Diante de 3200 torcedores nesta sexta-feira no Estádio do Pacaembu, o Brasil se despediu do Sul-Americano de 2017 com uma maiúscula vitória por 57 x 06 sobre o Paraguai, a maior da história do confronto. O dia de recorde foi ainda de despedida, com Nativo, ícone de uma geração de Tupis, se despedindo da seleção brasileira com um legado de 67 jogos oficiais pelo Brasil. A vitória deu ao Brasil o terceiro lugar no Sul-Americano e colocou o Paraguai mais um ano sob a pressão de ter que encarar a repescagem de permanência na primeira divisão contra o campeão do Sul-Americano B deste ano.
 
Clique aqui para conferir nossas fotos exclusivas da partida.

 

O jogo não começou nada bom para o Brasil, que sofreu nos primeiros 20 minutos. Com a obrigação de se impor, os Tupis viram um aguerrido time paraguaio dar muito trabalho no pack, com o scrum dos Yakarés dominante no início da peleja. O abertura Gayoso inaugurou o placar aos 11′ para os paraguaios e perdeu duas chances de penal, que poderiam ter dado maior frente aos visitantes. A situação ainda parecia piorar para os Tupis, com Chabal recebendo cartão amarelo. Porém, o Paraguai não capitalizou com o homem a mais e o Brasil empatou com Moisés arrematando penal aos 22′, ainda com 14 homens em campo.

 

- Continua depois da publicidade -

O jogo brasileiro de mãos demorou a encaixar e foi com o talento individual que finalmente a defesa paraguaia foi superada. Aos 30′, De Wet roubou a bola para os Tupis nas 22 e Daniel Sancery achou o espaço, chutando rasteiro atrás do fullback Aguero para apanhar a bola e guardar o primeiro try.

 

Os Yakarés ainda deram a resposta com um scrum novamente dominante, arrancando penal para Gayoso reduzir a diferença para 10 x 06. Contudo, antes do intervalo, foi Felipe Sancery que tirou o coelho da cartola, quebrando o tackle e achando o espaço entre a defesa paraguaia para o segundo try brasileiro, levando a disputa ao intervalo em 17 x 06.

 

O segundo tempo foi completamente diferente e os Tupis deslancharam, com os jogadores vindo do banco brilhando e com o Paraguai encontrando seu limite físico. Entre as melhoras, o scrum passou a se impor, impulsionado pela experiência de Jardel Vetoratto, que voltou à seleção mesmo afastado dos treinamentos com as academias de alto rendimento. Aos 42′, Buda ganhou o espaço rompendo a linha de vantagem e Stefano Giantorno apanhou a bola para finalizar o terceiro try brasileiro. Foi o momento decisivo, com o Paraguai expondo sua fragilidade na sequência.

 

O quarto try saiu aos 46′, com Daniel Sancery correndo e Josh Reeves recebendo para disparar rumo ao in-goal. Depois, aos 49′, com a “porta aberta”, coube a Yan Rosetti, capitão na partida, romper no pick and go, depois de grande ação de Gelado. 36 x 06.

 

Com vantagem larga, o Brasil reduziu sua marcha e só voltou a marcar aos 66′, após o Paraguai ser reduzido a 14 homens com amarelo para Ortiz. Matias rompeu no contato para cravar o sexto try brasileiro, levantando novamente o Pacaembu. Cinco minutos mais tarde, em maul, Matias cravou seu segundo try na partida, abrindo a maior diferença de pontos da história do confronto. A maior vitória brasileira sobre o Paraguai havia sido um 54 x 11 em 2011.

 

A festa parecia completa com Nativo entrando em campo para celebrar sua despedida da seleção, mas o inesperado ocorreu aos 74′, quando o hooker histórico recebeu um raro cartão vermelho. Antes do fim, Tanque ainda fez o último try dos Tupis, selando o placar em 57 x 06.

 

A Seleção Brasileira voltará a campo no dia 10 de junho, contra Portugal, na abertura da série de amistosos, em partidas que terão grande valor pelo Ranking Mundial.

 

57versus copiar06

Brasil 57 x 06 Paraguai, em São Paulo

Árbitro: Damian Schneider (Argentina);

 

Brasil

Tries: Matias (2), Daniel Sancery, Felipe Sancery, Stefano, Josh, Yan e Tanque

Conversões: Moisés (7)

Penais: Moisés (1)

1 Jonatas “Chabal” Paulo (Band Saracens), 2 Yan Rosetti (CUBA, Argentina) (c), 3 Caique Segura (São José), 4 Lucas “Bruxinho” Piero (Desterro), 5 Cléber “Gelado” Dias (Poli), 6 João Luiz “Ige” da Ros (Desterro), 7 Arthur Bergo (SPAC), 8 André “Buda” Arruda (Desterro), 9 Laurent Bourda-Couhet (Band Saracens), 10 Joshua Reeves (Jacareí), 11 Stefano Giantorno (São José), 12 Moisés Duque (São José), 13 Felipe Sancery (São José), 14 Jacobus de Wet Van Niekerk (Poli), 15 Daniel Sancery (São José);

Suplentes: 16 Daniel “Nativo” Danielewicz (Desterro), 17 Jardel Vetoratto (Cuiabá), 18 Pedro Bengaló (Desterro), 19 Nick Smith (SPAC), 20 Matheus “Matias” Daniel (Jacareí), 21 Lucas “Tanque” Duque (São José), 22 Lucas “Zé” Tranquez (SPAC), 23 Robert Tenório (Pasteur);

 

Paraguai

Penais: Gayoso (2)

1 Omar Rojas (Île-de-France, França/4a divisão), 2 Juan Gavigan (Luque), 3 Alvaro Rojas (Santa Clara), 4 Andrés Nasser (CURDA) (c), 5 Alejandro Montiel (La Plata, Argentina), 6 Martin Ortiz (Santa Clara), 7 Carlos Plate (CURDA), 8 Leonardo Glitz (Luque), 9 Gaston Navas (CURDA), 10 Hector Gayoso (Luque), 11 Fabrizio da Rosa (Old King), 12 Sebastián Urbieta (CURDA), 13 Pablo Espínola (Luque), 14 Diego Argaña (CURDA), 15 Horacio Aguero (St. Yrieix, França/4a divisão);

Suplentes: 16 Daniel Cabral (Santa Clara), 17 Joaquin Vera (San Jose), 18 Juan Gomez (CURDA), 19 Luis Mauger (Old King), 20 Camilo Orrego (CURDA), 21 Carlos Bareiro (San Jose), 22 Fabrizio Cabrera (San Jose), 23 Rodrigo da Rosa (Old King);

 

EquipeApelidoPJVED4+-7PPPCSP
UruguaiTeros153300301135756
ChileCóndores9320110924448
BrasilTupis6310211946232
ParaguaiYakarés030030032168-136

Foto: Daniel Venturole