Sábado é dia de clássico! Brasil e Uruguai duelam em Montevidéu pelo encerramento do Americas Rugby Championship e a rivalidade nunca esteve maior. O Uruguai tem a superioridade histórica, mas o Brasil encostou e no ano passado quase conseguiu uma vitória no Pacaembu, liderando o placar no primeiro tempo, para sofrer a virada no fim do jogo.

Vencer o Uruguai se tornou a grande obsessão do Brasil, já que os uruguaios são equipe de Copa do Mundo e o maior obstáculo para os Tupis irem ao Mundial em 2023. O Brasil recentemente quebrou tabus atrás de tabus, mas resta um: o Uruguai. O Brasil venceu pela última vez os uruguaios em 1964, em São Paulo, pelo Sul-Americano, e desde então só foram derrotas. Em Montevidéu, a história registra uma vitória brasileira, em amistoso em 1953, por 3 x 0.

Uma vitória no Estadio Charrua significaria ainda outros dois feitos inéditos. Primeiramente, o Brasil terminaria na 3ª posição do Americas Rugby Championship, superando sua melhor marca anterior. E os Tupis poderiam alcançar (dependente de outros resultados) a histórica 21ª colocação no Ranking mundial, nunca antes alcançada.

 

- Continua depois da publicidade -

Josh em busca de recorde

Para o duelo com os Teros, o técnico Rodolfo Ambrosio manteve a base dos Tupis da última vitória sobre o Chile, seguindo com a regularidade nas escalações. Abud, cumprindo suspensão pelo amarelo no jogo com os EUA, segue de fora e em seu lugar de pilar estará Nelson, com Yan retornando a hooker titular, deixando Caique de fora. Paganini é o outro retorno, entrando na segunda linha no posto de Dell’Acqua, que retornou à Itália.

O restante do time titular segue intacto, com destaque para o camisa 10 Josh, que tem tudo para terminar o jogo como o artilheiro máximo do torneio. Josh soma hoje 49 pontos, contra 34 do vice artilheiro Ciaran Hern, do Canadá. Josh precisará marcar 5 pontos para bater a marca do chileno Nordenflycht, artilheiro de 2016, que tem o recorde de pontos no mesmo torneio, 53.

 

Uruguaios trazem Berchesi

Já os uruguaios provaram a cautela com relação aos Tupis. Pela primeira vez no Americas Rugby Championship 2019 os Teros chamaram um atleta que atua na Europa, o abertura Felipe Berchesi (do Dax, da 3ª divisão francesa). Berchesi deverá ser o titular para a Copa do Mundo e fará dupla com o perigoso Santiago Arata.

O grupo celeste, do técnico argentino Esteban Meneses, terá 5 dos 10 jogadores do país que atuam hoje na Major League Rugby norte-americana. São eles Arata, Sanguinetti (ambos Houston), Mieres (Toronto), Vilaseca (Austin) e Dotti (New Orleans). Olhos para Mieres, sempre muito perigoso vindo do fundo do campo, como já provou diante dos EUA na vitória do fim de semana passado por 32 x 25. A linha uruguaia, com Freitas, Favaro, Cat e Vilaseca em grande forma, fez um jogo acima da média contra os EUA e mostrou mais até aqui que a linha brasileira, ofuscada pelo foco no jogo de contato e nas formações. A presença de Arata e Berchesi evoluindo a criação torna ainda mais preocupante para o Brasil o que os uruguaios poderão fazer com a bola em mãos.

Sanguinetti, na primeira linha, foi outro destaque da vitória sobre os estadunidenses e colocará grande pressão sobre a primeira linha brasileira, o que garantirá a qualidade do espetáculo e um teste maior para o scrum brasileiro.

 

Tática brasileira

A terceira linha brasileira, de Buda, Gelado e do capitão Bergo, será instrumental à tática brasileira de assegurar o controle da posse de bola e retirar o espaço dos homens de criação uruguaios. Novamente, vencer o breakdown e o scrum será crucial para as pretensões brasileiras, mas a falta de variações de jogadas ofensivas preocupa do lado brasileiro, sobretudo após um desempenho pouco inspirado contra os chilenos em Jundiaí. Superação será a palavra para derrubar os Teros e alcançar mais uma grande feito.

Josh comentou, “é provavelmente o jogo mais importante de nossa história recente, estamos muito motivados e sabemos que o Uruguai é muito duro”.


Clássico norte-americano na noite de sexta para sábado

O primeiro jogo da rodada rola na noite de sexta para sábado em Seattle, nos EUA, com o time da casa recebendo o Canadá, no clássico norte-americano. O jogo vale pontos preciosos no Ranking, como sempre, mas também vale pela nova hegemonia. Historicamente o Canadá é muito superior aos EUA, mas tudo se inverteu recentemente e os canadenses não vencem o rival desde 2013, acumulando inéditas e preocupantes 7 derrotas e 1 empate nos últimos 8 encontros. Do lado dos EUA, a derrota contra o Uruguai fez piscar o alerta do time na preparação para o Mundial e uma vitória folgada sobre os rivais é mandatória para restaurar a confiança.

 

Arbitragem brasileira para Chile e Argentina XV

O título do Americas Rugby Championship já é da Argentina XV, mas ainda há atrações. Em Santiago, o Chile recebe os argentinos, que vão em busca de uma histórica campanha de 100% de pontos conquistados, isto é, 5 vitórias bonificadas em 5 jogos, um “grand slam” fenomenal. O jogo será no sábado, antes dos Tupis irem a campo, e terá arbitragem do brasileiro Henrique Platais.

 

*Horários de Brasília

Sábado, dia 09 de março

versus copiar

19h15 – Uruguai x Brasil, em Montevidéu – ESPN AO VIVO

Árbitro: Moe Chaudry (Canadá)

Histórico: 28 jogos, 25 vitórias do Uruguai e 3 vitórias do Brasil. Último jogo: Brasil 18 x 27 Uruguai, em 2018 (Americas Rugby Championship);

Uruguai: 15 Gastón Mieres, 14 Federico Favaro, 13 Juan Manuel Cat, 12 Andrés Vilaseca, 11 Nicolás Freitas, 10 Felipe Berchesi, 9 Santiago Arata, 8 Manuel Diana, 7 Franco Lamanna, 6 Juan Manuel Gaminara (c), 5 Diego Ayala, 4 Ignacio Dotti, 3 Juan Pedro Rombys, 2 Germán Kessler, 1 Mateo Sanguinetti;

Suplentes: 16 Facundo Gattas, 17 Guillermo Pujadas, 18 Mario Sagario, 19 Gonzalo Soto Mera, 20 Juan Diego Ormaechea, 21 Tomás Inciarte, 22 Manuel Blengio, 23 Joaquín Prada;

Brasil: 15 Daniel Sancery, 14 Lucas “Zé” Tranquez, 13 Lorenzo Massari, 12 Moisés Duque, 11 Robert Tenorio, 10 Josh Reeves, 9 Lucas “Tanque” Duque, 8 André “Buda” Arruda, 7 Arthur Bergo (c), 6 Cleber “Gelado” Dias, 5 Luiz “Monstro” Vieira, 4 Gabriel Paganini, 3 Wilton “Nelson” Rebolo, 2 Yan Rosetti, 1 Jardel Vettorato;

Suplentes: 16 Walter Schildberg, 17 João “Sininho” Talamini, 18 Pedro Bengaló, 19 Michael “Ilha” Moraes, 20 Alexandre “Texugo” Alves, 21 Douglas Rauth, 22 Stefano Giantorno, 23 Ariel Rodrigues;

 

versus copiar

00h00 – Estados Unidos x Canadá, em Tukwila/Seattle – ESPN2 AO VIVO

Árbitro: Pablo De Luca (Argentina

Histórico: 61 jogos, 38 vitórias do Canadá, 20 vitórias dos Estados Unidos e 2 empates. Último jogo: Estados Unidos 52 x 16 Canadá, em 2018 (Eliminatórias para a Copa do Mundo);

Estados Unidos: 15 Marcel Brache, 14 Blaine Scully (c), 13 Bryce Campbell, 12 Paul Lasike, 11 Mike Te’o,  10 Will Magie, 9 Shaun Davies, 8 Cam Dolan, 7 Hanco Germishuys, 6 John Quill, 5 Nick Civetta, 4 Ben Landry, 3 Paul Mullen, 2 Joe Taufete’e, 1 David Ainu’u;

Suplentes: 16 Kapeli Pifeleti, 17 Olive Kilifi, 18 Dino Waldren, 19 Greg Peterson, 20 Malon Al-Jiboori, 21 Ruben de Haas, 22 Tadhg Leader, 23 Gannon Moore;

Canadá: 15 Theo Sauder, 14 Andrew Coe, 13 Nick Blevins, 12 Ciaran Hearn, 11 Kainoa Lloyd, 10 Gordon McRorie, 9 Phil Mack, 8 Luke Campbell, 7 Lucas Rumball (c), 6 Justin Blanchet, 5 Kyle Baillie, 4 Conor Keys, 3 Cole Keith, 2 Benoît Pifféro, 1 Hubert Buydens;

Suplentes: 16 Jordan Olsen, 17 Noah Barker, 18 Ryan Kotlewski, 19 Josh Larsen, 20 Dustin Dobravsky, 21 Jamie Mackenzie, 22 Patrick Parfrey, 23 Doug Fraser;

 

versus copiar

16h50 – Chile x Argentina XV, em Maipú/Santago – ESPN AO VIVO

Árbitro: Henrique Platais (Brasil)

Histórico: 4 jogos e 4 vitórias da Argentina XV. Último jogo: Argentina XV 47 x 14 Chile, em 2019 (amistoso);

Chile: 15 Christian Huerta; 14 Beltrán Vergara, 13 José Ignacio Larenas, 12 Vicente Ayarza, 11 Gonzalo Lara; 10 Francisco González Moller, 9 Domingo Saavedra; 8 Martín Sigren (c), 7 Thomas Orchard, 6 Eduardo Orpis; 5 Javier Eissmann, 4 Francisco Garrido; 3 Matías Dittus, Augusto Bohme, 1 Santiago Garrido;

Suplentes: 16 Claudio Zamorano 17 Nicolás Ovalle, 18 Mauricio Gómez 19 Augusto Sarmiento 20 Javier Richard 21 Jaden Laing 22 Juan Pablo Perrotta 23 Santiago Videla

Argentina XV: 15 Facundo Cordero, 14 Matías Osadczuk, 13 Agustín Segura, 12 Lucas Mensa, 11 Julián Domínguez, 10 Martín Elias, 9 Felipe Ezcurra, 8 Santiago Portillo, 7 Lautaro Bavaro (c), 6 Francisco Gorrisen, 5 Lucas Santa Cruz, 4 Carlos Repetto, 3 Martín Fernández Segurotti, 2 Diego Fortuny, 1 Nicolás Solveyra;

Suplentes: 16 José Luis González 17 Javier Corvalán 18 Lucas Favre 19 Santiago Portillo 20 Nicolás Sbrocco 21 Gregorio del Prete 22 Domingo Miotti 23 Tomás Cubilla;

 

 EquipeApelidoPJVED4+-7PPPCSP
ArgentinaArgentina XV2555005025860198
UruguaiTeros1854012012410222
Estados UnidosEagles1753024117313835
BrasilTupis952030164105-41
CanadáCanucks751041213110724
ChileCóndores150050153289-236
- Vitória = 4 pontos;
- Empate = 2 pontos;
- Derrota = 0 pontos;
- Anotar 4 ou mais tries = 1 ponto extra;
- Perder por 7 pontos ou menos de diferença = 1 pontos extra;