Foto: Bruno Ruas @ruasmidia

O World Rugby, a federação internacional, publicou comunicado rejeitando a proposta de um Mini Mundial em 2021 para salvar as finanças das principais federações do rugby após a pandemia.

A proposta era encabeçada por Francis Baron, ex diretor da RFU inglesa. Foi revelado posteriormente que a proposta de Baron era de que as 16 vagas fossem oferecidas por convite para Inglaterra, Gales, Escócia, Irlanda, França, Itália, Nova Zelândia, Austrália, África do Sul, Argentina, Japão, Fiji, Samoa, Tonga, Estados Unidos e Canadá, deixando de fora, por exemplo, Uruguai e Geórgia, que terminaram o Mundial 2019 acima de canadenses e estadunidenses – o que gerou críticos. O Mini Mundial ainda poderia inviabilizar a gira dos British and Irish Lions de 2021 e mesmo conflitar com os Jogos Olímpicos.

Após rejeitar publicamente a proposta, o World Rugby reafirmou o compromisso de seguir buscando alternativas para o calendário do rugby do rugby mundial após a pandemia. Entre as questões mais importante do momento estão a discussão sobre uma liga mundial e a mudança do calendário das seleções.