Mais da série “As sedes do Mundial”! Se na última sexta-feira você conheceu Osaka, hoje você conhece a cidade vizinha de Kobe, a nova casa do craque neozelandês Dan Carter, que joga no grande time local, o Kobelco Steelers, atual campeão da Top League japonesa e que usa um dos estádios que sediaram a Copa do Mundo de Futebol de 2002, o Kobe City Stadium (construído em 2001 como Kobe Wing Stadium).

 

O porto e o bife

Kobe se localiza dentro da região metropolitana de Osaka (a “Keihanshin”), sendo a segunda maior cidade da região. A história de Kobe se confunde com a aproximação do Japão com o Ocidente no século XIX. Cidade costeira, Kobe ganhou importância no período Heian (entre os século VIII e XII) como porto de contato com a China, sendo fundamental na difusão do budismo pelo Japão.

- Continua depois da publicidade -

Em 1853, o movimentado porto passou a se orientar para o comércio com o Ocidente, sendo um dos portos escolhidos para promover os contatos com Estados Unidos e Europa. Com isso, Kobe passou a ser um polo de difusão da cultura ocidental – e, com isso, dos esportes. O primeiro clube esportivo do Japão nasceu na cidade, em 1870, sob influência inglesa: Kobe Regatta & Athletic Club. A primeira partida de de futebol da história do país foi organizada na cidade, em 1888.

No mundo da gastronomia, Kobe é mundialmente famosa pelo “melhor bife do mundo”, o Kobe Beef, e também por ser a maior produtora japonesa de saquê.

 

Rugby de aço

Além do futebol, Kobe é nacionalmente no Japão conhecida pelo rugby, por ter sido uma das primeiras cidades a ter a prática da modalidade – e chegar ao nível de excelência. Em 1928, a Kobe Steel, uma das maiores siderúrgicas japonesas, criou sua equipe de rugby, para fomentar a prática esportiva entre seus funcionários. Nutrindo rivalidade com os demais times nascidos na indústria de base e, em especial, com o rugby de Osaka, Kobe se tornou potência nos anos 80, com o Kobe Steel vivendo sua idade de ouro ao vencer por 7 anos seguidos (de 1988 a 1994) o Campeonato Japonês de Empresa, vencendo também todos os 7 títulos entre 1989 e 1995 do All-Japan Rugby Championship (torneio nacional mais importante da era amadora do rugby nipônico), a maior sequência da história do rugby japonês. Naquela equipe mítica estavam alguns dos maiores jogadores da história do Japão, que disputaram os primeiros Mundiais pelo país: Toshiyuki Hayashi (capitão na Copa do Mundo de 1987), Mitsutake Hagimoto, Atsushi Oyagi, Seiji Hirao e Takeomi Ito.

Em dezembro de 1995 Kobe foi destruída por um dos maiores terremotos da história moderna do Japão, que deixou mais de 6 mil mortos. Porém, o time da Kobe Steel se recuperou e voltou a erguer os dois títulos (de empresas e nacional) em 2000 e 2001, com um time que tinha Daisuke Ohata, até hoje o maior artilheiro de tries da história do rugby mundial de seleções.

Em 2004, o Campeonato Japonês de Empresa se tornou a profissional Top League e os agora chamados Steelers se sagraram os primeiros campeões da nova era do rugby japonês. No entanto, o título da bola oval só retornou a Kobe em 2018, quando um certo ex All Black bicampeão do mundo Dan Carter desembarcou por lá.