Foto: Gordon Arons/Gallo Images

The Rugby Championship retorna nesse sábado com dois jogaços que segue desafiando as grandes seleções do Hemisfério Sul na preparação para a Copa do Mundo. O primeiro duelo será o maior clássico do mundo do rugby: Nova Zelândia (All Blacks) contra África do Sul (Springboks), seguido por Austrália (Wallabies) versus Argentina (Pumas). Tudo ao vivo na ESPN.

Além desses dois jogos, outras seis seleções entrarão ainda em campo pela Copa das Nações do Pacífico (World Rugby Pacific Nations Cup), que terá na noite de sexta o clássico polinésio entre Samoa e Tonga, seguido por um jogaço entre Japão e Fiji e encerrando-se na noite de sábado com o clássico norte-americano entre Estados Unidos e Canadá.

 

All Blacks e Springboks: o maior de todos

- Continua depois da publicidade -

O 98º jogo da história entre All Blacks e Springboks poderá ser o primeiro de uma série histórica. Isso porque os dois times se enfrentarão ainda na fase de grupos da Copa do Mundo e, com isso, uma eventual final de Copa do Mundo entre os dois seria o 100º jogo na história entre as duas seleções. Para apimentar ainda mais o confronto, os dois times estrearam no Championship com vitórias e, enquanto os All Blacks são sempre os grandes favoritos na competição, o último confronto em solo neozelandês foi uma vitória dos Springboks por 36 x 34 – respondida em solo sul-africano na sequência por uma vitória neozelandesa por 32 x 30. Dois jogos épicos e que ressoam até hoje.

Para a partida em Wellington, a África do Sul dividiu seu elenco em dois e colocará em campo totalmente diferente do que derrotou em casa a Austrália. Apenas dois atletas titulares contra os Wallabies viajaram para já serem titulares contra os All Blacks: Piet-Steph Du Toit e Eben Etzebeth, com o jovem Herschel Jantjies, Jesse Kriel e Tendai Mtawarira começando no banco, assim como o veterano François Steyn.

O técnico sul-africano Rassie Erasmus colocará em teste o time que lhe parece o titular para o Mundial (ou quase isso), que tem na linha Willie Le Roux, Cheslin Kolbe, Lukhanyo Am, Damian de Allende, Makazole Mapimpi e a dupla criativa de Handré Pollard e Faf de Klerk. Junto de Du Toit na terceira linha está o veterano Duane Vermeulen, agora capitão, e Kwagga Smith, ao passo que Franco Mostert é o titular da segunda linha com Etzebeth. A primeira linha é encabeça, lógico, por Malcolm Marx, com Kitshoff e Malherbe de pilares.

A Nova Zelândia também colocará em campo uma formação que deverá ser vista como titular no Mundial e Steve Hansen fez um teste que era muito pedido: Mo’unga jogando com a camisa 10 titular e Beauden Barrett atuando com a 15. Isto é, Hansen testará uma forma de colocar em campo os dois criadoras excepcionais que ele tem no elenco. Com Barrett de fullback, Ben Smith será ponta, com Rieko Ioane do outro lado. Os centros serão o veterano recuperado de lesão Sonny Bill Williams jogando com o jovem talentoso Jack Goodhue, ao passo qu TJ Perenara ganhou de Aaron Smith a camisa 9. Na terceira linha, Kieran Read formará agora com Matt Todd e Shannon Frizell, com as asas sendo ainda o setor do campo que os All Blacks ainda buscam a melhor formação. Sam Whitelock e Brodie Retallick formam a segunda linha dos sonhos, enquanto Owen Franks, Codie Taylor e Joe Moody são a primeira linha.

Apesar da qualidade do XV titular, Hansen deixou claro que não enxergo o duelo como uma prévia do Mundial – ou seja, os All Blacks ainda poderão ter muitas mudanças na formação. Enquanto a batalha na segunda linha oferecerá faíscas e promete ser épica, a terceira linha hoje parece pender a favor dos Boks, ao passo que deverá haver equilíbrio na primeira linha – mas com o maul favorecendo os Boks. Na linha, Faf de Klerk e TJ Perenara prometerão um show à parte, mas a presença de Barrett e Mo’unga juntos jogam as disputadas da criação na linha a favor dos neozelandeses – e Le Roux terá muito trabalho com o possível bombardeio de chutos que receberá em sua disputa contra o melhor jogador do mundo de 2017. De Allende contra SBW é outro empate interessante, pelo veterano kiwi estar retornando, mas Goodhue oferece ao All Blacks mais do que Am aos Boks. E nas pontas a vantagem é dos donos da casa, que terão dois definidores dos sonhos.

Será o primeiro teste maiúsculo desses dois XVs no ano, portanto qualquer conclusão precisará de muitas ressalvas.


Wallabies contra Pumas: verdades em campo

A Austrália está realmente mal? A Argentina é hoje candidata a altos voos na Copa do Mundo? O duelo em Brisbane entre Wallabies e Pumas responderá a muitas questões sobre a real situação dos dois times no momento.

Os Wallabies tiveram mudanças importantes no time para o jogo, com Leali’ifano ganhando a camisa 10, com Foley ficando de fora do XV titular. Will Genia retomará a camisa 9, em uma dupla que é nova para o técnico Michael Cheika. Haylett-Petty também foi poupado após um jogo de altos e baixos, com Kurtley Beale assumindo a camisa 15, enquanto Koroibete retorna à ponta. Já nos avançados o primeira linha Scott Sio é a única novidade, dando mais experiência ao scrum australiano. James O’Connor é a grande novidade no banco, podendo jogar pelos Wallabies pela primeira vez desde 2013. O jogo ainda será o primeiro dos Wallabies em casa sem Israel Folau.

Já os Pumas terão novidade na primeira linha também, com Creevy, lesionado, dando lugar a Montoya, ao passo que na terceira linha Lezana e Facundo Isa são as novidades para jogarem junto de Pablo Matera, dando mais agressividade ao breakdown – essencial contra um ainda instável time australiano que não tem David Pocock. A segunda linha segue inalterada com Petti e Lavanini, sendo setor de superioridade esperada do lado argentino. Nico Sánchez segue com a camisa 10 titular, enquanto a linha terá a volta de Santiago Cordero, tão aguardada, deslocando Moroni para o centro no lugar de Orlando. Boffelli foi ainda poupado, com Joaquín Tuculet ganhando uma chance entre os titulares com a camisa 15.

Com isso, o técnico Mario Ledesma está apostando na introdução dos atletas que atuam no exterior e já oferecerá uma cara nova ao funcionamento do seu time para a partida. O equilíbrio deverá ser a tônica do embate, que hoje está envolto por mais questões do que respostas.

 

Expectativa no Pacífico

Além do Rugby Championship, a Pacific Nations Cup movimentará a preparação para a Copa do Mundo de maneira bastante interessante. As disputas começarão com o clássico polinésio entre Samoa e Tonga que tem Samoa jogando em casa e muito mais pressionada, uma vez que seu desempenho recente vem sendo muito abaixo do histórico. Tonga hoje conta com um time melhor montado e com atletas em melhor momento, mas  potencial samoano é inegável.

Na sequência, o grande jogo da rodada opõe Japão e Fiji, que duelam inaugurando o estádio de Kamaishi, pequena cidade destruída pelo tsunami de 2011 e que foi reconstruída com ajuda do rugby. Fiji segue com seus testes no elenco, após ter vencido um jogo e perdido outro contra os Maori All Blacks. O técnico John McKee segue buscando fortalecer seus avançados, mantendo Nakarawa e Mata como as referências, ao lado do capitão Waqaniburotu. O hooker Sam Matavesi, do Toulouse, é outro destaque. Já a linha voltou a sofrer testes, com Nayacalecu sendo a referência. Volavola jogará com a 10 ao lado do jovem scrum-half Frank Lomani, que estará sendo testado.

Mas o Japão, em seu primeiro desafio do ano, também fará testes, com Leitch começando no banco. Horie, Inagaki e Mafi seguem como referências de um pack muito competente, que ainda teve a adição do debutante Moore na segunda linha para jogar do lado do veterano Thompson, que é retorno aguardado. Outras novidades são Shigeno com a camisa 9 e Tupou com a 15. O Japão não bate Fiji desde 2011 e o desafio será primordial na montagem da equipe para o Mundial.

Por fim, Estados Unidos e Canadá fecham as disputas no Colorado, com o Canadá indo ao país vizinho com um incômodo jejum: os Canucks não vencem os Eagles desde 2013 – acumulando 8 derrotas e 1 empate nos últimos 9 duelos, algo impensável no passado recente, quando o Canadá tinha a hegemonia regional. Os EUA fizeram um Americas Rugby Championship abaixo do esperado e agora buscam fazer sua equipe render de acordo com seu potencial, ao passo que o Canadá é um time novo, finalmente contando com seus melhores atletas do exterior. Portanto, ainda será um grupo em construção nesse primeiro desafio.

 

The Rugby Championship

*Horários de Brasília

Sábado, dia 27 de julho

versus copiar

04h35 – Nova Zelândia x África do Sul, em Wellington – ESPN AO VIVO

Árbitro: Nic Berry (Austrália)

Histórico: 97 jogos, 58 vitórias da Nova Zelândia, 36 vitórias da África do Sul e 3 empates. Último jogo: África do Sul 30 x 32 Nova Zelândia, em 2018 (The Rugby Championship);

Nova Zelândia: 15 Beauden Barrett, 14 Ben Smith, 13 Jack Goodhue, 12 Sonny Bill Williams, 11 Rieko Ioane, 10 Richie Mo’unga, 9 TJ Perenara, 8 Kieran Read (c), 7 Matt Todd, 6 Shannon Frizell, 5 Samuel Whitelock, 4 Brodie Retallick, 3 Owen Franks, 2 Codie Taylor, 1 Joe Moody;

Suplentes: 16 Dane Coles, 17 Ofa Tuungafasi, 18 Angus Ta’avao, 19 Vaea Fifita, 20 Dalton Papalii, 21 Aaron Smith, 22 Anton Lienert-Brown, 23 George Bridge;

África do Sul: 15 Willie le Roux, 14 Cheslin Kolbe, 13 Lukhanyo Am, 12 Damian de Allende, 11 Makazole Mapimpi, 10 Handré Pollard, 9 Faf de Klerk, 8 Duane Vermeulen (c), 7 Pieter-Steph du Toit, 6 Kwagga Smith, 5 Franco Mostert, 4 Eben Etzebeth, 3 Frans Malherbe, 2 Malcolm Marx, 1 Steven Kitshoff;

Suplentes: 16 Bongi Mbonambi, 17 Tendai Mtawarira, 18 Trevor Nyakane, 19 RG Snyman, 20 François Louw, 21 Herschel Jantjies, 22 François Steyn, 23 Jesse Kriel;

 

versus copiar

06h45 – Austrália x Argentina, em Brisbane – ESPN AO VIVO

Árbitro: Ben O’Keefe (Nova Zelândia)

Histórico: 31 jogos, 24 vitórias da Austrália, 6 vitórias da Argentina e 1 empate. Último jogo: Argentina 34 x 45 Austrália, em 2018 (The Rugby Championship);

Austrália: 15 Kurtley Beale, 14 Reece Hodge, 13 Tevita Kuridrani, 12 Samu Kerevi, 11 Marika Koroibete, 10 Christian Lealiifano, 9 Will Genia, 8 Isi Naisarani, 7 Michael Hooper (c), 6 Lukhan Salakaia-Loto, 5 Rory Arnold, 4 Izack Rodda, 3 Sekope Kepu, 2 Folau Fainga’a, 1 Scott Sio;

Suplentes: 16 Tolu Latu, 17 James Slipper, 18 Taniela Tupou, 19 Rob Simmons, 20 Luke Jones, 21 Nic White, 22 Matt To’omua, 23 James O’Connor;

Argentina: 15 Joaquín Tuculet, 14 Santiago Cordero, 13 Matías Moroni, 12 Jerónimo de la Fuente, 11 Ramiro Moyano, 10 Nicolás Sánchez, 9 Tomás Cubelli, 8 Facundo Isa, 7 Tomás Lezana, 6 Pablo Matera, 5 Tomás Lavanini, 4 Guido Petti, 3 Juan Figallo, 2 Julián Montoya, 1 Nahuel Tetaz Chaparro;

Suplentes: 16 Santiago Socino, 17 Mayco Vivas, 18 Ramiro Herrera, 19 Matías Alemanno, 20 Juan Manuel Leguizamon, 21 Felipe Ezcurra, 22 Joaquín Díaz Bonilla, 23 Matías Orlando;

 

 PaísApelidoJogosPontos
África do SulSpringboks312
AustráliaWallabies38
Nova ZelândiaAll Blacks36
ArgentinaLos Pumas32

 

Pacific Nations Cup

*Horários de Brasília

Sexta-feira, dia 26 de julho

versus copiar

23h00 – Samoa x Tonga, em Apia – World Rugby TV AO VIVO

Árbitro: Mike Fraser (Nova Zelândia)

Histórico: 64 jogos, 33 vitórias de Samoa, 27 vitórias de Tonga e 4 empates. Último jogo: Tonga 28 x 18 Samoa, em 2018 (Pacific Nations Cup);

Samoa: 15 Ahsee Tuala, 14 Johnny Vaili, 13 Alapati Leiua, 12 Reynold Lee-Lo, 11 Belgium Tuatagaloa, 10 UJ Seuteni, 9 Auvasa Faleali’i, 8 Afa Amosa, 7 TJ Ioane, 6 Chris Vui, 5 Kane Leaupepe, 4 Filo Paulo, 3 Paul Alo-2 Motu Matu’u (c), 1 Logovi’i Mulipola;

Suplentes: 16 Rau Niuia, 17 Jordan Lay, 18 Alofa’aga Sao, 19 Senio Toleafoa, 20 Alamanda Motuga, 21 Dwayne Polataivao, 22 AJ Alatimu, 23 JJ Taulagi;

Tonga: 15 Nafi Tuitavake, 14 Tevita Halaifonua, 13 Mali Hingano, 12 Cooper Vuna, 11 Viliami Lolohea, 10 James Faiva, 9 Sami Fisilau, 8 Nasi Manu (c), 7 Ma’ama Vaipulu, 6 Onehunga Havili, 5 Sam Lousi, 4 Leva Fifita, 3 Ben Tameifuna, 2 Elvis Taione, 1 Paea Fa’anunu;

Suplentes: 16 Sefo Sakalia, 17 Toma Taufa, 18 Ma’afu Fia, 19 Zane Kapeli, 20 Fotu Lokotui, 21 Sione Vailanu, 22 Leon Fukofuka, 23 Otumaka Mausia;

 

Sábado, dia 27 de julho

versus copiar

02h50 – Japão x Fiji, em Kamaishi – World Rugby TV AO VIVO

Árbitro: Luke Pearce (Inglaterra)

Histórico: 17 jogos, 14 vitórias de Fiji e 3 vitórias do Japão. Último jogo: Fiji 38 x 25 Japão, em 2016 (amistoso);

Japão: 15 Will Tupou, 14 Kotaro Matsushima, 13 Timothy Lafaele, 12 Ryoto Nakamura, 11 Kenki Fukuoka, 10 Yu Tamura, 9 Kaito Shigeno, 8 Amanaki Lelei Mafi, 7 Lappies Labuschagné (c), 6 Kazuki Himeno, 5 Luke Thompson, 4 James Moore, 3 Asaeli Valu, 2 Shota Horie, 1 Keita Inagaki;

Suplentes: 16 Atsushi Sakate, 17 Shogo Miura, 18 Yusuke Kizu, 19 Wimpie van der Walt, 20 Michael Leitch, 21 Yutaka Nagare, 22 Rikiya Matsuda, 23 Lomano Lemeki;

Fiji: 15 Alivereti Veitokani, 14 Filipo Nakosi, 13 Waisea Nayacalevu, 12 Levani Botia, 11 Patrick Osborne, 10 Ben Volavola, 9 Frank Lomani, 8 Viliame Mata, 7 Semi Kunatani, 6 Dominiko Waqaniburotu (c), 5 Leone Nakarawa, 4 Albert Tuisue, 3 Manasa Saulo, 2 Sam Matavesi, 1 Eroni Mawi;

Suplentes: 16 Mesulame Dolokoto, 17 Peni Ravai, 18 Lee-Roy Atalifo, 19 Apisalome Ratuniyarawa, 20 Peceli Yato, 21 Henry Seniloli, 22 Jale Vatubua, 23 Josh Matavesi;

 

versus copiar

21h00 – Estados Unidos x Canadá, em Glendale (Denver) – World Rugby TV AO VIVO

Árbitro: Andrew Brace (Irlanda)

Histórico: 62 jogos, 38 vitórias do Canadá, 21 vitórias dos Estados Unidose 2 empates. Último jogo: Estados Unidos 30 x 25 Canadá, em 2019 (Americas Rugby Championship);

Estados Unidos: 15 Will Hooley, 14 Blaine Scully (c), 13 Marcel Brache, 12 Bryce Campbell, 11 Martin Iosefo, 10 AJ MacGinty, 9 Shaun Davies, 8 Cam Dolan, 7 John Quill, 6 Malon Al-Jiboori, 5 Nick Civetta, 4 Ben Landry, 3 Paul Mullen, 2 Dylan Fawsitt, 1 Chance Wenglewski;

Suplentes: 16 Kapeli Pifeleti, 17 David Ainu’u, 18 Paddy Ryan, 19 Greg Peterson, 20 Jamason Fa’anana-Schultz, 21 Ruben de Haas, 22 Gannon Moore, 23 Madison Hughes;

Canadá: 15 Patrick Parfrey, 14 Conor Trainor, 13 Ben LeSage,12 Ciaran Hearn, 11 DTH van der Merwe, 10 Peter Nelson, 9 Phil Mack, 8 Tyler Ardron (c), 7 Matt Heaton, 6 Kyle Baillie, 5 Conor Keys, 4 Evan Olmstead, 3 Cole Keith, 2 Benoît Pifféro, 1 Hubert Buydens;

Suplentes: 16 Andrew Quattrin, 17 Rob Brouwer, 18 Jake Ilnicki, 19 Justin Blanchet, 20 Luke Campbell, 21 Gordon McRorie, 22 Shane O’Leary, 23 Nick Blevins;