Brasil repete 8º lugar na Série Mundial em Barueri e Austrália lidera isolada

ARTIGO COM VÍDEOS – Barueri recebeu neste fim de semana pelo terceiro ano seguido uma das etapas da Série Mundial de Sevens Feminina e quem levantou a taça foi mais uma vez a Austrália, que já havia triunfado em 2014 em Barueri e voltou a comemorar em 2016. A liderança da temporada  segue nas mãos das australianas, que agora abriram 12 pontos de frente sobre a Nova Zelândia. As neozelandesas decepcionaram novamente, falhando de novo na luta por um lugar na final do torneio.

 

O Brasil acabou com o 8º lugar, mesma posição do ano passado. Foi a sexta vez na história do circuito que o Brasil acaba um torneio em oitavo, sua melhor classificação na história.

 

Brasil conquista vaga nas quartas de final

Na primeira partida do sábado para as Tupis, o jogo contra a França se provou muito duro para as brasileiras, com as francesas dominando por completo a posse de bola na primeira etapa. Izar e Guerin furaram a defesa brasileira logo no início abrindo rapidamente 10 x 0. Izar ampliou para 17 x 0, fechando o primeiro tempo com uma intensidade de jogo muito elevada. Mas o Brasil reagiu com Raquel na volta da pausa e deu esperanças à torcida. Guerin deu o troco para as Bleues, porém Raquel, em grande atuação, conseguindo linda arrancada para o segundo try verde e amarelo. No fim, no entanto, Horta acabou com a reação das Tupis com o quinto try azul, dando números finais, 29 x 10.

 

No segundo jogo, o Brasil também largou em desvantagem contra a Inglaterra. Richardson e Hunt abriram 12 x 0 no primeiro tempo e Richardson cravou seu segundo try na volta e Hunt repetiu a dose, com o placar indo a 24 x 0. O Brasil reagiu com brio, e na sequência de fases Edninha rompeu para o primeiro try brasileiro e, no fim, Bianca ainda disparou para o segundo try, mas já sem chances de uma virada. 24 x 12.

 

No terceiro jogo de sábado o Brasil quebrou um tabu que vinha desde 2013 sem vencer o Japão. Com o apoio da torcida, as Tupis se impuseram com contundência sobre as nipônicas, em jogo que foi de completo domínio sul-americano do começo ao fim, impondo um ritmo acelerado e não dando espaços ao jogo de mãos asiático. Com dois tries de Raquel, um de Baby e um de Juka, o Brasil abriu impressionantes 22 x 0 na primeira etapa, e administrou com tranquilidade o resultado no segundo tempo. Yokoo deu esperanças ao Japão, mas Paulinha deu números finais à disputa, fechando o 27 x 5, a maior vitória das Tupis na história sobre as japonesas.

 

Inglaterra e França se enfrentaram pelo primeiro lugar do grupo do Brasil, o Grupo C, e a vitória coube às francesas por 17 x 12. No Grupo A, Austrália e Canadá fizeram a prévia do que seria a final, com as australianas emergindo vitoriosas, ao passo que no Grupo B houve a grande surpresa, com uma Rússia desfigurada por lesões acabando no último lugar da chave. A Nova Zelândia atropelou, com McAllister, Manuel, Williams & cia brilhando – como não haviam brilhado em Dubai.

 

Austrália dispara na Série Mundial de Sevens

No domingo, a Austrália abriu o dia se impondo por apertados 10 x 0 sobre Fiji, que mostrou grande qualidade com a bola em mãos, exigindo da defesa australiana. O Brasil entrou em campo na sequência contra a Nova Zelândia, mas a disputa foi toda dominada pelas kiwis, que não deram chances às brasileiras com 41 x 0 no placar. Foram 7 tries, com McAllister e Tui anotando 2 cada. O Canadá passou na sequência por 19 x 0 sobre a França, com Kish, Farella e Benn. As quartas de final se encerraram com os Estados Unidos se recuperando da péssima campanha em Dubai. 22 x 12.

 

Nas semifinais Prata, o Brasil encarou a França novamente, mas o físico e a intensidade do jogo francês falaram mais alto, com as Bleues cruzando o in-goal 4 vezes, com Tremouliere e Troncy 2 vezes cada. Haline fez o try de honra do Brasil em bela arrancada. Nas semifinais Ouro, a Austrália passou com tudo pelos Estados Unidos, 34 x 0, mas Nova Zelândia e Canadá fizeram um dos melhores jogos do torneio, com as Canucks abrindo Kish, Landry e Moleschi e segurando a reação final das Black Ferns.

 

Nas disputa do 7º lugar, o Brasil acabou sentindo o peso da poderosa Inglaterra, quarta colocada da temporada passada, e saiu com derrota de 24 x 7, com Amanda correndo para um belo try de honra das Tupis. Nas finais de taças, a Rússia salvou sua campanha vencendo por 38 x 12 o Japão na Bronze, enquanto a França fez 17 x 5 na Prata sobre Fiji. O terceiro lugar ficou com a Nova Zelândia, que se recuperou fazendo 28 x 0 nos EUA.

 

A grande final aconteceu debaixo de tempestade em Barueri e a Austrália não sentiu a mudança no tempo. Cherry, Pelite, Quirk, Beck e Green cruzaram o in-goal em partida impecável das aussies. 29 x 0 e título indiscutível.

 

A próxima etapa da Série Mundial de Sevens Feminina ocorre nos dias 8 e 9 de abril, em Atlanta, nos Estados Unidos.

 

SWS 2015-16 logo

Super Desafio BRA de Rugby Sevens – 2ª etapa da Série Mundial de Sevens Feminina 2015-16 – em Barueri, Brasil

Grupos:
Grupo A: Austrália, Canadá, Fiji e Irlanda
Grupo B: Rússia, Nova Zelândia, Espanha e Estados Unidos
Grupo C: Brasil, Inglaterra, França e Japão.

Sábado, dia 20 de fevereiro
Jogo 1: 11h00 – Inglaterra 38 x 05 Japão
Jogo 2: 11h22 – França 29 x 10 Brasil
Jogo 3: 11h44 – Austrália 26 x 17 Fiji
Jogo 4: 12h06 – Canadá 26 x 07 Irlanda
Jogo 5: 12h28 – Rússia 12 x 19 Espanha
Jogo 6: 12h50 – Nova Zelândia 35 x 05 Estados Unidos
Jogo 7: 13h44 – Inglaterra 24 x 12 Brasil
Jogo 8: 14h06 – França 36 x 07 Japão
Jogo 9: 14h28 – Austrália 19 x 05 Irlanda
Jogo 10: 14h50 – Canadá 24 x 07 Fiji
Jogo 11: 15h12 – Rússia 12 x 19 Estados Unidos
Jogo 12: 15h34 – Nova Zelândia 46 x 00 Espanha
Jogo 13: 16h28 – Inglaterra 12 x 17 França
Jogo 14: 16h50 – Japão 05 x 27 Brasil
Jogo 15: 17h12 – Austrália 29 x 14 Canadá
Jogo 16: 17h34 – Fiji 15 x 07 Irlanda
Jogo 17: 17h56 – Rússia 10 x 40 Nova Zelândia
Jogo 18: 18h18 – Espanha 00 x 33 Estados Unidos

 

Classificação

Grupo A: 1 Austrália, 2 Canadá, 3 Fiji, 4 Irlanda

Grupo B: 1 Nova Zelândia, 2 Estados Unidos, 3 Espanha, 4 Rússia

Grupo C: 1 França, 2 Inglaterra, 3 Brasil, 4 Japão

 

Domingo, dia 21 de fevereiro
Jogo 19: 11h00 – Quartas de Final – Austrália 10 x 00 Fiji
Jogo 20: 11h22 – Quartas de Final – Nova Zelândia 41 x 00 Brasil
Jogo 21: 11h44 – Quartas de Final – França 00 x 19 Canadá
Jogo 22: 12h06 – Quartas de Final – Estados Unidos 22 x 12 Inglaterra
Jogo 23: 12h28 – Semifinais Taça Bronze – Espanha 07 x 17 Japão
Jogo 24: 12h50 – Semifinais Taça Bronze – Irlanda 00 x 15 Rússia
Jogo 25: 14h28 – Semifinais Taça Prata – Fiji 26 x 12 Inglaterra
Jogo 26: 14h50 – Semifinais Taça Prata – Brasil 07 x 24 França
Jogo 27: 15h12 – Semifinais Taça Ouro – Austrália 34 x 00 Estados Unidos
Jogo 28: 15h34 – Semifinais Taça Ouro – Nova Zelândia 10 x 19 Canadá
Jogo 29: 15h56 – Disputa de 11º lugar – Espanha 19 x 00 Irlanda
Jogo 30: 16h58 – Final da Taça Bronze – Japão 12 x 38 Rússia
Jogo 31: 17h26 – Disputa de 7º lugar – Inglaterra 24 x 07 Brasil
Jogo 32: 17h48 – Final da Taça Prata – Fiji 07 x 17 França
Jogo 33: 18h16 – Disputa de 3º lugar – Estados Unidos 00 x 28 Nova Zelândia
Jogo 34: 18h41 – Final da Taça Ouro – Austrália 29 x 00 Canadá

 

 

Seleção Pontuação geral Etapa 5 (França) Etapa 4 (Canadá) Etapa 3 (Estados Unidos) Etapa 2 (Brasil) Etapa 1 (Emirados Árabes)
Austrália 94 18 16 20 20 20
Nova Zelândia 80 16 18 18 16 12
Canadá 74 20 12 14 18 10
Inglaterra 74 14 20 16 08 16
França 60 12 14 08 12 14
Rússia 42 04 06 10 04 18
Estados Unidos 46 10 08 12 14 02
Fiji 36 08 04 06 10 08
Espanha 26 06 10 02 02 06
Brasil* 12 00 03 00 06 03
Japão 12 01 01 03 03 04
Irlanda 11 03 02 04 01 01
Quênia* 02 02 00 00 00 00
Colômbia* 01 00 00 01 00 00
* seleções convidadas
Etapa Campeão
Etapa 1 (Emirados Árabes) Austrália
Etapa 2 (Brasil) Austrália
Etapa 3 (Estados Unidos) Austrália
Etapa 4 (Canadá) Inglaterra
Etapa 5 (França) Canadá

– Pontuação: 1º lugar, 20 pontos / 2º, 18 pts / 3º, 16 pts / 4º, 14 pts / 5º, 12 pts / 6º, 10 pts / 7º, 8 pts / 8º, 6 pts / 9º, 4 pts / 10º, 3 pts / 11º, 2 pts / 12º, 1 pt.


 

 

Brasil:

Paula Ishibashi “Paulinha” – SPAC

Edna Santini – São José

Julia Sardá – Desterro

Juliana Esteves “Juka” – Band Saracens

Mariana Ramalho “Mari” – SPAC

Luiza Campos – Charrua

Beatriz Futuro “Baby” – Niterói

Maíra Behrendt – SPAC

Raquel Kochhann – Charrua

Haline Scatrut – Curitiba

Amanda Araújo – Niterói

Bianca Santos – São José

 

Foto: João Neto/Fotojump

Comentários