Brasil em Dubai quinta e sexta! O que esperar da Série Mundial Feminina 2015-16?

O tempo voa. A Copa do Mundo de Rugby XV acabou há exato um mês e agora a bola está com o seven-a-side, rumo aos Jogos Olímpicos de 2016. Nesta quinta-feira, dia 3, Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, dará o kickoff para o seu famoso torneio, que abrirá a temporada 2015-16 da Série Mundial de Sevens Feminina. As finais acontecem no dia 4, sexta, mesmo dia que começa a Série Mundial de Sevens Masculina. Mas, vamos falar das mulheres, pois o Brasil estará em campo pelo sétimo ano consecutivo na famosa cidade árabe.

 

Não foi anunciada transmissão do torneio feminino para o Brasil. Com isso, ele estará disponível ao vivo online em www.worldrugby.org.

 

Rumo ao Rio 2016

A temporada 2015-16 é empolgante pelo fato de servir de preparação para os Jogos Olímpicos, com as seleções buscando acertar suas equipes para o Rio 2016. O resultado final da temporada servirá como grande indicativo do que esperar para o Rio 2016, mas apesar da empolgação não sobraram críticas do meio do rugby feminino ao World Rugby, que não conseguiu manter a temporada em 6 torneios, reduzinda-a para apenas 4, o menor número desde a temporada inaugural de 2012-13. E sem nenhuma etapa na Ásia ou na Europa, pois depois de Dubai o circuito vem para as Américas, com a etapa de Barueri, nos dias 20 e 21 de fevereiro, e as etapas da América do Norte, em Atlanta (Estados Unidos) e Victoria (Canadá), em abril.

 

Das seleções classificadas ao Rio 2016, somente a Colômbia e a África do Sul não estarão presentes em Dubai, enquanto ~Rússia, Espanha e Irlanda, que jogarão o torneio, ainda não carimbaram suas vagas e usarão a temporada da Série Mundial de Sevens como preparação para o decisivo Torneio Pré-Olímpico Mundial, que acontecerá em junho, valendo a última vaga nos Jogos Olímpicos. Com isso, confrontos entre esses três países se tornam ainda mais significativos, pois são prévias do que pode ocorrer em junho. Até aqui, a única certeza é: a Nova Zelândia é o time a ser batido, tendo sido campeã de todas as três temporada já disputadas do circuito feminino.

 

Cada torneio da Série Mundial de Sevens Feminina conta com 12 participantes, dos quais 11 são as seleções fixas do circuito, que disputam todas as etapas, e 1 é convidada. No caso de Dubai, a seleção convidada é justamente o Brasil.

 

Em cada torneio, as seleções são dvididas em 3 grupos com 4 equipes cada, sendo que sempre as duas primeiras colocadas de cada grupo e as duas melhores terceiras colocadas avançam às quartas de final, enquanto as quatro piores jogam as Semifinais do Bowl, a Taça Bronze, valendo as colocações do 9º ao 12º lugar. As vencedoras das quartas de final vão às Semifinal da Cup, a Taça Ouro, valendo do 1º ao 4º lugar, ao passo que as perdedoras jogam as Semifinal do Plate, a Taça Prata, valendo do 5º ao 8º lugar.

 

O que esperar do Dubai Sevens?

O torneio de Dubai será de grande importância psicológica para o time brasileiro. Pelo segundo ano seguido, as Tupis não conseguiram a meta de garantir vaga como seleção central do circuito e um resultado destacado em Dubai mudaria o status da seleção para esta temporada. O Brasil tem como maior conquista no circuito o oitavo lugar, obtido já alcançado em cinco oportunidades. O elenco escolhido pelo técnico Chris Neill para o torneio é forte, escolhido após o Valentin Martinez, tendo como principais desfalques Júlia e Paulinha, lesionadas. Raquel e Juka, no jogo de contato, e Edna, na criação, são as grandes armas.

 

No entanto, o grupo do Brasil é “pedreira”, com a poderosa Nova Zelândia como favorita. As Black Ferns parecem ainda mais fortes para este ano, mantendo nomes importantes com Sarah Goss, Portia Woodman e Kelly Brazier, com novatas de potencial como Niall Williams, irmã do astro Sonny Bill Williams. A ausência é Kayla McAllister, mas o faovritismo segue.

 

A França aparece como a segunda força do grupo. Após um grande início de temporada em 2014-15, as Bleues caíram de produção na reta final da temporada, mas se reergueram fazendo campanha perfeita no Grand Prix Europeu. Já a Rússia aparece como a terceira força, buscando se levantar de uma temporada muito irregular em 2014-15. Para 2015-16, com o Rio 2016 ainda não assegurado, as russas buscam constância. Para o Brasil, uma vitória contra qualquer uma delas será uma conquista a se orgulhar.

 

No Grupo B, Canadá e Estados Unidos prometem um duelo de arrepiar pelo primeiro lugar. A reta final de temporada das duas seleções foi empolgantes e quem levou a melhor foram as Canucks, que quebraram o jejum de títulos vencendo a última etapa da temporada, em Londres. Jen Kish, Ghislaine Landry, Karen Paqui e Kayla Moleschi seguem liderando a ótima equipe vermelha. Já os Estados Unidos cresceram muito na reta final também, inclusive conseguindo vencer o Canadá em solo canadense. Mas, ainda resta um passo a mais para as Águias darem, e em ano de Jogos Olímpicos sempre as atenções vão para a terra do Tio Sam. Fiji e Irlanda completam o grupo e deve brigar arduamente pelo terceiro lugar, já que o time irlandês evoluiu bastante desde a equipe que jogou o circuito como convidada na temporada retrasada e não foi bem.

 

Por fim, o Grupo C tem como favorita a Austrália, que escalou um time muito experiente para Dubai, com Sharni Williams, Emilee Cherry, Charlotte Caslick e Elia Green no grupo. Porém, as Wallaroos declinaram no fim da temporada passada e têm ainda que provar que são reais competidoras para as Black Ferns nesta temporada. Livres de lesões no início, a tendência é as aussies brilharem e brigarem pelo título. Na cola delas está a Inglaterra, que será base da seleçã britânica no Rio 2016. As inglesas terão a base do time que foi muito bem em 2014-15, com Emily Scarratt como capitã. As britânicas cresceram no fim e a expectativa em cima do potencial do time é enorme. Espanha e Japão correm por fora.

 

SWS 2015-16 logoDubai Sevens copy copy

Dubai Sevens – 1ª etapa da Série Mundial de Sevens Feminina 2015-16 – em Dubai, Emirados Árabes Unidos

Grupo A: Nova Zelândia, França, Rússia e Brasil

Grupo B: Canadá, Estados Unidos, Fiji e Irlanda

Grupo C: Austrália, Inglaterra, Espanha e Japão

 

Quinta-feira, dia 3 de dezembro

*Das 06h30 às 14h30, hora de Brasília

Canadá x Fiji

Estados Unidos x Irlanda

Nova Zelândia x Rússia

França x Brasil – às 07h26

Austrália x Espanha

Inglaterra x Japão

 

Canadá x Irlanda

Estados Unidos x Fiji

Nova Zelândia x Brasil – às 10h00

França x Rússia

Austrália x Japão

Inglaterra x Espanha

 

Canadá x Estados Unidos

Fiji x Irlanda

Nova Zelândia x França

Rússia x Brasil – às 13h19

Austrália x Inglaterra

Espanha x Japão

 

Sexta-feira, dia 4 de dezembro

*Das 03h00 às 12h00, hora de Brasília

Finais

 

Brasil

Amanda Araujo (Niterói)
Beatriz Futuro Mühlbauer (Niterói)
Bianca Santos (São José)
Edna Santini (São José)
Haline Leme Scatrut (Curitiba)
Isadora Cerullo (Niterói)
Juliana Esteves dos Santos (Band Saracens)
Juliana Menezes (Charrua)
Luiza Gonzalez da Costa Campos (Charrua)
Maíra Bravo (SPAC)
Mariana Ramalho (SPAC)
Raquel Kochhann (Charrua)

 

Série Mundial de Sevens Feminina 2015-16

Etapa 1 – Dubai (Emirados Árabes) – 3 e 4 de dezembro

Etapa 2 – Barueri/São Paulo (Brasil) – 20 e 21 de fevereiro

Etapa 3 – Kennesaw/Atlanta (Estados Unidos) – 8 e 9 de abril

Etapa 4 – Langford/Victoria (Canadá) – 16 e 17 de abril

 

Pontuação:

Campeão da Taça Ouro (1º lugar): 20 pontos;

Vice-campeão da Taça Ouro (2º lugar): 18 pontos;

3º lugar da Taça Ouro (3º lugar): 16 pontos;

4º lugar da Taça Ouro (4º lugar): 14 pontos;

Campeão da Taça Prata (5º lugar): 12 pontos;

Vice-campeão da Taça Prata (6º lugar): 10 pontos;

3º lugar da Taça Prata (7º lugar): 8 pontos;

4º lugar da Taça Prata (8º lugar): 6 pontos;

Campeão da Taça Bronze (9º lugar): 4 pontos;

Vice-campeão da Taça Bronze (10º lugar): 3 pontos;

3º lugar da Taça Bronze (11º lugar): 2 pontos;

4º lugar da Taça Bronze (12º lugar): 1 ponto;

 

Lista de campeãs da Série Mundial de Sevens Feminina

2012-13: Nova Zelândia

2013-14: Nova Zelândia

2014-15: Nova Zelândia

Comentários