Brasil contra Peru. Foto: CBRL

Tempo de leitura: 4 minutos

A Confederação Brasileira de Rugby League anunciou um novo técnico masculino e um inédito amistoso contra a Turquia em fevereiro de 2021, em Sydney, na Austrália, com estádio e data a confirmar. O jogo será o primeiro da Seleção Brasileira Masculina com o nome de Carcarás, recém eleito pela comunidade. Por ser em Sydney, o Brasil deverá ter como base os “Braussies”, os atletas brasileiros residentes na Austrália. Caso a situação sanitária melhore, há a possibilidade de atletas baseado no Brasil se somarem à seleção.

O novo treinador dos Carcarás é Jake Tonitto, que assumirá as rédeas do Brasil nos jogos masculinos na Austrália, substituindo Matt Gardner, que agora se focará apenas na Seleção Feminina. Tonitto tem experiência na elite australiana treinando no sistema de desenvolvimento Penrith Panthers e Wests Tigers, e também conduziu os Minchinbury Jets a uma Premiership com o time “A” (segunda equipe) do clube em 2020.

Antes da COVID, ele também foi treinador assistente do Windsor Wolves na tradicional Copa Ron Massey.

- Continua depois da publicidade -

“Estar envolvido com a Brasil Rugby League é algo que eu tenho uma visão de longo prazo, e estou interessado em como posso ajudar a quinta maior nação do mundo a melhorar em uma escala global. Eles serão, sem dúvida, adversários difíceis e teremos que nos preparar como se fossem nosso maior desafio até agora”, comentou Tonitto.

Os turcos estão em 24o no ranking da International Rugby League, 17 posições acima do Brasil, que está em 41o. Baseada em jogadores residentes na Austrália, a Turquia debutou em 2018 no League e já teve uma vitória por 60 x 00 sobre o Japão.

 

Ranking Mundial de Rugby League

Posição País
Nova Zelândia
Austrália
Inglaterra
Tonga
Fiji
Papua Nova Guiné
Samoa
França
Escócia
10ºLíbano
11ºGrécia
12ºIrlanda
13ºItália
14ºGales
15ºSérvia
16ºMalta
17ºNoruega
18ºEstados Unidos
19ºPolônia
20ºJamaica
21ºHungria
22ºRepública Tcheca
23ºIlhas Cook
24ºTurquia
25ºHolanda
26ºEspanha
27ºCanadá
28ºNigéria
29ºIlhas Salomão
30ºSuécia
31ºAlemanha
32ºChile
33ºGana
34ºMarrocos
35ºVanuatu
36ºÁfrica do Sul
37ºRússia
38ºCamarões
39ºUcrânia
40ºColômbia
41ºBrasil
42ºBélgica
43ºDinamarca
44ºBulgária
45ºLetônia

 

O que é o Rugby League

O Rugby League é uma modalidade do rugby que nasceu em 1895 no Norte da Inglaterra. Na época, o rugby (o Rugby Union) proibia o profissionalismo no mundo todo, mas um grupo de clubes ingleses se opôs à proibição de pagamentos a jogadores e romperam com a federação inglesa, formando uma liga independente. A fim de mudar a dinâmica do jogo e torná-lo mais aberto, a liga passou a promover mudanças nas suas regras, criando uma modalidade distinta, jogada com regras diferentes. O League, no entanto, se difundiu fortemente apenas no Norte da Inglaterra e na Austrália, onde é mais popular que o Union. O esporte ganhou popularidade ainda na Papua Nova Guiné (país da Oceania onde é o League e não o Union quem reina) e, em menor dimensão, na Nova Zelândia e em algumas partes da França.

As entidades que organizam o Rugby League no mundo não têm ligações com as entidades do Rugby Union. A federação internacional do League é a International Rugby League (IRL) – Federação Internacional de Rugby League. No Brasil, a entidade que organiza o League é a CBRL – Confederação Brasileira de Rugby League.

Quais as principais diferenças do League para o Union?

  • O League é jogado por 2 times de 13 jogadores cada, com 4 reservas, sendo que um atleta que foi substituído poderá retornar a campo. A modalidade reduzida principal é o Nines, de 9 jogadores de cada lado;
  • No League, o try vale 4 pontos, a conversão 2, o penal 2 e o drop goal (chamado também de field goal) 1 ponto;
  • Não existem rucks. Quando um atleta sofre o tackle, é seguro e vai ao chão o jogo é parado. O atleta com a bola é liberado, rola a bola com os pés para trás e o jogo é reiniciado. É o chamado “play the ball”;
  • Cada equipe tem direito a realizar 5 vezes o play the ball e, na sexta vez que um atleta é derrubado, a posse da bola troca de equipe. É a chamada “Regra dos 6 tackles”. Com isso, é comum após o 5º tackle a equipe com a posse da bola chutá-la;
  • Se a equipe defensora tocar na bola entre um play the ball e outro a contagem de tackles é zerada. Quando uma equipe com a posse de bola comete um erro de manuseio e a bola troca de posse o primeiro tackle é considerado “tackle zero” e a contagem se inicia apenas após ele;
  • Não há lineouts. A reposição da bola que saiu pela lateral é feita a partir de um scrum. Penais chutados para a lateral são cobrados com free kick;
  • Na prática, os scrums não possuem disputas, pois a equipe que introduz a bola na formação pode introduzi-la diretamente no pé de sua segunda linha. Porém, a equipe sem a bola pode tentar empurrar a formação para roubar a bola (o que é raro de acontecer);
  • Não existe o mark. Com isso, chutes no campo ofensivo são frequentes;
  • Um chute dado atrás da linha de 40 metros do campo de defesa que saia pela lateral após a linha de 20 metros do campo ofensivo é chamado de “40/20” e premia a equipe chutadora com a manutenção da posse da bola e com a contagem de tackles zerada;
  • A numeração dos atletas no League muda. Os números mais altos são para os forwards e os números menos são para a linha. O fullback é o camisa 1 e o pilar o 13, por exemplo;