Brasil vence a Geórgia XV em solo georgiano, no Estádio do Locomotive Tbilisi. Foto: União Georgiana de Rugby

ARTIGO COM VÍDEOS – Uma vitória marcante – mais uma de peso! O Brasil venceu nesta sexta-feira a Geórgia XV, a seleção de desenvolvimento da Geórgia, em plena capital georgiana Tbilisi, por 20 x 18, em um jogão dos Tupis – um dos melhores jogos da seleção no ano, garantindo o segundo torneio seguido que a seleção brasileira termina acima da Argentina XV. O jogo não valia pontos para o Ranking mundial, mas serviu como preparação para o Brasil encarar os Maori All Blacks em novembro.

Os Tupis começaram a batalha fortes no scrum, tradicional fortaleza georgiana e garantiram logo no início o primeiro penal para Josh chutar e abrir o marcador, 3 x 0. Os donos da casa deram o troco prontamente com penal do jovem camisa 10 de 19 anos, Abhzandadze, e quase viraram em um chute cruzado do abertura para a ponta, com o Brasil sendo salvo pelo bom posicionamento brasileiro.

A situação dos Tupis parecia se deteriorar quando Moisés recebeu cartão amarelo, aos 12′. E os georgianos capitalizaram com o homem brasileiro a menos, com um penal chutado para a lateral, seguido de um maul finalizado pelo hooker e capitão Giorgi Chkoidze, que já joga na seleção principal.

Porém, o Brasil resistiu à desvantagem, teve seus momentos, conseguiu jogar no ataque reduziu com penal bem batido por Josh e, aos 24′, na saída de scrum, Tanque deixou com Josh, que deu lindo passe para a infiltração de Daniel Sancery, capaz de costurar a defesa da casa e cravar um lindo try brasileiro, antes de Moisés voltar a campo. Prejuízo neutralizado e Brasil na frente por 13 x 08.

- Continua depois da publicidade -

Os Tupis foram superiores no restante do primeiro tempo, neutralizando as ações dos georgianos com forte pressão no breakdown e imposição física da terceira linha sobre o jovem scrum-half adversário, que não conseguiu conduzir seu time. Batendo em igualdade nos avançados, o Brasil teve mais território, mas ainda assim cedeu no fim um penal no meio campo que foi fatal. A Geórgia pôs a bola para a lateral e efetuou o lineout seguido de maul, com o asa Shengelia – também com experiência na seleção principal – caindo no in-goal para a virada antes do intervalo, 15 x 13.

A segunda etapa começou com penal a favor dos donos da casa, que Abhzandadze converteu com precisão. Mas logo o cenário se tornou perfeito para os Tupis, com Sukhashvilli recebendo amarelo do lado georgiano. Com um homem a mais, os espaços apareceram e, aos 58′, Daniel Sancery explorou uma avenida entre a linha de defesa georgiana para correr meio campo e levar os Tupis a 5 metros do try. O apoio de Gelado foi brilhante, limpando o ruck de forma avassaladora para Felipe Sancery reciclar e guardar o segundo try brasileiro, virando o marcador. 20 x 18!

Depois disso, o Brasil cresceu fisicamente, impediu os avanços dos anfitriões e cedeu menos penais do que no primeiro tempo, mantendo a frente e jogando a pressão para o outro lado. Em uma das poucas boas jogadas de mãos da Geórgia, Felipe Sancery foi perfeito “batendo a carteira” e retomando a bola para os Tupis.

Foi somente aos 73′ que os georgianos tiveram o penal da virada, com Abhzandadze sendo abusado e arriscando chute de 52 metros, que saiu na direção, mas curto. Josh teve a chance de liquidar a fatura com penal logo na sequência, mas também faltou força ao arremate. E no lance final, Monstro roubou lateral, dando a última posse de bola ao time brasileiro.

Capaz de jogar fisicamente em igualdade – ou até em superioridade – o Brasil fechou sua viagem a Tbilisi com uma vitória notável sobre os anfitriões, dando um passo a mais na sua evolução. 20 x 18 sobre uma equipe que bateu a Argentina XV na semana passada.

Vitória Tupi na Europa! E terceiro lugar na Copa de Verão de Tbilisi. O título foi do Racing (confira no fim do artigo).

 

Melhores momentos:

Jogo na íntegra:


1820

Geórgia XV 18 x 20 Brasil, em Tbilisi

Árbitro: Tornike Gvirjshvilli (Geórgia)

Geórgia XV

Tries: Chkoidze e Shengelia

Conversões: Abhzandadze (1)

Penais: Abhzandadze (2)

15 Beka Mamukashvili, 14 Demur Tapladze , 13 Revaz Jinjikhadze, 12 Guram Kandaurashvili, 11 Akaki Tabutsadze, 10 Tedo Abhzandadze, 9 Giorgi Margalitadze, 8 Nikoloz Sukhashvili, 7 Beka Saghinadze, 6 Guram Shengelia, 5 Gela Shalamberidze, 4 Tornike Akubardia, 3 Tariel Donadze, 2 Giorgi Chkoidze (c), 1 Mikheil Oragvelidze;

Suplentes: 16 Zhorzh Saldadze, 17 Goga Khuroshvili, 18 Mikheil Psuturi, 19 Sandro Mamamtavrishvili, 20 Khvicha Bujiashvili, 21 Arsen Trapaidze, 22 Giorgi Kakauridze, 23 Davit Kldiashvili, 24 Temur Iremadze, 25 Irakli Svanidze, 26 Davit Gobejishvili;

Brasil

Tries: Daniel Sancery e Felipe Sancery

Conversões: Josh Reeves (20

Penais: Josh Reeves (2)

15 Daniel Sancery, 14 Lucas “Zé” Tranquez, 13 Felipe Sancery (c), 12 Moisés Duque, 11 Robert Tenório, 10 Josh Reeves, 9 Lucas “Tanque” Duque, 8 André “Buda” Arruda, 7 Arthur Bergo, 6 Cléber “Gelado” Dias, 5 Gabriel Paganini, 4 Luiz “Monstro” Vieira, 3 Jardel Vettorato, 2 Wilton “Nelson” Rebolo, 1 Lucas Abud;

Suplentes: 16 David Páscoa, 17 Caique Segura, 18 Matheus “Blade” Rocha, 19 Lucas “Bruxinho” Piero, 20 Michael “Ilha” Moraes, 21 Daniel “Maranhãlo” Lima, 22 Stefano Giantorno, 23 De Wet Van Niekerk, 24 Valentin Garcia, 25 Matheus Claudio;

 

Racing derrotou a Argentina XV

No outro duelo em Tbilisi, antes do jogo do Brasil, o Racing, da França, venceu a Argentina XV por parelhos 14 x 08. Lauret e Zebo marcaram os tries do clube de Paris, enquanto Facundo Cordero anotou o único try da seleção de desenvolvimento da Argentina. Com isso, o Racing ficou com o título da Copa de Verão de Tbilisi.