Foto: NRL

ARTIGO COM VÍDEOS – O fim de semana do Rugby League (o rugby de 13 jogadores) internacional foi de gala, com o grande clássico entre Austrália (Kangaroos) e Nova Zelândia (Kiwis) definindo o título da nova Oceania Cup.

Depois de perderem em 2018, os australianos bateram os neozelandeses desta vez em Wollongong e com brio. Implacáveis 26 x 04, com Addo-Carr e Cook marcando os primeiros tries do embate para os Kangaroos, enquanto Nicoll-Klokstad respondeu para os Kiwis ainda antes do intervalo. Mas o segundo tempo foi todo dos Kangaroos, com tries de Frizell e Tedesco para selarem o triunfo e o título.

- Continua depois da publicidade -


Antes de Kangaroos e Kiws, entraram ainda em campo Jillaroos e Kiwi Ferns, as seleções femininas de Austrália e Nova Zelândia, e o desfecho foi o mesmo, com vitória australiana por 28 x 08.


Já no sábado, o destaque maior foi o duelo entre Tonga (jogando como Tonga Invitational, por conta da suspensão de sua seleção pela International Rugby League) e Grã-Bretanha (a seleção britânica que, na prática, é quase toda inglesa e inicia sua gira histórica pela Nova Zelândia). Os britânicos fizeram seu primeiro jogo, em preparação para encontrarem os Kiwis na semana que vem, a agora lamentando derrota por 14 x 06 para os polinésios.

Por fim, o dia ainda foi de eliminatórias para a Copa do Mundo de 2021 na Europa, com Escócia e Irlanda praticamente assegurando classificação ao Mundial com vitória fáceis na abertura da fase final. Os escoceses fizeram 86 x 00 sobre a Sérvia e os irlandeses colocaram 42 x 08 na Espanha.

A Espanha decidirá classificação contra a Itália na semana que vem, enquanto a Sérvia decidirá sua sorte diante da Grécia.

 

26versus copiar04kiwis RL copy

Austrália 26 x 04 Nova Zelândia, em Wollongong

Austrália

Tries: Addo-Carr, Cook, Frizell e Tedesco

Conversões: Mitchell (3)

Penais: Mitchell (1) e Daly-Evans (1)

1 James Tedesco, 2 Josh Addo-Carr, 3 Latrell Mitchell, 4 Jack Wighton, 5 Nick Cotric, 6 Cameron Munster, 7 Daly Cherry-Evans, 8 Josh Papalii, 9 Damien Cook, 10 David Klemmer, 11 Boyd Cordner, 12 Tyson Frizell, 13 Jake Trbojevic;

Interchange: 14 Ben Hunt, 15 Payne Haas, 16 Paul Vaughan, 17 Wade Graham;

Nova Zelândia

Try: Nicoll-Klokstad

1 Roger Tuivasa-Sheck, 2 Ken Maumalo, 3 Charnze Nicoll-Klokstad, 4 Joseph Manu, 5 Jamayne Isaako, 6 Shaun Johnson, 7 Benji Marshall, 8 Leeson Ah Mau, 9 Brandon Smith, 10 Jared Waerea-Hargreaves, 11 Briton Nikora, 12 Kenny Bromwich, 13 Adam Blair;

Interchange: 14 Jahrome Hughes, 15 Zane Tetevano, 16 Braden Hamlin-Uele, 17 Corey Harawira-Naera;

 

28versus copiar08

Austrália 28 x 08 Nova Zelândia, em Wollongong – Feminino

 

14versus copiar06

Tonga Invitational 14 x 06 Grã Bretanha, em Hamilton (Nova Zelândia)

Copa do Mundo de Rugby League de 2021 – Eliminatórias

Zona Europeia – Fase Final

Grupo A

Espanha 08 x 42 Irlanda, em  Xàtiva

Dia 02/11 – Itália x Espanha, em Lignano

Dia 09/11 – Irlanda x Itália, em Santry

 

Grupo B

Escócia 86 x 00 Sérvia, em Glasgow

Dia 02/11 – Grécia x Escócia, em Londres

Dia 09/11 – Sérvia x Grécia, em Belgrado

 

O que é o Rugby League?

O Rugby League é uma modalidade do rugby que nasceu em 1895 no Norte da Inglaterra. Na época, o rugby (o Rugby Union) proibia o profissionalismo no mundo todo, mas um grupo de clubes ingleses se opôs à proibição de pagamentos a jogadores e romperam com a federação inglesa, formando uma liga independente. A fim de mudar a dinâmica do jogo e torná-lo mais aberto, a liga passou a promover mudanças nas suas regras, criando uma modalidade distinta, jogada com regras diferentes. O League, no entanto, se difundiu fortemente apenas no Norte da Inglaterra e na Austrália, onde é mais popular que o Union. O esporte ganhou popularidade ainda na Papua Nova Guiné (país da Oceania onde é o League e não o Union quem reina) e, em menor dimensão, na Nova Zelândia e em algumas partes da França.

As entidades que organizam o Rugby League no mundo não têm ligações com as entidades do Rugby Union. A federação internacional do League é a International Rugby League (IRL) – Federação Internacional de Rugby League. No Brasil, a entidade que organiza o League é a CBRL – Confederação Brasileira de Rugby League.

Quais as principais diferenças do League para o Union?

  • O League é jogado por 2 times de 13 jogadores cada, com 4 reservas, sendo que um atleta que foi substituído poderá retornar a campo. A modalidade reduzida principal é o Nines, de 9 jogadores de cada lado;
  • No League, o try vale 4 pontos, a conversão 2, o penal 2 e o drop goal (chamado também de field goal) 1 ponto;
  • Não existem rucks. Quando um atleta sofre o tackle, é seguro e vai ao chão o jogo é parado. O atleta com a bola é liberado, rola a bola com os pés para trás e o jogo é reiniciado. É o chamado “play the ball”;
  • Cada equipe tem direito a realizar 5 vezes o play the ball e, na sexta vez que um atleta é derrubado, a posse da bola troca de equipe. É a chamada “Regra dos 6 tackles”. Com isso, é comum após o 5º tackle a equipe com a posse da bola chutá-la;
  • Se a equipe defensora tocar na bola entre um play the ball e outro a contagem de tackles é zerada. Quando uma equipe com a posse de bola comete um erro de manuseio e a bola troca de posse o primeiro tackle é considerado “tackle zero” e a contagem se inicia apenas após ele;
  • Não há lineouts. A reposição da bola que saiu pela lateral é feita a partir de um scrum. Penais chutados para a lateral são cobrados com free kick;
  • Na prática, os scrums não possuem disputas, pois a equipe que introduz a bola na formação pode introduzi-la diretamente no pé de sua segunda linha. Porém, a equipe sem a bola pode tentar empurrar a formação para roubar a bola (o que é raro de acontecer);
  • Não existe o mark. Com isso, chutes no campo ofensivo são frequentes;
  • Um chute dado atrás da linha de 40 metros do campo de defesa que saia pela lateral após a linha de 20 metros do campo ofensivo é chamado de “40/20” e premia a equipe chutadora com a manutenção da posse da bola e com a contagem de tackles zerada;
  • A numeração dos atletas no League muda. Os números mais altos são para os forwards e os números menos são para a linha. O fullback é o camisa 1 e o pilar o 13, por exemplo;