A novela da Liga Mundial segue. Presidente da World Rugby (a federação internacional), Bill Beaumont conclamou uma reunião para o fim de março envolvendo representantes dos países do Six Nations e Rugby Championship e mais Japão e Fiji (sem citar EUA), além de representantes dos atletas, para discutirem o futuro do projeto da Liga Mundial.

No comunicado oficial, Beaumont deixou claro que não há nenhuma conclusão sobre a proposta, ao contrário do noticiado na última semana.

 

Pichot defende rebaixamento

- Continua depois da publicidade -

O vice presidente do World Rugby, o argentino Agustín Pichot, deu uma esclarecedora entrevista a Ignacio Chans, do site uruguaio El Observador, na qual se posicionamento em oposição à criação de uma liga fechada, sem sistema de rebaixamento e promoção.

Na entrevista, Pichot criticou também a prematuridade da publicação sobre o projeto da Liga, falando que foi revelada uma opção não aprovada (com Japão e EUA e sem rebaixamento0, e que outra opção seria seguir o ranking mundial (no caso, com Fiji no lugar dos EUA e com sistema de rebaixamento).

Para Pichot, a opção de uma liga sem rebaixamento seria o oposto de todo o trabalho que ele vem realizando, que incluiu a criação do Americas Rugby Championship. O argentino garantiu que a batalha por uma liga aberta segue. Em sua visão, o mundo do rugby precisa de uma Liga com duas divisões de 12 seleções, totalizando 24 países envolvidos, permitindo a expansão também da Copa do Mundo para 24 seleções.

O dirigente ainda garantiu que há forças por trás tentando fazer o projeto fracassar e que o rugby mundial vive seu maior desafio no momento.