Brasil vencendo os Estados Unidos em 2016. Foto: Fotojump

ARTIGO OPINATIVO – A história do rugby tem suas zebras históricas. Muitas vezes, em muitas ocasiões, jogos entre Nova Zelândia, Austrália, África do Sul, França, Inglaterra, Gales, Escócia e Irlanda terminaram com resultados surpreendentes, quebrando prognósticos. Essas são as 8 seleções que por décadas foram consideradas o “tier 1”, isto é, o primeiro escalão do mundo.

Porém, as seleções do chamado “tier 2” também já produziram zebras. Neste artigo, estão listadas 10 zebras que colocaram os holofotes para nações emergentes pela primeira vez. Uma zebra por país apenas! E somete em test matches (jogos oficiais entre seleções). Vamos a mas uma lista polêmica.

 

10 – Brasil 24 x 23 Estados Unidos, Americas Rugby Championship 2016

- Continua depois da publicidade -

De todas as heroicas vitórias dos Tupis nos últimos anos, foi a vitória na Arena Barueri sobre os Estados Unidos em 2016 que realmente marcou época. Era a primeira edição do Americas Rugby Championship e o Brasil ganhou as manchetes do mundo com uma vitória que não estava no “script”, provando que a nova competição não estava fadada à previsibilidade. Foi o jogo que marcou uma geração e terminou de modo dramático com o penal da vitória chutado por Moisés com o tempo esgotado.

9 – Argentina 18 x 03 Austrália, 1983 (Amistoso)

A Argentina é hoje considerada uma seleção “tier 1”, mas por muito tempo foi largada na “periferia” do esporte pelas grandes nações do esporte. Os argentinos têm vitória marcantes nas décadas anteriores, mas nenhuma havia ainda ganho o status de um test match. Em 1982, os argentinos chocaram o mundo derrotando os Springboks, mas a partida não teve em campo os Pumas: os argentinos montaram uma seleção sul-americana, os velhos Jaguares, para obterem tal feito.

O primeiro grande triunfo em um test match foi em 1983, quando os Pumas viajaram à Austrália e surpreenderam uma poderosa seleção australiana por 18 x 03. Os Wallabies viviam uma era dourada e sentiram o que estava por vir: uma Argentina que não “deve nada” a ninguém.

8 – Itália 40 x 32 França, FIRA Trophy 1997

Hoje a Itália também é considerada uma “tier 1”, mas apenas porque é uma seleção do Six Nations. Qual foi o jogo valeu para os italianos o convite para jogarem a grande competição europeia? Foi a vitória épica em 1997 sobre a França em solo francês (em Grenoble). Os italianos já tinham derrotado antes a Irlanda em test match, mas os irlandeses viviam em baixa e o barulho não se fez. Foi 1997 que mudou a história do rugby da Itália.

7 – Romênia 11 x 05 França, FIRA Trophy 1960

Entre os anos 60 e 80, a Romênia poderia ter sido considerada uma nação do primeiro escalão. Os romenos tinham um rugby poderoso e chegaram a abalar a Europa ao vencerem Gales em 1988 em Cardiff. Porém, o primeiro choque veio antes. Em 1960, a França já era uma potência e a Romênia ignorou os prognósticos derrotando os franceses por 11 x 05 diante de 55 mil torcedores. Era o início de uma época dourada para os romenos.

Vamos ficar devendo um vídeo de 1960, mas abaixo está o duelo de 1968 entre os dois países.

6 – Irlanda 17 x 14 Nova Zelândia, Copa do Mundo de 2014 (Feminina)

Não ficaremos nesta lista apenas no rugby masculino. O rugby XV feminino tem diferenças ainda maiores entre as seleções de ponta e as demais, mas a Copa do Mundo já viveu seu momento de zebra. A poderosa Nova Zelândia conheceu de perto a evolução da Irlanda, que venceu pela primeira vez as Black Ferns em sua história em 2014: 17 x 14.

A última derrota das Blacks Ferns no Mundial havia sido em 1991. Eram 4 títulos invictos consecutivos e quem quebrou a sequência não foi a Inglaterra, na época a única considerada no mesmo patamar das neozelandesas.

 

5 – Uruguai 30 x 27 Fiji, Copa do Mundo de 2019

A Copa do Mundo de 2019 criou um dos momentos mais emocionais da história do torneio, quando o Uruguai conquistou aquela que para muitos é a maior vitória da história dos Teros – e a primeira que chamou a atenção do mundo. 30 x 27 épicos sobre Fiji, ainda na memória dos rugbiers do mundo. Tratava-se de uma badalada equipe fijiana. Não foi pouca coisa.

 

4 – Tonga 16 x 11 Austrália, em 1973 – Amistoso

Tonga chamou a atenção antes de Samoa. Bem antes. Em 1973, a minúscula nação do Pacífico enviou sua seleção à Austrália e fez o inimaginável: uma vitória por 16 x 11 sobre os Wallabies. Os australianos podiam ainda não ter a força de hoje, mas Tonga entrava para o mapa.

Tonga ainda venceria em 2011, na Copa do Mundo, a França, em um dos resultados mais surpreendentes até hoje. Porém, a primeira grande vitória tonganesa havia sido em 1973.

 

3 – Fiji 17 x 15 Austrália, em 1952 (amistoso)

Fiji foi a primeira seleção do Pacífico Sul que deu as caras no cenário internacional. Em 1952, os fijianos visitaram a Austrália e chocaram os público aussie vencendo pela primeira vez os Wallabies. Era a primeira aparição de sucesso de uma das ilhas e levaria a sucessos fijianos que se seguiriam, como nova vitória sobre os Wallabies e 1954 e o famoso triunfo sobre os British and Irish Lions em 1977. Tudo começou com os pioneiros de 1952.

Não encontramos vídeo da vitória sobre os Wallabies, mas achamos o triunfo daquele ano sobre a seleção do estado australiano de Nova Gales do Sul (atual Waratahs).

2 – Samoa 16 x 13 Gales, Copa do Mundo de 1991

Samoa chegou duas vezes às quartas de final da Copa do Mundo e a primeira delas é certamente um dos mais famosos jogos da história dos Mundiais. Tratava-se da primeira Copa do Mundo de Samoa – que não esteve em 1987 – e na primeira fase os azuis enfrentaram Gales, na casa dos galeses, em Cardiff, e produziram verdadeiramente a primeira grande surpresa das Copas. Vitória samoana por 16 x 13, coroando uma geração brilhante naquela que fora a primeira vitória da história de Samoa contra um país “tier 1”. To’o Vaega e Sila Vaifale fizeram os famosos tries e Samoa ainda seria capaz de vencer a Argentina por 35 x 12 na sequência para ir às quartas, caindo contra a Escócia.

Os samoanos voltariam a vencer Gales no Mundial de 1999, mas foi 1991 que realmente deu o holofote a Samoa.

1 – Japão 34 x 32 África do Sul, Copa do Mundo de 2015

Sem dúvida alguma, a maior zebra da história dos Mundiais da bola oval ocorreu no Mundial passado. Em 2015, ninguém sonhava com o Japão vencendo a África do Sul, mas isso aconteceu para o espanto geral. 34 x 32 épicos para os Brave Blossoms, logo na primeira rodada. O fim de jogo foi inacreditável. Aos 69′, o fullback Ayumu Goromaru fez o try que colocava o Japão no páreo e, já com o tempo esgotado, os asiáticos mantiveram a bola viva e Karne Hesketh marcou um try que até hoje não saiu da retina do mundo oval. Vitória de virada – a primeira vitória do Japão em Mundiais desde 1991. Incrível. Na sequência, no entanto, o Japão não conseguiu ir às quartas, por conta de uma derrota para a Escócia, que costuma frustrar as zebras.

O Japão ainda produziria outros resultados impactantes nos anos seguintes, mas o momento que abriu as portas do sucesso foi em 2015.

Menção honrosa: Estados Unidos 17 x 03 França, Jogos Olímpicos de 1924

Outra nação do “tier 2” que abalou o mundo foi o time dos Estados Unidos de 1924, que derrotou a França em Paris para conquistar a medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de 1924, em jogo que terminaria em pancadaria e seria o último do rugby XV nas Olimpíadas até hoje. Entretanto, a famoso vitória não pôs os EUA no “mapa”. O feito foi seguido pela obscuridade do rugby nos Estados Unidos, pelo domínio do futebol americano. O florescimento do rugby estadunidense só viria décadas depois.