Foto: Crusaders

Vai começar a liga que todo mundo curte assistir: o Super Rugby! Máxima liga do Hemisfério Sul, o Super Rugby conta com 15 franquias – 5 da Nova Zelândia, 4 da Austrália, 4 da África do Sul, 1 da Argentina e 1 do Japão – e reúne grandes craques das mais poderosas seleções do planeta.

O pontapé inicial é nesse dia 15 de fevereiro e todos os jogos terão transmissão ao vivo para o Brasil pelo Watch ESPN.

 

Como funciona o Super Rugby?

- Continua depois da publicidade -
  • 3 conferências com 5 equipes cada;
  • Cada equipe faz 16 partidas na temporada regular, sendo:
    • 8 jogos contra equipes de sua conferência (ida e volta contra cada oponente);
    • 8 jogos contra equipes de outras conferências (4 jogos contra uma conferência e 4 jogos contra outra);
  • Os 3 campeões das conferências avançam às quartas de final junto dos 5 melhores times na classificação geral;
  • A grande final está marcada para o dia 6 de julho;

 

As equipes e os favoritos

Cada vez mais o Super Rugby vem sendo dominado pelos times da Nova Zelândia. O atual Crusaders, do capitão dos All Blacks Kieran Read, entra na competição de novo como o maior favorito, ao passo que os Hurricanes, do craque Beauden Barrett, se apresentam como seus maiores concorrentes. Correndo por fora, estarão outros neozelandeses, Chiefs e Highlanders, assim como os sul-africanos do Lions, atuais vices, que seguem sendo os principais aspirantes de fora da terra dos All Blacks.

Os Jaguares argentinos cresceram de patamar na competição no ano passado, ao passo que os Waratahs seguem como o time australiano melhor cotado.

A dúvida que paira sobre a temporada é: com a Copa do Mundo chegando e com tamanha superioridade, os All Blacks vão fazer seus principais atletas repousarem em boa parte do Super Rugby? E isso pode alterar os prognósticos?

 

Argentina

Jaguares

Cidade: Buenos Aires

2018: 7º lugar / Quartas de final

2019: Os Jaguares deram um passo adiante em 2018 avançando às quartas de final, graças a um grande trabalho de Mario Ledesma, que acabou lhe rendendo o emprego nos Pumas. Com isso, a responsabilidade de seguir fazendo o time argentino evoluir é agora do experiente Gonzalo Quesada, que foi campeão do Top 14 francês em 2015 como treinador do Stade Français, contra os prognósticos.

A base dos Jaguares é a seleção argentina e o que for feito no Super Rugby ressoará na Copa do Mundo. A perda do abertura Nico Sánchez e a aposentadoria de Hernández são sentidas, com o sistema criativo do time sendo problema para Quesada, que ainda tem que arrumar os problemas defensivos de um time que falha muitos nos tackles.

 

África do Sul

Bulls

Cidade: Pretória

2018: 12º lugar

2019: Os Bulls são os maiores vencedores entre os sul-africanos no Super Rugby, mas tiveram a pior campanha do grupo em 2018. A canteira do Bulls é famosa por revelar bons nomes e é cada vez mais importante para o time, mas os azuis contrataram o experiente hooker Schalk Brits e o aclamado oitavo Duane Vermeulen para liderarem a evolução da equipe de Pretória, que tem técnico novo, Pote Human;

 

Lions

Cidade: Joanesburgo

2018: 3º lugar / Vice campeão

2019: Os Lions vem sendo consistentemente os melhores da África do Sul nos últimos anos e, apesar de terem perdido atletas de destaque, como Franco Mostert e Jaco Kriel, seguem confiantes na força do conjunto e no sistema de jogo que o técnico Swys de Bruin conseguiu manter desde Ackermann (mais aberto e ofensivo que os demais sul-africanos). Olhos para a linha dos Leões, que sempre morde forte, com Dyantyi e Skosan como finalizadores, e para o poderio das formações, puxadas por Malcolm Marx e Warren Whiteley;

 

sharks SR copy copy

Sharks

Cidade: Durban

2018: 8º lugar / Quartas de final

2019: Os Sharks apresentaram ótimos jovens valores na temporada passada e têm aspirações de fazer frente aos Lions. O técnico Robert Du Preez confia no amadurecimento de seus filhos, Jean-Luc Du Preez na terceira linha e Robert Du Preez, abertura, que deu vida junto de Curwin Bosch ao sistema criativo do time. Bons valores podem crescer numa equipe com liberdade criativa e que foi a campeã de offloads na liga em 2018;

 

Stormers_Rugby.svg

Stormers

Cidade: Cidade do Cabo

2018: 11º lugar

2019: Os Stormers foram a decepção sul-africana do ano passado e seguem pressionados para entregarem um desempenho melhor neste ano. O elenco do técnico Robbie Fleck tem bons nomes, liderados pelas máquinas Steven Kitshoff, Siya Kolisi, Eben Etzebeth e Piet-Steph Du Toit no pack e contando com atletas de linha de alto nível como Seabelo Senatla e Damian de Allende. Mas a equipe ainda tem problemas com seu plano de jogo, ironicamente em seu lateral e ainda sofre na criação. Chegar ao mata-mata já será boa evolução;

 

Nova Zelândia

Blues rugby team logo copy

Blues

Cidade: Auckland

2018: 14º lugar

2019: Pior equipe da Nova Zelândia em todas as temporadas desde 2012, os Blues estão mais do que nunca pressionados, sobretudo por serem o time de Auckland, a maior cidade do país. Sonny Bill Williams vai para sua última temporada na carreira e quer ajudar o time a sair da lama junto com o veterano Ma’a Nonu, que saiu da aposentadoria. O Blues é  comandado pelo novo treinador (e ídolo dos All Blacks) Leon MacDonald (que fez grande trabalho comandando o pequeno Tasman na Mitre 10 Cup) e tem bons jovens valores, como os irmãos Akira e Rieko Ioane e o monstrinho Karl Tu’inukuafe na primeira linha. Voltar aos playoffs é o sonho em Auckland – mas um ainda difícil de ocorrer;

 

Chiefs

Chiefs

Cidade: Hamilton

2018: 4º lugar / Quartas de final

2019: Quem é a 3ª força neozelandesa, Chiefs ou Highlanders? A posição é interessante, pois garante menos pressão na busca por resultados. Os Chiefs do técnico Colin Cooper perderam muitos atletas (Messam, Ngatai, Nanai-Williams), mas seguem com um conjunto forte, sobretudo no pack com Brodie Retallick e o melhor scrum de 2018, mas também na linha com Damian McKenzie e Anton Lienert-Brown. A dúvida é se na hora das decisões a abundância de nomes decisivos a mais nos demais rivais neozelandeses não pesará contra o time de Hamilton;

 

crusaders copy copy copy

Crusaders

Cidade: Christchurch

2018: 1º lugar / Campeão

2019: O melhor time do Super Rugby sem dúvida alguma e comandado pelo técnico mais badalado do momento, Scott “Razor” Robertson (ex Tupis). A base dos Crusaders é a mesma de 2018 e isso garante confiança para mais uma temporada vitoriosa. Kieran Read, Sam Whitelock, Joe Moody, Codie Taylor e Owen Franks seguem como referências entre os avançados, assim como o ascendente Scott Barrett, ao passo que jovens talentosos compõem uma linha de classe elevada, com Richie Mo’unga, Jack Goodhue, George Bridge e David Havili, junto de veteranos de peso como Israel Dagg e Ryan Crotty. Favoritaço.

 

Highlanders NZ rugby union team logo.svg

Highlanders

Cidade: Dunedin

2018: 6º lugar / Quartas de final

2019: O Highlanders do técnico Aaron Mauger aparece como perigoso concorrente aos demais neozelandeses, com uma linha forte, liderada por Aaron Smith, Ben Smith e Waisake Naholo. A perda de Sopoaga, no entanto, traz dúvidas para a camisa 10, que tem como aspirante o jovem talentoso Bryn Gatland (filho do técnico dos British and Irish Lions e Gales, Warren Gatland), de 23 anos. Shannon Frizzell e Liam Squire ainda compõem uma terceira linha temível, mas a equipe ainda precisa evoluir no sistema de jogo e, apesar dos talentos, teve dificuldades em 2018 para quebrar as defesas adversárias;

 

Hurricanes

Cidade: Wellington

2018: 2º lugar / Semifinal

2019: Para muitos o maior concorrente dos Crusaders pelo título, os Hurricanes entram em 2018 comprometidos com uma evolução entre os forwards, que foi o que lhes faltou para encararem em igualdade os Crusaders, em especial nos laterais. Dane Coies, Vaea Fifita e Ardie Savea (de desempenho acima do comum em 2018) seguem como os principais nome nos avançados do time de Wellington. O desafio de evoluir os aurinegros está nas mãos de John Plumtree, que subiu de assistente para treinador principal. A linha, por outro lado, segue um terror para os oponentes, apesar da perda de Julian Savea. A combinação de TJ Perenara, Beauden e Jordie Barrett, Ngani Laumape, Salomon Alaimalo e Nehe Milner-Skudder é devastadora. Título é o objetivo claro;

 

Austrália

Brumbies logo copy

Brumbies

Cidade: Canberra

2018: 10º lugar

2019: Após uma temporada instável, os Brumbies aparecem como uma boa aposta de evolução entre os times australianos. O técnico Dan McKellar contará com líderes importantes como David Pocock, Pete Samu, Rory Arnold e Scott Sio no pack e Tevita Kuridrani na linha. O desempenho defensivo em 2018 foi bom, mas estrada é muito longa para o time de Canberra realmente impressionar;

 

Rebels

Cidade: Melbourne

2018: 9º lugar

2019: Decepção da temporada passada, o Melbourne Rebels disparou entre os melhores no inicio da temporada e falhou em obter vaga no mata-mata, que segue como a obsessão do time mais jovem da Austrália. O polêmico showman Quade Cooper, longe dos holofotes, é a contratação que mais chamou a atenção, mas a liderança criativa do time deverá ficar com um reforço mais confiável, Matt Toomua, ao lado de Will Genia. Reece Hodge e Haylett-Petty são nomes centrais para o rendimento da equipe, assim como o matador Marika Koroibete. Os Rebels têm elenco para brigarem pela ponta da Conferência Australiana, mas precisam ganhar força mental para isso, o que caberá ao técnico David Wessel resolver;

 

Reds

Cidade: Brisbane

2018: 13º lugar

2019: Os Reds foram os piores australianos em 2018 e seguem sob desconfiança. A vida não será fácil para o time do técnico Brad Thorn, mas o time tem jovens promissores e alguns nomes importantes da seleção Wallaby, como Samu Kerevi, Sefa Naivalu e Izack Rodda, além do “Thor” Taniela Tupou. Ainda assim, pouco se espera da equipe de Brisbane;

 

Waratahs

Cidade: Sydney

2018: 5º lugar / Semifinal

2019: No oapel os Waratahs são os melhores da Austrália em em 2018 lideraram o Super Rugby em linhas quebradas e metros corridos. O time do técnico Daryl Gibson perdeu o artilheiro Naiyaravoro, mas ainda conta com uma linha de grandes nomes, com Kurtley Beale, Bernard Foley, Nick Phipps, Adam Ashley-Cooper e do polêmico Israel Folau, que acaba de ganhar a companhia de seu irmão mais novo, Josh Folau. No pack, Michael Hooper é a liderança, apoiado por nomes como Sekope Kepu, Ned Hanigan, entre outros. Os ‘Tahs podem ir longe e se o fizerem poderá haver bons reflexos inclusivo para os Wallabies. Componente psicológico será central para o time de Sydney repetir uma semifinal e até pensar em decisão;

 

Japão

Sunwolves

Cidade: Tóquio

2018: 15º lugar

2019: O único time japonês da competição é, mais uma vez, o maior candidato à lanterna. Mas os Sunwolves mostraram evolução recente e se largarem a última colocação já poderão festejar. A missão está nas mãos do técnico neozelandês Tony Brown, que conta com 23 atletas da seleção do Japão (que estarão pensando na Copa do Mundo mais do que tudo) e muitos estrangeiros. O ex All Black Rene Ranger é a novidade maior no time. Entre os japoneses, atenção no pilar Keita Inagaki, no asa Michael Leitch e no segunda linha Kazuki Himeno, destaques em 2018;

 

1ª rodada

15/02 – Chiefs x Highlanders

15/02 – Brumbies x Rebels

16/02 – Blues x Crusaders

16/02 – Waratahs x Hurricanes

16/02 – Sunwolves x Sharks

16/02 – Bulls x Stormers

16/02 – Jaguares x Lions

 

Histórico

AnoCampeãoPaís
Era Amadora
1993 (Super 10)Lions (Transvaal)África do Sul
1994 (Super 10)RedsAustrália
1995 (Super 10)RedsAustrália
Era Profissional
1996 (Super 12)BluesNova Zelândia
1997 (Super 12)BluesNova Zelândia
1998 (Super 12)CrusadersNova Zelândia
1999 (Super 12) CrusadersNova Zelândia
2000 (Super 12)CrusadersNova Zelândia
2001 (Super 12)Brumbies logo copyBrumbiesAustrália
2002 (Super 12)CrusadersNova Zelândia
2003 (Super 12)BluesNova Zelândia
2004 (Super 12)Brumbies logo copyBrumbiesAustrália
2005 (Super 14)CrusadersNova Zelândia
2006 (Super 14)CrusadersNova Zelândia
2007 (Super 14)BullsÁfrica do Sul
2008 (Super 14)CrusadersNova Zelândia
2009 (Super 14)BullsÁfrica do Sul
2010 (Super 14)BullsÁfrica do Sul
2011 (Super Rugby - 15)RedsAustrália
2012 (Super Rugby - 15)ChiefsChiefsNova Zelândia
2013 (Super Rugby - 15)ChiefsChiefsNova Zelândia
2014 (Super Rugby - 15)WaratahsAustrália
2015 (Super Rugby - 15)Highlanders NZ rugby union team logo.svgHighlandersNova Zelândia
2016 (Super Rugby - 18)HurricanesNova Zelândia
2017 (Super Rugby - 18)CrusadersNova Zelândia
2018 (Super Rugby - 15)CrusadersNova Zelândia
2019 (Super Rugby - 15)CrusadersNova Zelândia
2020 (Super Rugby - 15)--
Resumo - Era Profissional
10 títulosCrusadersNova Zelândia
3 títulosBluesNova Zelândia
BullsÁfrica do Sul
2 títulosBrumbies logo copyBrumbiesAustrália
ChiefsChiefsNova Zelândia
1 títuloHighlanders NZ rugby union team logo.svgHighlandersNova Zelândia
HurricanesNova Zelândia
RedsAustrália
WaratahsAustrália
Resumo - Era amadora
2 títulosRedsAustrália
1 títuloLionsÁfrica do Sul