Springboks se agigantam e Habana faz história contra os Estados Unidos

A África do Sul está no trilho certo. Após uma primeira etapa pouco inspirada, a África do Sul fez um segundo tempo inspirado diante dos Estados Unidos, fizeram elásticos 64 x 0 e asseguraram o primeiro lugar no Grupo B, encerrando em alta a primeira fase da Copa do Mundo. Os Estados Unidos encerraram a partida como a primeira equipe em 2015 a passar um jogo sem somar pontos, ao passo que o sul-africano Bryan Habana fez história, anotou três tries no jogou e se igualou como o maior anotador de tries da história da Copa do Mundo, ao lado do neozelandês Jonah Lomu, com 15 tries, e como o maior anotador de tries da história do rugby mundial entre seleções, 64, ao lado do australiano David Campese.

 

Os Estados Unidos começaram ousando na partida com um penal a 3′, que Folau Niua arriscou do meio campo, mas não teve sucesso. Depois disso, só deu África do Sul, que mostrou grande superioridade no pack de forwards, sobretudo na terceira linha, destruindo as ações americanas e controlando a posse de bola e o território por praticamente o jogo todo. Aos 5′, o scrum dos Springboks atropelou e optou por lateral no penal, já mostrando sua intenção de colecionar tries o mais rápido possível. Aos 7′, o try saiu, com a bola “pipocando” entre o capitão Fourie Du Preez e Schalk Burger até encontrar Damien De Allende, que não titubeou para finalizar.

 

O domínio seguiu na mão sul-africana, mas nem Du Preez, nem Pollard, começaram o jogo inspirados e a partida ficou amarrada e sem criatividade. Aos 15′, as Águias tiveram a chance de somar um penal com Kruger, mas o chute saiu ruim. Aos 24′, Jesse Kriel perdeu um try por pouco, mergulhando sem conseguir apoiá-la no in-goal. Mas, a África do Sul logo quebrou o gelo e, aos 27′, o scrum sul-africano atropelou e o penal try foi marcado com demora pelo árbitro Pascal Gaüzère.

 

O domínio verde e ouro seguiu, mas antes do intervalo quem teve a melhor chance foram os Estados Unidos, com Scully interceptando passe e correndo meio campo até perder a posse. 14 x 0 na ida aos vestiários.

 

O segundo tempo foi totalmente diferente e os Springboks mostraram inspiração plena. Logo no primeiro minuto, Du Preez criou, colocou com os pés para Habana anotaram seu primeiro try no jogo. A porta já começa a se abrir. Aos 46′, os sul-africanos liquidaram a pendência do ponto-bônus com Bismarck du Plessis cruzando o in-goal após scrum poderoso.

 

Nocauteados, os norte-americanos viram os tries se multiplicarem sem qualquer possibilidade de reação. François Louw rompeu para o quinto try depois de maul, aos 52′, ao passo que seis minutos mais tarde Habana correu para seu segundo try, depois de jogada nascida em lateral, funcionando muito bem. E dois minutos depois a bola sobrou e Habana subiu para o lugar mais alto do panteão ao cravar seu terceiro try na partida e se igualar a Lomu e Campese. E o quarto try podia ter saído na sequência, com Habana mergulhando para apanhar chute no in-goal, mas não conseguiu controlar a bola.

 

Aos 68′, foi a vez de Louw somar seu segundo try no jogo, novamente finalizando maul devastador. E, aos 72′, Jesse Kriel correu para o nono try verde. O décimo e último try saiu, já nos acréscimos, em contra-ataque puxado com os pés por Lwazi Mvovo, mostrando muita habilidade. 64 x 0, para os Springboks comemorarem a boa fase e os Eagles lamentarem a pancada.

 

A África do Sul já encerrou sua participação na primeira fase, enquanto os EUA voltam a campo no domingo, contra o Japão. Diante dos Springboks, os estadunidenses optaram por poupar alguns atleta e devem ir com força máxima para tentar uma vitória de honra contra os nipônicos.

 

springboks logo64versus(14)00usa_copy

África do Sul 64 x 0 Estados Unidos, em Estádio Olímpico, Londres

Árbitro: Pascal Gaüzère (França)

Assistentes: Nigel Owens (Gales) e Mike Fraser (Nova Zelândia) / TMO: George Ayoub (Austrália)

 

África do Sul

Tries: Habana (3), Louw (2), De Allende, Penal try, B du Plessis, Kriel e Mvovo

Conversões: Pollard (4) e Steyn (3)

15 Willie le Roux, 14 Bryan Habana, 13 Jesse Kriel, 12 Damian de Allende, 11 Lwazi Mvovo, 10 Handre Pollard, 9 Fourie du Preez (c), 8 Duane Vermeulen, 7 Schalk Burger, 6 Francois Louw, 5 Lood de Jager, 4 Eben Etzebeth, 3 Frans Malherbe, 2 Bismarck du Plessis, 1 Tendai Mtawarira.

Suplentes: 16 Schalk Brits, 17 Trevor Nyakane, 18 Coenie Oosthuizen, 19 Pieter-Steph du Toit, 20 Willem Alberts, 21 Rudy Paige, 22 Morne Steyn, 23 Jan Serfontein.

 

Estados Unidos

15 Blaine Scully, 14 Brett Thompson, 13 Folau Niua, 12 Andrew Suniula, 11 Zach Test, 10 Shalom Suniula, 9 Niku Kruger, 8 Samu Manoa (c), 7 John Quill, 6 Danny Barrett, 5 Matthew Trouville, 4 Louis Stanfill, 3 Chris Baumann, 2 Phil Thiel, 1 Oli Kilifi.

Suplentes: 16 Joe Taufetee, 17 Zach Fenoglio, 18 Mate Moeakiola, 19 Titi Lamositele, 20 Cam Dolan, 21 Al McFarland, 22 Mike Petri, 23 Chris Wyles.

 

ClubePJVED4+-7PPPCSP
Grupo A
Austrália1744001014135106
Gales134301101116744
Inglaterra114202211337558
Fiji541031084101-17
Uruguai040040030226-196
Grupo B
África do Sul1643013117656120
Escócia144301201421393
Japão1243010098100-2
Samoa641031169124-55
Estados Unidos040040050156-106
Grupo C
Nova Zelândia1944003017449125
Argentina1543013017970109
Geórgia842020053122-69
Tonga641031170130-60
Namíbia140040170174-104
Grupo D
Irlanda1844002013535100
França144301201176453
Itália104202117488-14
Romênia441030060126-66
Canadá240040258141-83

Comentários