Foto: Seven Viña 2018

Com transmissão ao vivo pelo Watch ESPN, terá início nesse fim de semana (dias 15 e 16) em Viña del Mar, no Chile, a edição inaugural do World Rugby Sevens Challenger Series, o novo circuito da 2ª divisão mundial masculina, com participação do Brasil.


Os jogos serão no Estadio Sausalito, principal estádio da cidade, palco da Copa América de Futebol de 2015 e da Copa do Mundo da FIFA de 1962. O anfitrião Chile, o Japão (rebaixado da elite no ano passado), a Alemanha (campeão europeia) e as tradicionais Tonga e Itália na lista dos maiores candidatos ao título, com Portugal, Hong Kong e Uruguai correndo por fora, assim como o Brasil.

O árbitro brasileiro Cauã Ricardo estará no torneio também.

- Continua depois da publicidade -

Formato do circuito

O World Rugby Sevens Challenger Series é um circuito de 3 etapas. Nas duas primeiras etapas, 13 seleções fixas e 3 convidadas estarão em campo, ao passo que a última etapa contará com apenas os 8 melhores times. Assim:

  • 1ª etapa, em Viña del Mar (Chile) – 15 e 16 de fevereiro;
    • Participantes: Chile, Brasil, Uruguai, Jamaica, Alemanha, Itália, Portugal, Uganda, Zimbábue, Japão, Hong Kong, Tonga, Papua Nova Guiné (seleções fixas), México, Colômbia e Paraguai (seleções convidadas);
  • 2ª etapa, em Montevidéu (Uruguai) – 22 e 23 de fevereiro;
    • Participantes: os mesmos de Viña del Mar;
  • 3ª etapa, em Hong Kong (China) – 16 a 18 de outubro;
    • Participantes: os 8 primeiros colocados entre os times fixos após a somatória das 2 primeiras etapas;
  • O campeão da temporada 2020 conquistará promoção à World Rugby Sevens Series (a 1ª divisão mundial) para 2020-21;

 

Os grupos

Nesta primeira etapa, os 16 times foram divididos em 4 grupos com 4 times cada, sendo que os 2 primeiros de cada grupo irão às quartas de final pelo título, ao passo que os 2 últimos de cada grupo jogarão as quartas de final pelo 9º lugar.

As expectativas grupo a grupo são as seguintes:

  • No Grupo A, o Japão é o grande favorito, tendo jogado as 4 primeiras etapas da primeira divisão como convidado nesta temporada, vencendo Gales no torneio da Nova Zelândia;
  • Tonga, Portugal e Uruguai prometem grandes embates pelo segundo lugar.
    • Tonga não tem a mesma tradição de Fiji e Samoa no sevens, mas já se provou competitiva em torneios na Oceania;
    • Portugal é muito tradicional e já foi seleção fixa da elite mundial, mas acabou perdendo terreno recentemente. Porém, com força na categoria de base, os portugueses vem ensaiando dia melhores. Olho neles!
    • Uruguai, por sua vez, corre por fora no grupo, por estar focado no XV (sobretudo na Superliga sul-americana). O sevens, na prática, conta com um elenco em desenvolvimento e os Teros já mostraram que não têm mais a mesma força de antes ao serem superados pelo Brasil no Pré Olímpico de 2019 e para a Jamaica no Pan;
  • O Grupo B é o grupo com menos destaque e tem como favorito Hong Kong, que passou muito perto da promoção à elite mundial em 2019, sendo vice campeão do torneio da 2ª divisão, mas despencou na sequência passando pela decepção de perder vaga nos Jogos Olímpicos para a Coreia do Sul;
  • A Papua Nova Guiné é a segunda força do grupo e vem crescendo no sevens, a partir de sua paixão pelo Rugby League. Na sua cola estarão a convidada Colômbia, que cresce a passos largos, e a Jamaica, que provou evolução nos Jogos Pan-Americanos ao vencer o Uruguai em 2019;
  • No Grupo C, o favoritismo, em teoria, está com a Alemanha que, apesar de ter caído de rendimento no XV, se manteve forte no sevens. Em 2019, os alemães brilharam sendo campeões europeus e foram vice campeões da 2ª divisão mundial em 2017 e 2018;
  • A Alemanha sofrerá forte concorrência de Uganda e Itália. Uganda (vizinha do Quênia) é uma força na África, ao passo que a Itália vem prometendo finalmente investir na modalidade. O Paraguai é a quarta força;
  • Por fim, o Brasil está no Grupo D, que tem o Chile como favorito. Os Tupis apostaram em um elenco mesclando jovens vindos do juvenil com atletas experientes, como os olímpicos Laurent e Stefano, além de Robert, Matheus Cláudio, Ariel, David e Rauth. O comando do Brasil é novo, com o jovem treinador Júlio Faria (30 anos), que encara seu maior desafio em sua carreira;
  • O Chile (Los Cóndores) também tem um elenco mesclando experiência e juventude. Apenas 3 atletas do elenco do sevens foram contratados pelo Selknam: Baraona, Sandoval e Matías Garafulic. Os feitos chilenos na categoria recentemente são notáveis e incluem a semifinal da 2ª divisão mundial em 2019, 2018 e 2017 e o título sul-americano (vencendo a equipe principal dos Pumas argentinos) em 2019;
  • Brasil e Chile duelaram pela última vez no Pan de 2019, com empate em 14 x 14. No jogo anterior, pelo Pré Olímpico, em solo chileno, em junho de 2019, o Brasil conseguiu grande vitória por 14 x 00. No entanto, tanto Brasil como Chile tinham elencos mais experimentados no ano passado no sevens. A última vitória chilena foi nos Jogos Sul-Americanos em 2018;
  • No papel, o Brasil é a segunda força ao lado do tradicional Zimbábue, de muita história no sevens (vice campeão da 2ª divisão mundial em 2015), mas que sofre pela falta de recursos financeiros. O Brasil nunca venceu os Cheetahs (como são conhecidos os zimbabuanos), tendo sido derrotado em 2015 (21 x 14) e 2013 (21 x 07) no Hong Kong Sevens. O México (Las Serpientes) é a quarta força e nunca venceu o Brasil, mas vem mostrando evolução. O último duelo entre brasileiros e mexicanos foi em 2015 (14 x 07 para os Tupis);

 

World Rugby Sevens Challenger Series – 2a divisão mundial masculina de sevens – 1a etapa – em Viña del Mar, Chile

Grupo A: Japão, Tonga, Portugal e Uruguai

Grupo B: Hong Kong, Jamaica, Papua Nova Guiné e Colômbia

Grupo C: Alemanha, Uganda, Itália e Paraguai

Grupo D: Chile, Zimbábue, Brasil e México

 

Tupis: Adrio de Melo (Pasteur), Ariel Rodrigues (Poli), Bryan Alves (Pasteur), David Páscoa (Jacareí), Douglas Rauth (Curitiba), Gabriel Quirino (São José), Laurent Bourda-Couhet (Band Saracens), Matheus Cláudio (Jacareí), Rafael dos Santos (São José), Robert Tenório (Poli), Stefano Giantorno (São José), Vincent Quirino (São José);

 

*Horários de Brasília

Sábado, dia 15 de fevereiro

11h03 – Uganda x Itália

11h25 – Alemanha x Paraguai

11h47 – Jamaica x Papua Nova Guiné

12h09 – Hong Kong x Colômbia

12h31 – Tonga x Portugal

12h53 – Japão x Uruguai

13h15 – Zimbábue x Brasil

13h37 – Chile x México

 

14h09 – Uganda x Paraguai

14h31 – Alemanha x Itália

14h53 – Jamaica x Colômbia

15h15 – Hong Kong x Papua Nova Guiné

15h37 – Tonga x Uruguai

15h59 – Japão x Portugal

16h21 – Zimbábue x México

16h43 – Chile x Brasil

 

17h25 – Itália x Paraguai

17h47 – Alemanha x Uganda

18h09 – Papua Nova Guiné x Colômbia

18h31 – Hong Kong x Jamaica

19h08 – Portugal x Uruguai

19h35 – Japão x Tonga

20h02 – Brasil x México

20h30 – Chile x Zimbábue

 

Domingo, dia 16 de fevereiro

12h33 – Quartas de final 9º lugar – 3º A x 4º D

12h56 – Quartas de final 9º lugar – 3º C x 4º B

13h19 – Quartas de final 9º lugar – 3º D x 4º A

13h42 – Quartas de final 9º lugar – 3º B x 4º C

14h15 – Quartas de final 1º lugar – 1º A x 2º D

14h38 – Quartas de final 1º lugar – 1º C x 2º B

15h01 – Quartas de final 1º lugar – 1º D x 2º A

15h24 – Quartas de final 1º lugar – 1º B x 2º C

15h57 – Semifinal pelo 13º lugar

16h20 – Semifinal pelo 13º lugar

16h43 – Semifinal pelo 9º lugar

17h06 – Semifinal pelo 9º lugar

17h39 – Semifinal pelo 5º lugar

18h02 – Semifinal pelo 5º lugar

18h25 – Semifinal pelo 1º lugar

18h48 – Semifinal pelo 1º lugar

19h11 – Decisão de 13º lugar

20h03 – Decisão de 9º lugar

20h28 – Decisão de 5º lugar

20h54 – Decisão de 3º lugar

21h23 – FINAL

 

 SeleçãoPontuação totalEtapa 1 (Viña)Etapa 2 (Punta)Etapa 3 (Hong Kong)
Japão391722
Hong Kong361917
Alemanha352213
Chile301515
Uruguai27819
Tonga241311
Zimbábue19127
Uganda19118
Itália18612
Papua Nova Guiné16106
Jamaica17710
Portugal954
Brasil422
Campeão por etapa
- 8 primeiros colocados se classificarão ao torneio final em Hong Kong;

Obs: tabela com somente as 13 equipes fixas. Colômbia, Paraguai e México jogam como convidados e não poderão se classificar para o torneio de Hong Kong;