©INPHO/Billy Stickland

Hora de conhecermos o campeão do Six Nations! Gales? Irlanda? Inglaterra? Quem leva?

A última rodada da competição europeia rola nesse sábado, com todos os jogos no mesmo dia em sequência. Primeiro, França e Itália duelam no clássico mediterrânico, seguido pelo jogo mais aguardado de todos: Gales e Irlanda. Por fim, tem a Calcutta Cup, isto é, Inglaterra e Escócia.

A situação é muito simples: se Gales vencer, por qualquer placar, será campeão. Se a Irlanda vencer Gales, a decisão do título ficará para o duelo entre Inglaterra e Escócia. Se os ingleses vencerem na sequência, o título será deles. Se os escoceses vencerem, o título será irlandês. Simples.

- Continua depois da publicidade -

Gales e Irlanda: a primeira final e em pleno St. Patrick’s Day

O estádio é galês e estará mais vermelho que verde. Mas o dia é da Irlanda, pois sábado é St. Patrick’s Day, o Dia de São Patrício. E o jogo será épico, com Gales e Irlanda jogando pelo título do Six Nations. Ou melhor: Gales pelo título imediato e a Irlanda tendo que aguardar o jogo da Inglaterra.

Para buscar o primeiro título desde 2013, Gales não trocou nenhum nome depois da vitória sobre a Escócia. Liam Williams era dúvida, mas está recuperado fisicamente e começará como titular com a camisa 15. Gareth Anscombe continua como o 10 titular.

Já a Irlanda terá dois reforços de peso, parecendo ainda mais forte para a partida. O asa Sean O’Brien e o fullback Rob Kearney são os retornos aguardados, garantindo u XV titular de grande experiência e talhado para decisões.

Gales vai para o jogo com uma defesa impressionante, mas ainda deixa a desejar em termos de volume de jogo. Porém, quando precisaram definir, os galeses foram mais do que competentes. Os irlandeses, por sua vez, falharam defensivamente quando não podiam, isto é, contra a Inglaterra, mas provaram sua qualidade em convincente campanha de recuperação desde então.

Apesar de ser o único invicto, Gales foi o time com menos metros ganhos e menos linhas quebradas na competição, o que deixa claro o estilo de jogo mais pragmático e focado na forma defensiva que pratica o técnico Warren Gatland – e seu time foi uma verdadeira máquina de turnovers ganhos, superior à Irlanda. Não por acaso os verdes celebraram o retorno de O’Brien. Por outro lado, o time que menos deu offloads foi a Irlanda que, por outro lado, teve o melhor aproveitamento de tackles, revelando um rugby sempre seguro e metódico do técnico Joe Schmidt, que ainda conta com um lateral perfeito, dominante na competição.

A última vez que a Irlanda venceu Gales em Cardiff foi em amistoso em 2015. Ou seja, não faz muito tempo que a Irlanda conseguiu o que precisava na casa do rival celta. Mas a forma do time galês na defesa é impressionante e o jogo promete suspense até o fim.

Inglaterra e Escócia: uma potencial final e com tabus em jogo

O duelo mais antigo do rugby mundial, Inglaterra e Escócia entrarão em campo, como sempre, com a Calcutta Cup em disputa. Mas a expectativa do torcedor inglês é que o jogo valha também o título do Six Nations. Já a Escócia quer terminar em alta o torneio, mesmo sem chances de título, e sonha em quebrar alguns tabus. Vencedora do último duelo, em 2018, a Escócia não vence a Inglaterra duas vezes seguidas desde 1983-84. E os escoceses não ganham no estádio de Twickenham desde justamente 1983.

Para tentar quebrar os tabus, a Escócia terá que se virar com um elenco sofrendo com lesões. Foram 6 trocas no XV titular, com Sean Maitland jogando improvisado de fullback e Byron McGuigan ganhando vaga de titular na ponta, pelas leões de Kinghorn e Seymour, além de Hogg, ainda não recuperado. Ali Price e Finn Russell foram mantidos como a dupla de 9 e 10. Sam Johnson, que ganhou vaga de Pete Horne, jogar com Grigg nos centros, ambos fortes fisicamente, e o jovem Dacy Graham na ponta. Nos avançados, Hamish Watson ganhou o lugar do também lesionado Jamie Ritchie na asa, jogando ao lado de Sam Skinner, que ganhou posição de Josh Strauss. Bradbury vai a oitavo. Por fim, Ben Toolis ganhou posição na segunda linha.

A Inglaterra, por sua vez, trocou 4 homens da vitória sobre a Itália, Jack Nowell e Henry Slade ganhando as vagas na linha de Joe Cokanasiga e Ben Te’o. Ben Moon volta à primeira linha e Mark Wilson ganhou posição de Shields na asa. Youngs e Farrell seguem como 9 e 10.

Os ingleses terão ampla vantagem e são superiores posição a posição, especialmente por conta dos problemas físicos do lado escocês. Dificilmente haverá outro resultado que não um triunfo inglês, mas o fator rivalidade e uma eventual pressão por título do Six Nations poderão criar desafios extras para a Inglaterra superar. É o time de jogo positivo para o técnico Eddie Jones seguir montando seu time para brigar por título mundial.

França e Itália pelo orgulho

O único jogo que não vale o título do Six Nations vale uma taça. Itália e França duelarão pelo Troféu Giuseppe Garibaldi – ele mesmo, que lutou na Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do Sul, mas que também foi um dos líderes da Unificação da Itália e lutou pela França na Guerra Franco-Prussiana.

Indo para a história do rugby, a Itália venceu o troféu apenas duas vezes, a última em 2013. O momento italiano não é nada bom, com os Azzurri acumulando 21 derrotas seguidas no Six Nations. Mas a França balançou novamente com um terrível primeiro tempo diante da Irlanda e a confiança dos franceses no trabalho de renovação está na corda bamba. Por isso, o jogo é de imensa importância para os dois lados, pensando em Copa do Mundo.

A Itália teve 5 trocas no time que foi atropelado no último sábado pela Inglaterra. Marco Zanon é novidade no centro no lugar de Campagnaro, ao passo que as outras mudanças foram entre os avançados, com Leonardo Ghiraldini voltando a hooker, Tiziano Pasquali entrando de pilar, David Sisi retornando à segunda linha e finalmente Jake Polledri jogando na terceira linha ao lado do capitão Parisse e de Steyn, que oferecem um forte breakdown.

A França fez 6 trocas com relação ao time que jogou mal contra a Irlanda. A maior novidade é na linha com Wesley Fofana no lugar de Fickou, ao passo que Maxime Médard voltará a ser o 15 no lugar do jovem Ramos. O técnico Jacques Brunel lamentou a perda do asa Lauret por lesão e apostou em nova dupla, com Yacouba Camara e o jovem promissor Gregory Alldritt. Paul Willemse voltou a ter uma chance na segunda linha e Etienne Falgoux começará pela primeira vez como pilar titular na vaga do lesionado Poirot.

Os Bleus ainda têm o favoritismo, por conta da má fase italiana e do fato de ainda haver esperanças no desempenho de um elenco que tem nomes potencialmente estrelados, como os jovens Dupont e Ntamack. Mas se há um jogo para a Itália sonhar com ambição é esse e a dupla criativa Tebaldi e Allan será requisitada a fazer um jogo de alto nível para conduzir o time da casa para fora do inferno.

Encerramento feminino com novidade da ESPN

Já a última rodada feminino também decidirá título, mas ele está praticamente definido. No sábado, a Inglaterra encara a Escócia – em Twickenham, depois do jogo masculino – e, se vencer, erguerá a taça de campeã do Six Nations Feminino. As invictas Red Roses são amplas favoritas contra as lanternas escocesas, que ainda não venceram ninguém.

No domingo, Gales e Irlanda fazem um duelo parelho em busca do 4º lugar, ao passo que Itália e França fazem o jogo que será ineditamente exibido na ESPN Extra. As italianas buscam o histórico vice campeonato, mas a França é ampla favorita.

 

*Horários de Brasília

Sábado, dia 16 de março

versus copiar

09h30 – Itália x França, em Roma – Troféu Giuseppe GaribaldiESPN2 AO VIVO

Árbitro: Matthew Carley (Inglaterra)

Histórico: 40 jogos, 37 vitórias da França e 3 vitórias da Itália. Último jogo: França 34 x 17 Itália, em 2018 (Six Nations);

Itália: 15 Jayden Hayward, 14 Edoardo Padovani, 13 Marco Zanon, 12 Luca Morisi, 11 Angelo Esposito, 10 Tommaso Allan, 9 Tito Tebaldi, 8 Sergio Parisse (c), 7 Jake Polledri, 6 Abraham Jurgens Steyn, 5 Federico Ruzza, 4 David Sisi, 3 Tiziano Pasquali, 2 Leonardo Ghiraldini, 1 Andrea Lovotti;

Suplentes: 16 Luca Bigi, 17 Cherif Traore’, 18 Simone Ferrari, 19 Alessandro Zanni, 20 Sebastian Negri, 21 Guglielmo Palazzani, 22 Ian McKinley, 23 Luca Sperandio;

França: 15 Maxime Médard, 14 Damian Penaud, 13 Mathieu Bastareaud, 12 Wesley Fofana, 11 Yoann Huget, 10 Romain Ntamack, 9 Antoine Dupont, 8 Louis Picamoles, 7 Yacouba Camara, 6 Gregory Alldritt, 5 Paul Willemse, 4 Felix Lambey, 3 Demba Bamba, 2 Guilhem Guirado (c), 1 Etienne Falgoux;

Suplentes: 16 Camille Chat, 17 Dany Priso, 18 Dorian Aldegheri, 19 Paul Gabrillagues, 20 Arthur Iturria, 21 Baptiste Serin, 22 Camille Lopez, 23 Thomas Ramos;

 

versus copiar

11h45 – Gales x Irlanda, em Cardiff – ESPN2 AO VIVO

Árbitro: Angus Gardner (Austrália)

Histórico: 126 jogos, 68 vitórias de Gales, 51 vitórias da Irlanda e 7 empates. Último jogo: Irlanda 37 x 27 Gales, em 2018 (Six Nations);

Gales: 15 Liam Williams, 14 George North, 13 Jonathan Davies, 12 Hadleigh Parkes, 11 Josh Adams, 10 Gareth Anscombe, 9 Gareth Davies, 8 Ross Moriarty, 7 Justin Tipuric, 6 Josh Navidi, 5 Alun Wyn Jones (c), 4 Adam Beard, 3 Tomas Francis, 2 Ken Owens, 1 Rob Evans;

Suplentes: 16 Elliot Dee, 17 Nicky Smith, 18 Dillon Lewis, 19 Jake Ball, 20 Aaron Wainwright, 21 Aled Davies, 22 Dan Biggar, 23 Owen Watkin;

Irlanda: 15 Rob Kearney, 14 Keith Earls, 13 Garry Ringrose, 12 Bundee Aki, 11 Jacob Stockdale, 10 Jonathan Sexton, 9 Conor Murray, 8 CJ Stander, 7 Sean O’Brien, 6 Peter O’Mahony, 5 James Ryan, 4 Tadhg Beirne, 3 Tadhg Furlong, 2 Rory Best (c), 1 Cian Healy;

Suplentes: 16 Niall Scannell, 17 Dave Kilcoyne, 18 Andrew Porter, 19 Quinn Roux, 20 Jack Conan, 21 Kieran Marmion, 22 Jack Carty, 23 Jordan Larmour;

 

versus copiar

14h00 – Inglaterra x Escócia, em Londres – Calcutta Cup ESPN2 AO VIVO

Árbitro: Paul Williams (Nova Zelândia)

Histórico: 136 jogos, 75 vitórias da Inglaterra, 43 vitórias da Escócia e 18 empates. Último jogo: Escócia 25 x 13 Inglaterra, em 2018 (Six Nations);

Inglaterra: 15 Elliot Daly, 14 Jack Nowell, 13 Henry Slade, 12 Manu Tuilagi, 11 Jonny May, 10 Owen Farrell (c), 9 Ben Youngs, 8 Billy Vunipola, 7 Tom Curry, 6 Mark Wilson, 5 George Kruis, 4 Joe Launchbury, 3 Kyle Sinckler, 2 Jamie George, 1 Ben Moon;

Suplentes: 16 Luke Cowan-Dickie, 17 Ellis Genge, 18 Dan Cole, 19 Brad Shields, 20 Nathan Hughes, 21 Ben Spencer, 22 George Ford, 23 Ben Te’o;

Escócia: 15 Sean Maitland, 14 Darcy Graham, 13 Nick Grigg, 12 Sam Johnson, 11 Byron McGuigan, 10 Finn Russell, 9 Ali Price, 8 Magnus Bradbury, 7 Hamish Watson, 6 Sam Skinner, 5 Grant Gilchrist, 4 Ben Toolis, 3 Willem Nel, 2 Stuart McInally (c), 1 Allan Dell;

Suplentes: 16 Fraser Brown, 17 Gordon Reid, 18 Simon Berghan, 19 Jonny Gray, 20 Josh Strauss, 21 Greig Laidlaw, 22 Adam Hastings, 23 Chris Harris;

 

 SeleçãoJogosPontos
Gales523
Inglaterra518
Irlanda514
França510
Escócia59
Itália50
- Grand Slam = 3 pontos;
- Vitória = 4 pontos;
- Empate = 2 pontos;
- Derrota = 0 pontos;
- Anotar 4 ou mais tries = 1 ponto extra;
- Perder por diferença de 7 pontos ou menos = 1 ponto extra;

 

Women’s Six Nations – Seis Nações Feminino

Sábado, dia 16 de março

versus copiar

16h30 – Inglaterra x Escócia, em Londres – Watch ESPN AO VIVO

Árbitra: Joy Neville (Irlanda)

Histórico: 27 jogos, 25 vitórias da Inglaterra e 2 vitórias da Escócia. Último jogo: Escócia 08 x 43 Inglaterra, em 2018 (Six Nations Feminino);

 

Domingo, dia 17 de março

versus copiar

10h30 – Gales x Irlanda, em Cardiff – Watch ESPN AO VIVO

Árbitra: Hollie Davidson (Escócia)

Histórico: 26 jogos, 15 vitórias de Gales e 11 vitórias da Irlanda. Último jogo: Irlanda 35 x 12 Gales, em 2018 (Six Nations Feminino);

 

versus copiar

10h30 – Itália x França, em Padova – ESPN Extra AO VIVO

Árbitra: Rebecca Mahoney (Nova Zelândia)

Histórico: 21 jogos, 18 vitórias da França e 2 vitórias da Itália. Último jogo: França 57 x 00 Itália, em 2018 (Six Nations Feminino);

 

 SeleçãoJogosPontos
Inglaterra528
Itália517
França516
Gales511
Irlanda57
Escócia51
- Grand Slam = 3 pontos;
- Vitória = 4 pontos;
- Empate = 2 pontos;
- Derrota = 0 pontos;
- Anotar 4 ou mais tries = 1 ponto extra;
- Perder por diferença de 7 pontos ou menos = 1 ponto extra;