Tarde de sábado do melhor do rugby brasileiro em ação! Será dia de semifinais do Super 16, o Campeonato Brasileiro, com as duas partidas sendo exibidas pela Brasil Rugby TV ao vivo! Desta vez, em jogos únicos, na casa dos times que tiveram as melhores campanhas até aqui. E os dois duelos ainda não ocorreram em 2018.

Dono da melhor campanha até aqui, o invicto Farrapos receberá o atual campeão Jacareí, em Bento Gonçalves, na reedição da grande final de 2017 – que foi de arrepiar, decidida no lance final a favor do Jacareí, lembra?

Já o Curitiba, campeão  brasileiro de 2016, terá o mando de jogo contra a Poli, que jamais em sua história havia alcançado a semifinal do Campeonato Brasileiro.

- Continua depois da publicidade -

 

A reedição da final de 2017: Farrapos contra Jacareí

  • Farrapos e Jacareí voaram ao longo do Super 16 de 2018. O Farrapos é o único time invicto até aqui (e invicto no ano, já que não perdeu no Campeonato Gaúcho), ao passo que o Jacareí é dono do melhor ataque e da melhor defesa do Super 16;
  • As artilharias do campeonato também estão divididas entre Farrapos e Jacareí. O argentino Facundo, do Farrapos, é o artilheiro em pontos do Super 16 até aqui, ao passo que Drudi, do Jacareí, é o artilheiro de tries da competição;
  • Em 2017, o Jacareí produziu uma virada histórica para cima do Farrapos na grande final do Super 8, vencendo seu primeiro título da competição com um 18 x 15. O Farrapos, por sua vez, ainda busca sua primeira conquista;
  • Na última vez que os dois clubes se enfrentaram em Bento Gonçalves foi em 2015, com vitória de 21 x 13 do Farrapos. O Jacareí, com isso, tem um pequeno (mas duro) tabu a quebrar pela frente, que é vencer na Montanha;
  • Gabriel “Gabó” Cenamo, treinador do Jacareí, deixou claro o tamanho do desafio para o clube campeão brasileiro de 2017: “Jogar na montanha é sempre difícil e tenho certeza que as duas equipes vão apresentar um duelo digno de semifinal, assim como foi a final do ano passado. Acredito que as quartas de final com Pasteur nos fortaleceram como equipe. Podem esperar um time que vai lutar do começo ao fim para voltar com a vitória”. Para passar pelo Pasteur, o Jacareí perdeu o primeiro jogo por 13 pontos de diferença em São Paulo, mas reverteu a diferença em casa;
  • Javi Cardozo, atleta e treinador do Farrapos, também ponderou sobre a dificuldade de encarar os Jacarés, tendo 2017 na memória. “Acho que maior desafio com relação ao jogo especificamente é colocar nossa melhor versão como equipe, acreditamos muito no coletivo nosso e capacidade de ser protagonistas durante os 80 minutos… O desafio mental para nós é não pensar no jogo como se fosse uma revanche. O que aconteceu ano passado é história antiga para nós e não queremos conviver com essas emoções durante a semana de preparação e o dia do jogo. Trabalhamos muito nisso”;
  • Os dois elencos deverão estar próximos do ideal de seus treinadores, mas as escalações ainda não foram reveladas;

 

Semifinal inédita entre Curitiba e Poli

  • A Poli é um meteoro no rugby brasileiro, com o clube tendo experimentado dois anos de intenso crescimento, passando a ser protagonista na luta por todo e qualquer título que dispute. O clube paulistano está recheado de Tupis e em sua primeira semifinal, após ter caído nas quartas de 2017. Lesões ainda preocupam o técnico Maurício Carli, como a perda de De Wet para a semifinal. Ainda assim, dotada de um poderoso pack de forwards – de Gelado, Abud & cia – e com atletas criativos como Zé e Maranhão na linha, o time politécnico irá a Curitiba com ambição;
  • Para Carli, o desafio está dado, com humildade pelo ineditismo, mas otimismo. “O desafio é imenso. É a primeira vez na história do clube que entramos no hall dos 4 melhores do Brasil. Com certeza somos os menores visto que os outros 3 ou já foram campeões ou foram vice (caso do Farrapos, hoje o favorito no país). Vamos pra Curitiba esperando uma guerra, pois o CRC é um time que teve jogos mais fáceis que os nossos até agora e devem estar completos. Estamos muito focados (como nunca vi) e eu particularmente estou esperançoso”;
  • A Poli passou pela primeira fase deixando Pasteur, Band Saracens e Niterói para trás e derrotou o São José nas quartas com um segundo jogo imponente no CEPEUSP. Porém, em sua viagem ao Vale, a vitória havia sido joseense, o que significa que haverá o desafio da vitória fora de casa para bicampeões paulistas de 2017 e 2018;
  • O Curitiba tem igualmente em seus avançados uma arma poderosíssima, com o jogo devendo ser extremamente físico – ainda mais com previsão de chuva para o Paraná no sábado;
  • Os Touros passaram invictos pela fase de grupos, mas caíram por 21 pontos de diferença diante do Desterro no jogo de ida das quartas. Porém, o Curitiba produziu uma brilhante virada na volta na capital paranaense e segue invicto em casa neste ano. Os Touros fizeram uma blitz com 2 tries em 10 minutos e jogaram para os catarinenses a pressão, sendo capazes de reverter a desvantagem total ao final da partida;
  • O time paranaense deverá estar completo para o jogo, mas com o técnico Carlitos Baldassari ciente das dificuldades e da responsabilidade de jogar em casa: “Acho que o primeiro objetivo é manter a intensidade de jogo durante 80 minutos. Depois temos que ser cientes de que o jogo vai ser o mais duro do ano e precisamos elevar o nível de jogo para passar. Uma semifinal com o atual campeão paulista com seus jogadores de um lógico alto nível significar a necessidade de fazer um jogo de rugby com uma exigência grande”;
  • Em 2017, a Poli venceu o Curitiba em São Paulo por 10 x 07, sendo esta a primeira vez dos politécnicos em Curitiba contra os Touros na história recente do clube na elite nacional;

 

versus copiar

15h00 – Farrapos x Jacareí

Árbitro: Murilo Bragotto

Local: Estádio da Montanha – Bento Gonçalves, RS

 

versus copiar

15h00 – Curitiba x Poli

Árbitro: Xavier Vouga

Local: Paraná Esporte – Curitiba, PR