Rodolfo Ambrosio, agora ex treinador, concedeu entrevista ao Portal do Rugby comentando sua saída do comando dos Tupis. O treinador expressou seu desejo de ter permanecido no cargo e ressaltou que os motivos não foram com relação a um acordo financeiro, mas à impossibilidade de trazer mais investimentos ao projeto que gostaria de implementar.

 

Pergunta: Como se deu sua saída da seleção? Por que não foi possível um novo acordo?

Resposta: Minha saída não foi apenas da seleção, mas também do sistema de rugby do Brasil, porque a CBRu não deu garantias para executar um plano para continuar crescendo. O que foi feito e alcançado até agora não é suficiente, dar mais um passo requer mais investimento e mais qualidade de trabalho com os jogadores, para não ficar parado. No rugby mundial todos os dias se investe mais para crescer, se você não fizer o mesmo permanecerá na estrada.

- Continua depois da publicidade -

 

Pergunta: Qual a sua avaliação do trabalho realizado com a seleção? Quais os pontos mais positivos?

Resposta: O mais importante foi o trabalho realizado pelos jogadores e Staff que sempre tiveram extrema dedicação e souberam manter a motivação mesmo em condições bastante inferiores à maior parte dos adversários, algumas vezes precárias. Foi também o grande apoio que a CBRu deu especialmente nos primeiros três anos, onde havia principalmente pessoas que acreditavam no plano, Eduardo Mufarej e Jean-Marc Etlin. Também foi muito importante Agustín Danza neste processo, pra fazer que as coisas acontecerem.

 

Pergunta: O que você gostaria de ter feito que não conseguiu?

Resposta: Muitas coisas, mas não dá para falar sobre algo que não aconteceu.

 

Pergunta: Quais os maiores desafios que você enxerga que o próximo treinador do Brasil terá?

Resposta: Serão muitos desafios, dentro e fora de campo. Mas não caberá mais a mim tentar resolver.