A World Rugby solta nota complementando os futuros testes nas regras após a Copa do Mundo de 2019, com a prioridade de prevenção de lesões, além de explorar maneiras de deixar o jogo mais dinâmico.

Foram criadas 6 propostas do grupo de revisão das leis de jogo (LRG) da World Rugby após simpósio ocorrido em março en Marcoussis, na França.

1- 50:22 – Inspirado no Rugby League, o portador da bola que chutar dentro da sua metade do campo, indiretamente – ou seja, a bola precisa pingar no campo antes de sair pela lateral – dentro das 22 adversária, ou, se estiver dentro das 22 e ela sair antes das 22 adversária, mas já no campo adversário, o lineout resultante será cobrado pelo time do chutador.

2 – Queda no ruck – Considerando que sem estar se sustentando somente pelos pés é estar fora do jogo, a LRG propõem que qualquer jogador nessa condição role para fora se estiver impedindo a continuidade do jogo ou atrapalhando a disponibilização da bola.

- Continua depois da publicidade -

3 – Redução no número de substituições – Considerando que haverá mais oportunidades de ataque com jogadores cansados em campo sem conseguir cobrir a defesa.

4 – Atrasar o movimento da defesa nos rucks – A defesa só poderia subir caso a bola chegue no primeiro atacante depois do ruck ou se o atacante optar por não passar.

5 – Reduzir a altura do tackle para somente na cintura – Forçando os defensores a tacklearem baixo para reduzir o risco de concussão com choques de cabeças.

6 – Habilidade de revisão de cartão amarelo – Caso um lance tenha gerado um cartão amarelo, possibilidade de revisão para garantir que o jogador sejam punidos de acordo e mude para cartão vermelho caso haja a necessidade.

Houve outras propostas a serem debatidas, além das 6 divulgadas:

A – limitação de penais ou free kick – Uma vez que um time atingiu a cota permitida, um cartão amarelo será dado ao jogador da última infração.

B – Saída de ingoal – Jogador que for travado e carregado para fora do campo dentro do ingoal não terá mais o scrum nas 5, mas perderá a posse para que o time defensor reinicie o jogo com um drop da linha de ingoal.

C – Substituição extra na prorrogação no Sevens

Outras recomendações também são listadas para a futura franquia do Rugby X, que ainda está em processo de construção.

Lembrando que são propostas que serão avaliadas em testes fechados, podendo ou não serem aprovadas no futuro. Assim como foi o power try, time que conseguisse um try saindo das próprias 22 sem sofrer tackle, valeria 9 pontos, ou até mesmo a proposta que o ponto de conversão passasse de 2 para 3 pontos ainda não foram aprovadas, pode ser que as propostas ainda ganhem mais definições com os testes. As que indicarão que o jogo se tornem mais seguros certamente serão aceleradas para testes maiores para aprovação final.

Boa parte das propostas, como substituições limitadas, saída de ingoal e 50:22 são frutos do rugby league, que além de estar inspirando as táticas do union, está passando a influenciar as regras e como serão as conduções dos jogos.