Glossário do Rugby

0
2427
ATUALIZADO EM 20/10/2015 – Esta é a seção do site elaborada para sanar as dúvidas que você possa ter sobre o vocabulário usado no rugby

 

Rugby – termo usuado quase no mundo todo para se referir ao rugby union, contudo pode fazer referência também ao rugby league ou a ambos.

 

Rúgbi – termo no português do Brasil para o rugby.

 

Râguebi – termo no português de Portugal para o rugby.

 

Rugby Football – nome completo do esporte até a cisão entre rugby union e rugby league. Usado até hoje por muitos para se referir ou ao rugby union ou ao rugby league.
- Continua depois da publicidade -

 

Rugby Union – o mais difundido entre os dois esportes chamados de rugby. Possui duas modalidades principais: a tradicional com 15 jogadores de cada lado (15-a-side ou XV) e o seven-a-side, com 7 jogadores por equipe. Por ser o mais praticado e assistido no mundo, é comum o rugby union ser chamado apenas de rugby.

 

Rugby League – o outro esporte chamado de rugby. Jogado por 13 jogadores de cada lado, o rugby league também é chamado de rugby de XIII. O league tem a mesma origem do rugby union, sendo que ambos eram o mesmo esporte no século XIX. A divisão se deu em 1895, quando os defensores do profissionalismo se retiraram da RFU (Rugby Football Union) e fundaram a NRU (Northern Rugby Union), depois rebatizada de RFL (Rugby Fooball League). A RL modificou muitas das regras do jogo ao longo do tempo, criando um esporte novo. A divisão entre profissionais (league) e amadores (union) durou até 1995, quando o rugby union liberou o profissionalismo. Além da modalidade de 13 jogadores, o rugby league pode ser jogado por 7 jogadores (rugby league sevens) ou por 9 jogadores (rugby league nines).

 

Sevens (seven-a-side) – modalidade do rugby union jogada por 7 jogadores de cada lado. Possui as mesmas regras do jogo de 15 jogadores, com algumas pequenas alterações: 7 jogadores de cada lado, dois tempos de 7 minutos e scrum com 3 jogadores por equipe.

 

Tens (ten-a-side) – modalidade pouco difundida do rugby union. Também segue as mesmas regras do jogo de 15 jogadores, com algumas pequenas alterações, a exemplo do sevens.

 

Beach Rugby – é o rugby de areia, ou rugby de praia. Possui regras diferentes das usadas no rugby union de campo.

 

Touch Rugby – uma variante muito comum do rugby (tanto do union como do league) sem tackles, isto é, sem a possibilidade de se levar um jogador ao solo. É normalmente utilizado em treinos para evitar contatos mais agudos, mas também existem competições específicas de touch rugby.

 

Test match – qualquer partida oficial entre seleções, tanto jogos de campeonato como amistosos.

 

Try (ensaio) – forma de pontuação máxima do rugby. Para anotar um try, um jogador deve alcançar ou ultrapassar a linha de in-goal do adversário (a linha de fundo) e apoiar a bola contra o solo, sendo necessário o contato simultâneo voluntário entre o atleta, a bola e o chão. Um try vale 5 pontos, e dá direito a um chute a gol (a conversão) para o time que pontuar. Em português, a tradução para “try” é “ensaio”.

 

Conversão – após anotar um try, a equipe tem direito a um chute a gol valendo 2 pontos. O local de onde o chute será dado deverá ser em qualquer local de uma linha imaginária paralela às laterais e perpendicular  ao local onde o try foi anotado (isto é, onde a bola foi apoiada no chão).
Try Convertido – se diz que um try foi convertido quando o chutador acertou a conversão, totalizando 7 pontos na jogada (5 do try + 2 da conversão).

 

Penalty Try (try/ensaio de penalidade) – quando um jogador é impedido de anotar um try certo por meio de um penal, o árbitro pode anotar um pentaly try, isto é, validando um try para a equipe que sofreu o penal. O local do chute de conversão de um penal try é sempre exatamente em uma posição frontal aos postes.

 

Chute de Penalidade (penal) – após faltas graves, de ação deliberada, o árbitro poderá anotar um penal contra a equipe infratora. A equipe que sofreu o penal poderá optar por um chute a gol do local onde a penalidade foi cometida. Um chute de penalidade certeiro vale 3 pontos. Outras opções que uma equipe que sofreu um penal tem são: escolher chutar a bola (que pode ser chutada para a lateral, com o arremesso lateral sendo cobrado pela equipe que chutou a bola para a lateral) e escolher um scrum a seu favor.

 

Obs: para um chute a gol ser considerado certeiro e valer pontos, a bola deverá passar entre as traves laterais (verticais) e acima do travessão (horizontal).

 

Drop goal (pontapé de ressalto) – a qualquer momento da partida, um jogador poderá tentar um drop goal. Para um drop goal ser validado, a bola deverá ter tocado o chão imediatamente antes de ser chutada, em um movimento de “bate pronto”. Um drop goal certeiro vale 3 pontos.

 

“H” (paus) – termo usado para o gol do rugby, que possui o formato da letra “H”.

 

Kick-off (pontapé inicial) – chute dado a partir do meio campo para o lado do campo do time adversário, que marca o início ou o reinício de uma partida. Após sofrer pontos, a equipe fará um chute de kick-off para o adversário. No seven-a-side, ocorre o contrário: a equipe que anotou pontos dará o kick-off. Um kick-off é dado com um chute de “bate pronto”. A bola deve no mínimo percorrer 10 metros.

 

Linha de 22 metros (linha das 22) – última linha que vai de uma lateral à outra antes do in-goal de cada time.

 

Linha dos 10 metros – as linhas tracejadas que sucedem em cada lado a linha do meio campo. Delimitam a distância mínima que a bola deve percorrer após um kickoff .

 

Forwards (avançados) – jogadores de frente, que vestem as camisas de números 1 a 8.

 

Pack – termo frequente para o conjunto dos forwards.

 

Tight 5 – termo usado para designar o conjunto dos atletas de primeira e de segunda linha no scrum.

 

Pilar prop, em inglês, referente aos jogadores com as camisas 1 (pilar aberto, ou loosehead prop) e 3 (pilar fechado, ou tighthead prop). Fazem parte da chamada primeira linha do scrum.

 

Hooker (talonador) – referente ao jogador que veste a camisas 2. Faz parte da chamada primeira linha do scrum.

 

Segunda linha lock, em inglês, referente aos jogadores que vestem as camisas 4 e 5.

 

Asa flanker, em inglês, referente aos jogadores que vestem as camisas 6 (asa cego, ou blindside flanker) e 7 (asa aberto, ou openside flanker). Faz parte da chamada terceira linha do scrum.

 

Oitavo – referente ao jogador que veste a camisa 8. Faz parte da chamada terceira linha.

 

Backs (linha) – jogadores que vestem as camisas de 9 a 15.

 

Scrum-half (médio-scrum, médio-de-formação) – referente ao jogador que veste a camisa 9.

 

Abertura (médio-de-abertura) fly-half, outside-half ou first five-eighth em inglês, referente ao jogador que veste a camisa 10.

 

Halfbacks – referente ao conjunto de scrum-half e abertura.

 

Pontaswings, em inglês, referente aos jogadores que vestem as camisas 11 (ponta esquerdo) e 14 (ponta direito).

 

Centroscentres, em inglês, referente aos jogadores que vestem as camisas 12 (primeiro centro) e 13 (segundo centro). O termo second five-eight para o primeiro centro e inside centre para o segundo centro são usados.

 

3/4s – sinônimo para o conjunto de centros e pontos.

 

Fullback – referente ao jogador que veste a camisa 15.

 

Nota: os atletas reservas vestem camisas numeradas a partir do 16.

 

Knock on – infração cometida por um atleta que permite que a bola se projete para frente.

 

Forward pass (passe para frente) – quando um atleta passa a bola para um atleta que está à sua frente.

 

Sin Bin (exclusão temporária) – quando um atleta recebe o cartão amarelo ele é excluído da partida por 10 minutos.

 

Blood bin (substituição por sangramento) – quando um atleta está sangrando, é obrigado a deixar o campo até estancá-lo. Outro atleta entra provisoriamente em seu lugar.

 

Tackle (placagem) – movimento que um atleta faz para derrubar o oponente que tem a posse da bola.

 

Scrum (formação ordenada ou fixa) – formação usada pelos forwards para recomeçar o jogo após algumas jogadas irregulares ou penalidades leves.

 

Ruck (formação espontânea) – formação muito comum que costuma acompanhar um lance de contato. Após receber um tackle e ir ao solo, o atleta é obrigado a soltar a bola, seguindo-se um ruck, no qual os atletas das duas equipes disputam a posse da bola, que está no chão.

 

Maul (volante/formação móvel) – formação que segue um lance de contato. Um maul é caracterizado quando três ou mais jogadores estão em contato simultâneo e, em pé, disputam a posse da bola, que não está no chão.

 

Line-out (alinhamento lateral) – quando a bola sai pela linha lateral, a reposição é normalmente feita por meio de um line-out. Jogadores de cada equipes (os forwards) formam duas fileiras perpendiculares à linha lateral e espaçados de 1 metro. A bola deve ser lançada justamente a meia distância entre as duas fileiras, ocorrendo a disputa entre as equipes.

 

Set pieces – scrums e lineouts.

 

Mark (marca) – quando a equipe adversária chuta a bola e o jogador da outra equipe a recebe dentro da sua área de 22 metros, sem deixá-la tocar o chão, ele pode pedir mark ou marca. Ao pedir a marca, o atleta deve cobrar um free-kick, e não poderá ser tocado.

 

Free Kick – após um mark ou uma infração o árbitro pode ordenar um free-kick. As opções de chutes são:
– um punt (um chute longo para o adversário sem deixar a bola tocar antes o solo);
– um drop kick (um chute longo para o adversário deixando antes a bola tocar o solo);
– ou um tap kick (um chute curto para as próprias mãos, possibilitando que a equipe saia jogando com as mãos, e não por meio de um chute ao adversário). Uma equipe pode optar por ter um scrum a favor no lugar de um free-kick.

 

Up and under – um chute muito alto e para frente, que visa à posse da bola na continuação da jogada. A altura do chute poderá determinar a possibilidade de atleta do time do chutador de alcançar a bola em sua descendente. O atleta que desfere um chute não pode ser obstruído.

 

Touch-down defensiva – quando um atleta apoia a bola em sua própria área de in-goal defensiva. A jogada não conta pontos para o adversário, que recebe apenas um scrum a seu favor, caso a bola tenha sido introduzida no in-goal pela equipe de defesa. Caso contrário, ocorre uma saída de 22m a favor da equipe defensiva.

 

Dummy – ato de ludibriar com as mãos um adversário, simulando um falso passe. Trata-se de um drible.

 

Side step – ato de ludibriar o adversário com os pés, simulando uma falsa mudança de direção. Trata-se de um drible de corpo.

 

Turnover – quando uma equipe perde a posse da bola após um ruck ou um maul que era a seu favor.

 

Offside (impedimento) – quando um jogador está em posição de fora de jogo, isto é, quando está à frente da linha da bola (demarcada por meio de uma formação) ou quando está à frente de um atleta que desferiu um chute (no momento do chute).

 

In-Goal – área do campo onde são anotados os tries.

 

Touchline – linhas laterais do campo.

 

In Touch – quando a bola não está em jogo.

 

TMO – árbitro de vídeo.

 

Terceiro tempo – momento tradicional do rugby, no qual os atletas das duas equipes confraternizam após uma partida.

 

Apelidos de algumas seleções pelo mundo:

Os (As) Tupis – Brasil

[British and Irish] Lions – Seleção do Reino Unido (Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda)

All Blacks – Nova Zelândia

Black Ferns – Nova Zelândia Feminina

Baby Blacks – Nova Zelândia masculina M20

Junior All Blacks – Nova Zelândia A (segunda seleção)

Wallabies – Austrália

Wallaroos – Austrália Feminina

Young Wallabies – Austrália masculina M20

Springboks – África do Sul

Baby Boks – África do Sul masculina M20

Emerging Springboks – África do Sul A (segunda seleção)

Los Pumas – Argentina

Los Pumitas – Argentina masculina M19/20

Jaguares – Argentina A (segunda seleção)

Los Teros (Quero-queros) – Uruguai

Los Teritos – Uruguai masculino M19/20

Los Cóndores (Condores) – Chile

Los Yacarés (Jacarés) – Paraguai

Los Tumis – Peru

Los Tucanes  (Tucanos) – Colômbia

Las Orquídeas – Venezuela

Los Ticos – Costa Rica

Los Jaguares – Guatemala

Los Torogoces – El Salvador

Las Serpientes (Serpentes) – México

Calypso Warriors (Guerreiros Calypso) – Trinidad e Tobago

Eagles (Águias) – Estados Unidos

Canucks (Os Azuis) – Canadá

Les Bleus (Os Azuis) – França

Gli Azzurri (Os Azuis) – Itália

Inglaterra – sem apelido – símbolo oficial – Rosa

Saxons (Saxões) – Inglaterra A (segunda seleção)

Escócia – sem apelido – símbolo oficial – Cardo

Irlanda – sem apelido – símbolo oficial – Trevo

Wolfhounds – Irlanda A (segunda seleção)

País de Gales – sem apelido oficial – extraoficial – Dragons (Dragões)

Lobos – Portugal

Linces – Portugal de Sevens

Raposas – Portugal Feminino

Los Leones (Leões) – Espanha

Diables Noirs (Diabos Negros) – Bélgica

Stejarii (Carvalhos) – Romênia

Lelos – Geórgia

Ursos – Rússia

Flores de Cerejeira / Brave Blossoms – Japão

Dragons (Dragões) – Hong Kong

Nômades – Cazaquistão

‘Ikale Tahi (Águias do Mar) – Tonga

Manu Samoa – Samoa

Flying Fijians (Fijianos Voadores) – Fiji

Puk Puks – Papua Nova Guiné

Welwitschias – Namíbia

Sables (Palancas-Negras) – Zimbábue

Les Elephants (Elefantes) – Costa do Marfim

Lions de L’Atlas – (Leões do Atlas) – Marrocos