barrett, 4 Sam Whitelock, 3 Nepo Laulala, 2 Dane Coles, 1 Kane Hames;

Suplentes: 16 Codie Taylor, 17 Wyatt Crockett, 18 Ofa Tu’ungafasi, 19 Patrick Tuipulotu, 20 Matt Todd, 21 Tawera Kerr-Barlow, 22 Lima Sopoaga, 23 David Havili;

Histórico: 94 jogos, 54 vitórias da Nova Zelândia, 35 vitórias da África do Sul e 3 empates. Último jogo: Nova Zelândia 57 x 00 África do Sul, em 2017 (The Rugby Championship);

 

Los Pumas e Wallabies pela confiança

Austrália e Argentina também não passam por bom momento, mas estão em situações distintas. Os Wallabies souberam reagir no Rugby Championship com dois empates com os Springboks e uma vitória sobre justamente os Pumas (45 x 20 na Austrália), dando esperanças a seu torcer de melhoras após um ano tão ruim para o rugby australiano. Os Pumas, por outro lado, não se reergueram ainda e se forem em casa derrotados terão feito sua pior campanha na história da competição, o que não era esperado da Argentina, da qual se imaginava neste momento apenas uma evolução contínua. Com apenas uma vitória (sobre a Geórgia) no ano, os Pumas estão sob imensa pressão e se apegam às memórias da vitória em casa sobre os Wallabies em 2014 para ganharem confiança para o duelo. Acima de tudo, as duas seleções vão atrás de confiança nesse encerramento de Rugby Championship, já com a cabeça no ano que vem, que será de reta final de preparação do elenco para o Mundial de 2019.

Michael Cheika apostou no mesmo XV titular que empatou na semana passada com os Springboks. Os Wallabies seguem conduzidos pelo capitão Michael Hooper e com a qualidade de homens como Kurtley Beale, Will Genia, Bernard Foley e Israel Folau.

Já os Pumas de Daniel Hourcade teve apenas uma troca na linha, com a entrada de Martin Landajo no posto do lesionado Tomás Cubelli, e outras 3 mudanças no pack, com a segunda linha inteira mudada, com as entradas de Matías Alemanno e Marcos Kremer, e Javier Ortega no posto de Leguizamón na terceira linha.

Os argentinos tiveram sérios problemas no desempenho dos tackles, tendo hoje média inferior a 80% de acertos, mas seu lateral foi superior ao australiano até aqui. No scrum, no entanto, os Pumas sofreram e têm atipicamente o pior scrum do Championship, com somente 78% de sucesso, enquanto a Austrália evoluiu e é o segundo melhor scrum com 92%.

 

versus copiar

19h30 – Argentina x Austrália, em Mendoza – ESPN AO VIVO

Árbitro: Mathieu Raynal (França)

Argentina: 1 Lucas Noguera, 2 Agustín Creevy, 3 Nahuel Tetaz Chaparro, 4 Marcos Kremer, 5 Matías Alemanno, 6 Pablo Matera, 7 Javier Ortega Desio, 8 Tomás Lezana, 9 Martín Landajo, 10 Nicolás Sánchez, 11 Emiliano Boffelli, 12 Jerónimo de la Fuente, 13 Matías Orlando, 14 Matías Moroni, 15 Joaquín Tuculet;

Suplentes: 16 Julián Montoya, 17 Santiago García Botta, 18 Enrique Pieretto, 19 Benjamín Macome, 20 Leonardo Senatore, 21 Gonzalo Bertranou, 22 Santiago González Iglesias, 23 Santiago Cordero;

Austrália: 15 Israel Folau, 14 Marika Koroibete, 13 Tevita Kuridrani, 12 Kurtley Beale, 11 Reece Hodge, 10 Bernard Foley, 9 Will Genia, 8 Sean McMahon, 7 Michael Hooper (c), 6 Jack Dempsey, 5 Adam Coleman, 4 Izack Rodda, 3 Sekope Kepu, 2 Tatafu Polota-Nau, 1 Scott Sio;

Suplentes: 16 Stephen Moore, 17 Tetera Faulkner, 18 Allan Alaalatoa, 19 Rob Simmons, 20 Lukhan Tui, 21 Nick Phipps, 22 Samu Kerevi, 23 Henry Speight;

Histórico: 28 jogos, 22 vitórias da Austrália, 1 empate e 5 vitórias da Argentina. Último jogo: Austrália 45 x 20 Argentina, em 2017 (The Rugby Championship);

 

PaísApelidoJogosPontos
Nova ZelândiaAll Blacks628
AustráliaWallabies615
África do SulSpringboks614
ArgentinaLos Pumas60