Mulan correndo para o try contra a França Foto: Susi Baxter-Seitz

ARTIGO COM VÍDEO – A temporada 2019-20 do Circuito Mundial de Sevens Feminino começou neste fim de semana com a etapa de Glendale/Denver, nos Estados Unidos, com as Yaras reestreando na elite mundial.

Jogos ao vivo estão sendo transmitidos no Watch ESPN.

 

Derrota na estreia contra os EUA

- Continua depois da publicidade -

As Yaras entraram em campo com a energia esperada de iniciar a temporada 2019/2020 que envolverá as Olimpíadas, demonstrando muita intensidade no contato. A posse de bola se manteve até entrar nas 22m das americanas, mas após turnover, o contra-ataque americano demonstrou frieza em controlar a bola. Nas três vezes que as americanas entraram no campo de ataque, pontuaram com Maher, Heavirland e Kelter. Primeiro tempo fechado com 17×00 para as Eagles.

O segundo tempo começou com a sensação de que o Brasil mal teve oportunidade de jogar de fato o que sabe, e passou a ter o melhor momento da partida com investidas individuais – e muitos hand offs – que chegaram até as 22m de ataque, mas que por um penal de bola presa, deu um contra-ataque que a defesa não teve tempo de se recompor, try de Kirshe, 22×00 para as americanas. Gray-Matyas fecha a conta no fim, 27×00 para os EUA.

 

Try contra a França

Parte da premissa do primeiro jogo se manteve contra a França: a posse de bola era usada em jogadas individuais e o coletivo se limitava pelo trabalho sujo no ruck após não conseguir infiltrar a defesa adversária. Apesar do placar de 19×00 – tries de Yengo, Pelle e Nelsen – a defesa brasileira mostrou mais recursos e segurou as francesas por mais tempo que contra as americanas no jogo anterior. O final do primeiro tempo, porém, mostrou finalmente um refinamento técnico/tático, com uma excelente investida de Izzy e Raquel para passar pela defesa francesa, mas que não resultou em pontos.

Na volta do intervalo, as Yaras continuaram a insistir no individual e cometia penais de bola presa após o tackle, com contra-ataque simples de apenas uma fase para o try de Ciofani, 24×00 para França. Esta sequência de penais nos rucks se repetiu ao longo do segundo tempo e gerou o cartão amarelo para Mariana Silva próximo do final da partida, que viu Torres Duxans e Grisez cruzarem para dentro do ingoal deixando suas marcas.

Thalia “Mulan” Costa marcou o primeiro try do Brasil em uma corrida incrível, praticamente de campo inteiro, após contornar toda equipe francesa no último lance do jogo. 38×05 para França.

 

Irlanda superior

O começo do jogo foi da Irlanda, aproveitando a saída de jogo e a confusão na recepção, com try de Higgins, para Irlanda, logo com 1′ de jogo. Nisso, o Brasil passou ganhar momento e trabalhar melhor a posse da bola, além de não cometer mais penais em rucks. A pressão irlandesa era inferior comparada a americana e francesa, permitindo o Brasil ganhar ritmo e avançar até o try de Raquel aos 5′, 07×07. Sentindo que dava pra encaixar o jogo, as Yaras passaram a jogar mais soltas, mas pecaram na falta de refinamento técnico, permitindo um turnover após um offload que Crowe marcou após sobrar 2 contra 1 na ponta.

Na volta do intervalo, a Irlanda já começa com try de Lane, afastando a reação brasileira. Ambas equipes passaram a sentir o cansaço e o jogo perdeu estrutura tática. O Brasil não pressionava na defesa por conta do cansaço, situação que era agravada a cada tackle e ruck sem retomar a posse da bola. E no final do jogo, após outro penal de ruck, premissa que prevaleceu em todos os jogos das Yaras, Doyle pega a defesa desorganizada para fechar a partida em 28×07 para Irlanda.


World Rugby Sevens Series – Circuito Mundial de Sevens – 1ª etapa Feminina – Denver, EUA

Grupo A: Nova Zelândia, Inglaterra, Rússia e Japão

Grupo B: Estados Unidos, França, Irlanda e Brasil

Grupo C: Canadá, Austrália, Espanha e Fiji

 

*Horários de Brasília

Sábado, dia 05 de outubro

12h53 – Austrália 31 x 05 Espanha

13h15 – Canadá 31 x 07 Fiji

13h37 – França 28 x 07 Irlanda

13h59 – Estados Unidos 27 x 00 Brasil

14h21 – Inglaterra 22 x 38 Rússia

14h43 – Nova Zelândia 40 x 07 Japão

 

15h37 – Austrália 35 x 07 Fiji

15h59 – Canadá 19 x 14 Espanha

16h21 – França 38 x 05 Brasil

16h43 – Estados Unidos 45 x 07 Irlanda

17h05 – Inglaterra 21 x 14 Japão

17h27 – Nova Zelândia 40 x 12 Rússia

 

18h21 – Espanha 29 x 21 Fiji

18h43 – Canadá 26 x 26 Austrália

19h05 – Irlanda 28 x 07 Brasil

19h35 – Estados Unidos 14 x 24 França

20h05 – Rússia 29 x 00 Japão

20h33 – Nova Zelândia 36 x 00 Inglaterra

 

Domingo, dia 06 de outubro

13h11 – Quartas de final – França x Espanha

13h33 – Quartas de final – Austrália x Rússia

13h55 – Quartas de final – Estados Unidos x Canadá

14h17 – Quartas de final – Nova Zelândia x Irlanda

14h39 – Semifinal pelo 9º lugar – Inglaterra x Brasil

15h01 – Semifinal pelo 9º lugar – Fiji x Japão

 

16h17 – Semifinal pelo 5º lugar

16h39 – Semifinal pelo 5º lugar

17h01 – Semifinal pelo Ouro

17h23 – Semifinal pelo Ouro

 

18h37 – Decisão de 9º lugar

19h01 – Decisão de 5º lugar

19h28 – Decisão de Bronze (3º lugar)

19h58 – FINAL – Decisão de Ouro

 

Convocadas pelo Brasil: Andressa Alves (Guanabara), Bianca Silva (Leoas), Cláudia Teles (Niterói), Dayana Dakar (Niterói), Eshyllen Coimbra (Guanabara), Isadora “Izzy” Cerullo (Niterói), Luiza Campos (Charrua), Marcelle Souza (Guanabara), Mariana Nicolau (São José), Rafaela Zanellato (Curitiba), Raquel Kochhann (Charrua) e Thalia “Mulan” Costa (Delta);